Ocorrência fúngica em goiaba ‘paluma’ submetida a impacto e transportada em dois tipos de embalagens

Maciel dos Santos Freire, Márcia Aparecida Cerzar, Railene Hérica Carlos Rocha Araújo, Francisco de Assis de Souza, Tiago Augusto Cardoso de Lima

Resumo


No Nordeste, é comum a utilização de embalagens inadequadas para transporte de frutos,acarretando injúrias que servem como porta de entrada de patógenos. Objetivou-se avaliar a incidência de podridão, severidade e ocorrência fúngica em goiaba ‘Paluma’ transportada em dois tipos de embalagens. Frutos foram colhidos na Fazenda Mocó, Aparecida, Paraíba, no estádio de maturação “de vez”, e submetidos aos tratamentos por impacto através de queda à altura de 85cm sob piso industrial, caracterizando os tratamentos: T1, frutos submetidos a impacto, embalagem em caixa plástica de polietileno; T2, frutos submetidos a impacto, embalagem em caixa de papelão; T3, frutos sem impacto, embalagem em caixa plástica de polietileno; T4, frutos sem impacto, embalagem em caixa de papelão; T5, testemunha, frutos sem injúria mecânica. As amostras foram transportados por 45 km, até o Laboratório de Fitopatologia da Universidade Federal de Campina Grande, Campus Pombal. Os resultados de severidade mostraram que o tratamento T1 difere significativamente dos demais. Os tratamentos T1 e T2 apresentaram maior incidência de frutos com podridões. A maior ocorrência de fungos foi verificada nos tratamentos com caixa plástica, mostrando que este tipo de embalagem favorece a incidência fúngica.

Fungal occurrence in  guava 'paluma' submitted to impact and transported in two types of packaging

Abstract: In the Northeast it is common the use of inadequate packaging for fruit transportation, causing injuries that serve as pathogen gateway. This study aimed to evaluate the incidence of rot, fungal severity and occurrence in guava 'Paluma' transported in two types of packaging. Fruits were collected at farm Mocó, Aparecida – PB during maturation "of time," and subjected to treatment by impact through the fall height of 85 cm under industrial floor, featuring treatments: T1, fruits subjected to impact, packaging in plastic polyethylene box; T2, fruits subjected to impact, packing in cardboard box; T3, fruit without impact, packaging in plastic polyethylene box; T4, fruit without impact, packing in cardboard box; T5, witness, fruit without mechanical injury. These were carried by 45 km, to the Phytopathology Laboratory of CCTA. The results show that the severity of the treatment T1 differs significantly from the others. The T1 and T2 had a higher incidence of decayed fruits.


Palavras-chave


Psidium guajava L.; Fitopatógenos; Severidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALFENAS, A. C.; MAFIA, R. G. Métodos em fitopatologia. Viçosa:Editora UFV, 2007. 382p.

CAVALCANTI, L. S.; DI PIERO, R. M.; CIA, P.; PASCHOLATI, S. F.; RESENDE, M. L. V.; ROMEIRO, R.S. Indução de resistência em plantas a patógenos e insetos.Piracicaba:FEALQ, 2005. 263P.

CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A .B. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio.2a ed. Lavras: UFLA, 2005. 785p.

CHOUDHURY, M. M.; ARAÚJO, J. L. P.; GONZAGA NETO, L.; RESENDE, J. M.; COSTA, T. S. da; SCCAGGIANTE, G. Goiaba: Pós-colheita. Brasília: EMBRAPA – Informações Técnológicas (Frutas do Brasil), 2001. 45p.

DURIGAN, M. F. B.; MATTIUZ, B-H.; DURIGAN, J. F. Injúrias mecânicas na qualidade pós-colheita de lima ácida 'Tahiti' armazenada sob condição ambiente. Revista Brasileira deFruticultura,v.27, n.3, p.369-372, 2005.

FARIAS, J. F.; SILVA, L. J. B.; NETO, S. E. A.; Mendonça, V.Qualidade do maracujá–amarelo comercializado em Rio Branco, Acre. Revista Caatinga. v.20, n.3, p.196-202, 2007.

FERREIRA, D. F. Sisvar: Um programa para análises e ensino de estatística. Revista Symposium.v.6, p.36-41, 2008.

IBGE. Instituto brasileiro de geografia e estatística, Anuário estatístico do Brasil;Vol. 74, 2014. . 25 mar. 2016.

LEITE, G. A.; MEDEIROS, E. V.; MENDONÇA, V.; MORAES, P. L. D.; LIMA, L. M.; XAVIER, I. F. Qualidade pós-colheita da banana ‘Pacovan’ comercializada em diferentes estabelecimentos no município de Mossoró-RN. Revista Brasileira de Ciências Agrárias.v.5, n.3, p.322-327, 2010.

LOPES, E. B.; BRITO, C. H.; BATISTA, J. L.; SILVA, A. B. Ocorrência do nematoide Meloidogyne mayaguensis em goiabeira (Psidiumguajava) no estado da Paraíba. Revista Tecnologia e Ciência Agropecuária.v.4, n.2, p.12-16, 2010.

LORENZI, C. O.; JULIÃO, L.; SANTOS, F. G. R.; OLIVEIRA, F. V. Embalagens das “de sempre” para as sofisticadas. Hortifruti Brasil. v.12, n.137, p.08-23, 2014.

MAZIERO, M. T.; BERSOT, L. S. Micotoxinas em alimentos produzidos no Brasil. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais. v.12, n.1, p.89-99, 2010.

MARTINS, M. C.; AMORIM, L.; LOURENÇO, S. A.; GUTIERREZ, A. S. S.; WATANABE, H. S. Incidência de danos pós-colheita em goiabas no mercado atacadista de São Paulo e sua relação com a prática de ensacamento dos frutos.Revista Brasileira de Fruticultura, v.29, p.245-248, 2007.

OLIVEIRA, I. P.; OLIVEIRA, L. C.; MOURA, C. S. F. T.; JÚNIOR, A. F. L.; ROSA, S. R. A. Cultivo da goiabeira: do manejo da planta ao armazenamento de frutos. Revista Faculdade Montes Belos. v.5, n.4, 2012.

PASINI, J. Avaliação de danos mecânicos nas etapas de transporte, beneficiamento e comercialização de peras. Porto Alegre:Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012. 112 f. Dissertação de mestrado.

PEREIRA, V. M. O.; AMBRÓSIO, M. M. Q.; QUEIROGA, R. Q. F.; SOUSA, J. S.; WANDERLEY, J. A. C. Incidência e frequência de fungos em bananas comercializadas na feira livre de Pombal – PB. Revista Verde.v.5, n.4, p.55-60, 2010.

PEREIRA, F. M. Cultura da goiabeira. 1. ed. Jaboticabal: FUNEP, 1995. 47p.

ROCHA, R. H. C.; CEZAR, M. A.; SATIRO, D. D. S.; SILVA, H. S.; SOUSA, F. A.Características físico-químicas e incidência de patógenos fúngicosem mamão formosa comercializado no sertão paraibano. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais. v.17, n.3, p.199-205, 2015.

SILVA, H. S.; MOREIRA, I. S.; FURTUNATO, T. C.; HÉRICA, R. H.; SOUSA, F. A. Caixas para o transporte interno e armazenamento da goiaba ‘Paluma’ com injúria de impacto. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável.v.10, n.1, p.128-136, 2015.

SILVEIRA, N. S. S.; MICHEREFF, S. J. M.; SILVA, I. L. S. S.; OLIVEIRA, S. M. A. Doenças fúngicaspós-colheita em frutas tropicais: patogênese e controle. Revista Caatinga.v.18, n.4, p. 283-299, 2005.

STEFFENSI, C. A.; ESPÍNDOLA, B. P.; AMARANTE, C. V. T.; SILVAIRA, J. P. G.; CHECHI, R.; BRACKMANN, A. Respiração, produção de etileno e qualidade de maçãs “Gala” em função do dano mecânico por impacto e da aplicação de 1-metilciclopropeno. Ciência Rural. v.38, n.7, p.1864-1870, 2008.

XAVIER, I. F.; LEITE, G. A.; MEDEIROS, E. V.; MORAES, P. L. D.; LIMA, L. M. Qualidade pós-colheita de manga ‘Tommy Atkins’ comercializada em diferentes estabelecimentos comerciais no município de Mossoró-RN. Revista Caatinga v.22, n.4, p.7-13, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v12i2.4296

Direitos autorais 2017 Maciel dos Santos Freire et al.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.