Severidade de antracnose e crestamento bacteriano comum em feijoeiro sob diferentes espaçamentos e população de plantas

Luis Osmar Braga Schuch, Irajá Ferreira Antunes, Marcos Paulo Ludwig, Sandro de Oliveira, Elisa Souza Lemes

Resumo


O feijão (Phaseolus vulgaris L.) tem grande importância econômica e social no Brasil fazendo parte da alimentação básica. A incidência de doenças foliares causa prejuízos à lavoura. O objetivo do trabalho foi avaliar a severidade de Antracnose e Crestamento Bacteriano Comum em feijoeiro sob diferentes espaçamentos e populações de plantas. Os experimentos foram conduzidos na área experimental do Centro Agropecuário da Palma, da Universidade Federal de Pelotas, em três anos de cultivo. As populações utilizadas foram 100, 200, 350 e 500 mil plantas ha-1 com espaçamentos entre linhas de 25, 50 e 75 cm. As avaliações foram realizadas nas vagens e folhas quando as plantas se encontravam no estágio R8. A severidade do Crestamento Bacteriano Comum e da Antracnose é variável de acordo com o ano de cultivo. A severidade do Crestamento bacteriano é mais afetada pela população de plantas do que pelo espaçamento. Menores espaçamentos entre linha, associados a maiores populações de plantas proporcionam um fechamento do solo mais rápido o que resulta em uma condição mais propícia ao desenvolvimento das doenças. A distribuição uniforme das plantas na área reduz a severidade de doenças.

Palavras-chave


Phaseolus vulgaris; Doenças de plantas; Colletotrichum lindemuthianum; Xanthomonas campestri

Texto completo:

HTML PDF

Referências


COSTA, J. A. Redução no espaçamento entre linhas e potencial de rendimento da soja. Revista Plantio Direto, 22-28, 2002.

EMBRAPA. Informações Técnicas para o cultivo do Feijoeiro Comum na Região Nordeste Brasileira 2012-2014- Documentos 181, Aracaju, 2013.

FERREIRA, D. F. Manual do sistema Sisvar para análises estatísticas. Universidade Federal de Lavras, Departamento Ciências Exatas, Lavras, 2000, p.69.

FERNANDEZ, F.; GEPTS, P.; LOPEZ, M. Etapas de desarollo de la planta de fríjol común (Phaseolus vulgaris L.). Cali, Colômbia: CIAT, 1986.

JAUER, A.; DUTRA, L. M. C.; ZABOT, L.; UHRY, D.; LUDWIG, M. P.; FARIAS, J. R.; GARCIA, D. C.; LUCIO, A. D. C.; LUCCA FILHO, O. A.; PORTO, M. D. M. Efeitos da população de plantas e de tratamento fitossanitário no rendimento de grãos do feijoeiro comum, cultivar “TPS Nobre”. Ciência Rural, v. 6, n. 5, p. 1374-1379, 2006.

JAUERR, A.; DUTRA, L. M. C.; LUCCA FILHO, O. A.; SANTI, A. L.; ZABOT, L.; UHRY, D.; BONADIMAN, R.; BELLÉ, G.; LUCIO, A. D. C. Rendimentos de grãos, seus componentes e características morfológicas do feijoeiro comum cultivado em quatro densidades de semeadura na safrinha. Ciência Rural, v. 33, n. 1, p. 21-26, 2003a.

JAUER, A.; DUTRA, L. M. C.; LUCCA FILHO, O. A.; SANTI, A. L.; ZABOT, L.; UHRY, D.; BONADIMAN, R.; BELLÉ, G.; LUCIO, A. D. C. Comportamento da cultivar BR-IPAGRO 44-guapo brilhante de feijoeiro em quatro populações de plantas na safrinha em Santa Maria-RS. Ciência Rural, v. 33, v. 2, p. 201-206, 2003b.

KNEBEL, J. L.; GUIMARÃES, V. F.; ANDREOTTI, M.; STANGARLIN, J. R. Influência do espaçamento e população de plantas sobre doenças de final de ciclo e oídio e caracteres agronômicos em soja. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 28, n. 3, p. 385-392, 2006.

PASSOS, A. L. P. Mapeamento de locos de resistência ao Crestamento Bacteriano Comum do Feijoeiro (Fhaseolus vulgaris L.). 2016. 81p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Planas. Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

RAVA, C. A. Eficiência de fungicidas no controle da antracnose e da mancha angular do feijoeiro comum. Summa Phytopathologica, v. 8, n. 1, p. 65-69, 2002.

REY, M. S.; BALARDIN, R. S.; PIEROBOM, C. R. 2005. Reação de cultivares de feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris) a patótipos de Colletotrichum lindemuthianum. Revista Brasileira de Agrociência, v. 11, n. 1, p. 113-116, 2005.

ROSOLEM, C. A.; MARUBAYSHI, O. M. Seja o doutor do seu feijoeiro. Informações Agronômicas. 68 p. 18, 1994.

VECHIATO, M. H.; KOHARA, E. Y.; MENTEN, J. O. M. Transmissão de Colletotrichum indemuthianum em sementes de feijoeiro comum. Summa Phytopathologica, v. 23, p. 265-269, 1997.

ZIVIANI, A. C.; RIBEIRO JÚNIOR, W. Q.; RARMOS, M. L. G.; BARBOSA, M. A. A. F.; CORDEIRO, A.; FRANÇA, L.V. Arranjos espaciais de feijoeiro de portes contrastantes e seus efeitos na produtividade e cobertura vegetativa. Bioscience Journal, v. 25, n. 2, p.1-9, 2009.

STRECK, E. V.; KÄMPF, N.; DALMOLIN, R. S. D.; KLAMT, E., NASCIMENTO, P. C.; SCHNEIDER, P.; GIASSON, E. PINTO, L. F. S. Solos do Rio Grande do Sul. 2.ed. Porto Alegre, EMATER/RSASCAR, p. 222, 2008.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. 2015. Acompanhamento de safra brasileira: sexto levantamento grãos safra 2014/2015, Brasília, Observatório Agrícola, p. 1-107, 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2015.

RAVA, C. A.; COSTA, J. G. C.; SARTORATO, A.; PURISSOMO, J. D. Catálogo do feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris L.): reação de linhagens e cultivares às principais doenças. Goiânia: EMBRAPA-CNPAF, 122p. 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v12i4.4589

Direitos autorais 2017 Luis Osmar Braga Schuch et al.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.