Diversidade florística e índices arbóreos de escolas no município de Formoso do Araguaia, Tocantins

André Ferreira dos Santos, Gildeane Costa, Lucicléia Mendes Oliveira, Patrícia Aparecida Souza, Kaio Cesar Cardoso de Lima Fonseca Alves

Resumo


A arborização nas escolas exerce papel importante na melhoria desses ambientes, tornando-os mais atrativos e agradáveis para a comunidade educacional e serve como exemplo e fonte de aprendizagem contínua. Assim, objetivou-se fazer o levantamento das espécies e índices arbóreos em nove escolas no município de Formoso do Araguaia, Tocantins. O referido estudo foi realizado em nove escolas públicas do município, desconsiderando-se as escolas particulares. Para saber o número de alunos existentes, cada escola forneceu a relação dos matriculados no período. Fez-se o senso e a identificação da vegetação arbórea presente nos pátios das nove unidades. Os dados de altura foram levantados com auxílio de um clinômetro, com uma trena coletou-se o diâmetro de copa e o tamanho da área de cada pátio escolar e através do Microsoft Excel fez-se os cálculos dos índices de Densidade Arbórea (IDA), Sombreamento Arbóreo (ISA) e de Área Verde (IAVE). Nas escolas foram encontrados 158 indivíduos pertencentes a 14 famílias botânicas representadas por 27 espécies, distribuídas em 15 nativas e 12 exóticas. A escola João Queiroz destacou-se com o melhor ISA (28,19%) e a Hermínio Azevedo Soares pode ser considerada como referência pelos índices encontrados (ISA=19,037% e IDA=0,97%).  As espécies nativas mais frequentes foram Licania tomentosa (Benth.) Fritsch, Mangifera indica L. e Cassia fistula L. Os maiores índices arbóreos (IDA e ISA) foram verificados nas escolas João Queiroz e Hermínio Azevedo Soares e o menor na Silas Raimundo Milhomem dos Santos. 

Floristic diversity and arboreal indices of schools in Formoso do Araguaia municipality, Tocantins

Abstract: The afforestation in schools plays an important role in improving these environments, making them more attractive and enjoyable for the educational community and serves as an example and source of continuous learning. Thus, the objective was to make a survey of arboreal species and indices found in nine schools in Formoso do Araguaia, Tocantins. This study was carried out in nine public schools in the city, disregarding private schools. To know the number of existing students, each school provided the list of those enrolled in the period. The sense and the identification of the arboreal vegetation present in the schoolyards of the nine units were made. The height data were collected with the aid of a clinometer, with a measuring tape was collected the tree crown diameter and the area of each schoolyard and through Microsoft Excel the calculations of the Arboreal Density Index (ADI), Shading Arboreal Index (SAI) and Green Area Index (GAI). In schools were found 158 individuals belonging to 14 botanical families represented by 27 species, distributed in 15 native and 12 exotic. The João Queiroz school excelled with the best SAI (28.19%) and the Herminio Azevedo Soares school can be considered as reference by the indices found (SAI = 19.037% and ADI = 0.97%). The most frequent native species were Licania tomentosa (Benth.) Fritsch, Mangifera indica L. and Cassia fistula L. The largest arboreal indices (ADI and SAI) were observed at schools João Queiroz and Herminio Azevedo Soares and the lowest indices at Silas Milhomem Raimundo dos Santos school.

 


Palavras-chave


Arborização urbana. Índice de sombreamento arbóreo. Pátio escolar

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. C. N.; ANDRADE, T. C. Q.; NERY, J. M. F. G. A influência da vegetação e da ocupação do solo no clima urbano: um exercício analítico sobre a Avenida Paralela. Fórum Patrimônio, Belo Horizonte, v.4, n.1, p.43-52, 2011.

ANDRADE, R. T. G.; SILVA, A. C. C. Educação ambiental: uma perspectiva metodológica empregada pelo projeto nativas no campus da UFRN. Holos, Natal, v.1, ano 24, p.93-118, 2008.

APG III. An update of the angiosperm phylogeny group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, Londres, v.161, n.2, p.105-121, 2009.

BIONDI, D.; LEAL, L.; SCHAFFER, M. Aspectos importantes das plantas ornamentais em escolas públicas estaduais da cidade de Curitiba, PR. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v.3, p. 267-275, 2008.

BOLZAN, A. Z.; GRACIOLI, C. R. Ações de educação ambiental na escola municipal de ensino fundamental João Pessoa - São Sepé, RS. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, v.6, n. 6, p.1007-1014, 2012.

CADORIN, D. A., HASSE, I., SILVA, L. M., BETT, C. F. Características da flora arbórea de quatro escolas de Pato Branco-PR. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v.6, n.2, p.104-124, 2011.

CALLEJAS, I. J. A.; DURANTE, L.C.; OLIVEIRA, A. S.; NOGUEIRA, M. C. J. A. Diversidade e índices arbóreos em ambientes escolares. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, v.18, n.1, p.454-466, 2014.

DURANTE, L.C. Sombreamento arbóreo e desempenho termoenérgético de edificações. Cuiabá: UFMT, 2012. 228p.

FAGUNDES, J. F.; BANDEIRA, G. L.; SIQUEIRA, A. B.; NEIS, F. A.; KONFLANZ, T. L. Arborização e jardinagem na Escola Municipal de Ensino Fundamental Assis Brasil em Palmeira das Missões – RS. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, v.19, n.2, p.1162-1173, 2015.

FREITAS, W. K.; MAGALHÃES, L. M. Métodos e Parâmetros para Estudo da Vegetação com Ênfase no Estrato Arbóreo. Floresta e Ambiente, Seropédica, v.19, n.4, p.520-540, 2012.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Estimativa populacional 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponível em: . Acesso em 25 Jun. 2014.

KÜSTER, L. C.; STEDILLE, L. I. B.; DACOREGIO, H.; SILVA, A. C.; HIGUCHI, P. Avaliação de riscos e procedência de espécies arbóreas nas escolas estaduais de Lages, SC. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v.11, n.2, p. 118-125, 2012.

LIMA NETO, E. M.; SOUZA, R. M. Índices de densidade e sombreamento arbóreo em áreas verdes públicas de Aracaju, Sergipe. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba – SP, v.4, n.4, p.47-62, 2009.

LORENZI, H. Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. 1.ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2003. 368p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5.ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008. 384p.

MUNEROLI, C. C.; MASCARÓ, J. J. Arborização urbana: uso de espécies arbóreas nativas na captura do carbono atmosférico. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v.5, n.1, p.160-182, 2010.

PAIVA, V. A; LIMA, A. B. M.; CARVALHO, A.; JUNIOR, A. M.; GOMES, A.; MELO, C. S. Inventário e diagnóstico da arborização urbana viária de Rio Branco, AC. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v.5, n.1, p.144-159, 2010.

SANTOS, A. F.; JOSÉ, A. C.; SOUSA, P. A. Fitossociologia e diversidade de espécies arbóreas das praças centrais do município de Gurupi - TO. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v.8, n.4, p.36‐46, 2013.

SANTOS, K. A.; LOPES, S. F. Avaliação da arborização da escola estadual professor Vicente Lopes Perez, Monte Carmelo – MG. Cadernos da FUCAMP, Monte Carmelo, v.9, n.11, 2010. Disponível em: . Acesso: 29 jan. 2015.

SILVA, A. G.; PAIVA, H. N.; GONÇALVES, W. Avaliando a arborização urbana. 1.ed. Viçosa: Aprenda Fácil, 2007. 346p.

SIMÕES, L. O. C.; MAROTTA, H.; PIRES, B. B. M.; UMBELINO, L. F.; COSTA, A. J. S. T. Índices de Arborização em espaço urbano: um estudo de caso no bairro de Vila Isabel, Rio de Janeiro, RJ. In: Encontro Nacional de Arborização Urbana, 9, 2001, Brasília. Anais ... Brasília: ABRH, 2001. CD Rom.

SBAU. SOCIEDADE BRASILEIRA DE ARBORIZAÇÃO URBANA. Carta a Londrina e Ibiporã. Boletim Informativo, v.3, n.5, p.3, 1996.

TOCANTINS, Secretaria do Planejamento e da Modernização da Gestão Pública. Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial. 6.ed. Palmas: SEPLAN/DZE, 2012. 20p.

TOLEDO, F. S.; SANTOS, D. G. Espaços livres de construção. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v.3, n.1, p.73-91, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v12i2.4353

Direitos autorais 2017 André Ferreira dos Santos et al.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.