Composição da comunidade fitoplanctônica no estuário do rio Apodi-Mossoró, Semiárido brasileiro

Jônnata Fernandes de Oliveira, Rogério Taygra Vasconcelos Fernandes, José Luís Costa Novaes, Rodrigo Fernandes, Rodrigo Silva da Costa

Resumo


Objetivou-se caracterizar a estrutura da comunidade fitoplanctônica bem como as principais variáveis abióticas do estuário do rio Apodi-Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil. Foram realizadas coletas mensais durante as marés altas de sizígia e análises de variáveis abióticas e bióticas de julho de2004 aagosto de 2005 em três pontos (foz, estuário médio e estuário superior). Foram calculadas as médias para cada estação de coleta e período sazonal, além dos atributos de comunidade: riqueza, diversidade e equitabilidade. Para a identificação dos principais fatores responsáveis pela variância dos dados foi realizada a Análise de Componentes Principais, as variações na abundância fitoplanctônica, por sua vez, foram avaliadas usando a Análise de Correspondência e a Análise de Correspondência Canônica. O estuário do rio Apodi-Mossoró é um ecossistema tropical e estável termicamente, influenciado pela sazonalidade dos períodos de estiagem e chuvas. Seu regime de salinidade predominante é o euhalino, podendo variar entre oligohalino e hipersalino em função do balanço hídrico, além disso, seu pH é predominantemente alcalino. Este ambiente pode ser considerado oligotrófico e bem oxigenado. A comunidade fitoplanctônica do estuário esteve composta por 109 táxons infragenéricos, pertencentes a cinco grupos distintos, com Bacilallariophyta apresentando maior contribuição, tanto no aspecto qualitativo (62%) como quantitativo (74%). A riqueza, bem como a diversidade, foi superior em 2004, assim como no período de estiagem, apresentando tendência de diminuição conforme o afastamento da foz e, segundo os atributos de comunidade, esta é de elevada riqueza e bem distribuída, porém, de baixa diversidade.

Composition of the phytoplankton community in the Apodi-Mossoró River estuary, Brazilian semi-arid

Abstract: The objective was to characterize the structure of the phytoplankton community as well as the main abiotic variables of the Apodi-Mossoró estuary, Rio Grande do Norte, Brazil. Monthly collections were carried out during high tides of syzygy and analyzes of abiotic and biotic variables from July 2004 to August 2005 in three points (estuary, middle estuary and upper estuary). The means were calculated for each collection season and seasonal period, in addition to the community attributes: richness, diversity and equitability. For the identification of the main factors responsible for the data variance, the Principal Component Analysis was performed and the variations in the phytoplankton abundance were evaluated using the Correspondence Analysis and Canonical-Correlation Analysis. The Apodi-Mossoró River estuary is a thermally stable tropical ecosystem, influenced by the seasonality of drought and rainy periods. Its predominant salinity regime is euhaline, which can vary from oligohaline to hypersaline as a function of water balance, and its pH is predominantly alkaline. This environment can be considered oligotrophic and well oxygenated. The phytoplankton community of the estuary consisted of 109 infrageneric taxa, belonging to five distinct groups, with Bacilallariophyta showing the greatest contribution, both in the qualitative aspect (62%) and in the quantitative aspect (74%). Wealth and diversity were higher in 2004, as well as in the dry season, with decreasing trends depending on the distance from the mouth, and according to community attributes, this richness is well distributed but low in diversity.


Palavras-chave


Ecologia

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, G. T. C.; PASSAVANTE, J. Z. O.; MUNIZ, K. Biomassa fitoplanctônica do estuário do rio Maracaípe (Ipojuca, Pernambuco). In: CHELLAPPA, N. T.; CHELLAPPA, S.; PASSAVANTE, J. Z. O. (org.). Ecologia Aquática Tropical, v.1, p.121-142, 2004.

APHA. Standard methods for the examination of water and wastewater. 18 ed. Washington, DC: American Public Health Association, 1992.

BICUDO, C. E. M.; MENEZES, M. Gênero de Algas de águas Continentais do Brasil. Chave para identificação e descrição. 2 ed. São Carlos, SP: Ed. Rima, 2006.

BRYCE, S. A.; HUGHES, R. M.; KAUFMANN, P. R. Development of a Bird Integrity Index: Using Bird Assemblages as Indicators of Riparian Condition. Environmental Management, v.30, n.2, 2002, p.294-310.

CAMARGO, A. F. M.; ESTEVES, F. A. Influence of water level variation on fertilization of na oxbow lake of Rio Mogi-Guaçu, state of São Paulo, Brazil. Hydrobiologia, v.299, p.185-193, 1993.

CAMPELLO, M. J. A. Ecologia e biomassa do microfitoplâncton da praia de Carne de Vaca (Goiana), Pernambuco. 1999. 78f. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 1999.

DAY, J. W.; HALL, C. A. S.; KEMP, W. M. Estuarine Ecology. New York: John Wiley & Sons, 1989, 558p.

ELLIOTT, M.; WHITFIELD, A. K. Challenging paradigms in estuarine ecology and management. Estuarine, Coastal and Shelf Science, v.94, n.4, p.306-314, 2011.

ESKINAZI-LEÇA, E.; NEUMANN-LEITÃO, S.; COSTA, M. F. (org.). Oceanografia: um cenário tropical. 2004. 761f. Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Tecnologia e Geociências, Departamento de Oceanografia, Recife. 2004.

FLORES MONTES, M. J. Variação nictemeral do fitoplâncton e parâmetros hidrológicos no canal de Santa Cruz, Itamaracá, PE. 1996. 201f. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 1996.

FRONEMAN, P. W. Response of the plankton to three different hydrological phases of the temporarily open/closed Kasouga Estuary, South Africa. Estuarine, Coastal and Shelf Science, v.55, p.535-546, 2002.

GOLTERMAN, K. L.; CLYMO, R. S.; OHMSTAD, M. A. M. Methods for physical and chemical analysis of freshwaters. Londres: Blackwell Scientific Publication, 1978, 214p.

HAMMER, O. PAST: Paleontological Statistics, version 3.14. http://http://folk.uio.no/ohammer/past/. 2017.

HINO, K.; TUNDISI, J. G. Atlas de algas da Represa do Broa. São Carlos: UFSCar, 1977.

LACERDA, S. R. Série temporal do fitoplâncton do estuário da Barra das Jangadas (Jaboatão dos Guararapes – Pernambuco – Brasil). 2004. 115f. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2004.

LEÃO, B. M. Biomassa, taxonomia e ecologia do fitoplâncton do estuário do rio Igarassu (Pernambuco, Brasil). 2004. 71f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Pernambuco, 2004.

LEVINTON, J. S. Marine biology: function, biodiversity, ecology. New York: Oxford University, 1995, 420p.

LOBO, E.; LEIGHTON, G. Estructuras comunitarias de las fitocenosis planctonicas de los sistemas de desembocaduras de rios y esteros de la zona central de Chile. Revista de Biologia Marina, v.22, n.1, p.1-29, 1986.

LOSADA, A. P. M. Biomassa fitoplanctônica correlacionada com parâmetros abióticos, nos estuários dos rios Ihetas e Mamucaba, e na Baía de Tamandaré (Pernambuco – Brasil). 2000. 89f. Dissertação (Mestrado em Oceanografia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2000.

MARIANO-ASTOCONDOR, M. Composición y estructura de la comunidad fitoplanctónica en la laguna Tranca Grande (Junín, Peru). Revista Peruana de Biologia, v.8, n.2, 2001.

MATOS, M.; TENEMBAUM, D. R. O microfitoplâncton da baía de Sepetiba (RJ, Brasil): abundância e distribuição em duas épocas do ano. In: Congresso de ecologia do Brasil, 6., 2003, Fortaleza. Anais... Fortaleza: [s.n.], 2003.

MELO-MAGALHÃES, E. M. Ecologia do fitoplâncton do complexo estuarino-lagunar Mundau/Managuaba, Alagoas – Brasil. 2000. 92f. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2000.

NUCCIO, C.; MELILLO, C.; MASSI, L.; INNAMORATI, M. Phytoplankton abundance, community structure and diversity in the eutrophicated Orbetello lagoon (Tuscany) from 1995 to 2001. Oceanologica Acta, n.26, p.15-25, 2003.

NUSCH, E. A. Comparison of methods for chlorophyll and phaeopigment determination. Arch. Hydrobiol. Beih. Ergebn. Limnol., v.14, p.14-36, 1980.

OCHOA, N.; TARAZONA, J. Variabilidad temporal de pequena escala em el fitoplâncton de Bahia Independência, Pisco, Peru. Revista Peruana de Biologia, v.10, n.1, p.59-66, 2003.

PEREIRA FILHO, J.; ACHETTINI, C. A. F.; RÖRIG, L.; SIEGLE, E. Intratidal variation and net transport of dissolved inorganic nutrients, POC and chlorophyll a in the Camboriú river estuary, Brazil. Estuarine, Coastal and Shelf Science, v.53, p.249-257, 2001.

PHLIPS, E. J.; BADYLAK, S.; GROSSKOPF, T. Factors affecting the abundance of phytoplankton in a restricted subtropical lagoon, the Indian River lagoon, Florida, USA. Estuarine, Coastal and Shelf Science, v. 55, p.385-402, 2002.

PINTO, R.; PATRÍCIO, J.; BAETA, A.; FATH, B. D.; NETO, J. M.; MARQUES, J. C. Review and evaluation of estuarine biotic indices to assess benthic condition. Ecological Indicators, v.9, n.1, p.1-25, 2009.

SAGERT, S.; JENSEN, D. K.; HENRIKSEN, P.; RIELING, T., SCHUBERT, H. Integrated ecological assessment of Danish Baltic Sea coastal areas by means of phytoplankton and macrophytobenthos. Estuarine, Coastal and Shelf Science v. 63, p.109–118, 2005.

SANTIAGO, M. F. Ecologia do fitoplâncton de um ambiente tropical hipersalino (Rio Pisa Sal, Galinhos, Rio Grande do Norte, Brasil). 2004. 136f. Dissertação (Mestrado em Oceanografia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2004.

SANTOS-FERNANDES, T. L. S.; PASSAVANTE, J. Z. O.; KOENING, M. L.; MACÊDO SILVA, C. A. R. (coord.). Caracterização física, físico-química e química dos estuários Apodi, Conchas, Cavalos, Açu, Guamaré, Galinhos, Ceará-Mirim, Potengi, Papeba e Guaraíra. Relatório final. Natal/RN. IDEMA, 2004, 50p.

SEMARH. Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. Disponível em: http://www.semarh.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN= ITEM&TARG=17381&ACT=&PAGE=0&PARM=&LBL=Servi% E7os. Acesso em: 15 Ago. 2017.

SHANNON, C. E.; WEAVER, W. The Mathematical Theory of Communication. Urbana: University of Illinois Press, 1963, 173p.

SILVA, C. A. R. Caracterização física, físico-química e química dos estuários Apodi, Conchas, Cavalos, Açu, Guamaré, Galinhos, Ceará-Mirim, Potengi, Papeba e Guaraíra. Relatório final: Físico-Química Marinha (Litoral Setentrional). Natal/RN: Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte/IDEMA, 2004, 54p.

SILVA, F. M., OLIVEIRA, F. F. G.; ALMEIDA, L. Q. Análise da vulnerabilidade socioambiental no ambiente estuarino: uma visão teórica-conceitual na interface entre sociedade e natureza. Revista do CERES, v.1, n.2, p.138-143, 2015.

SILVA, M. H. Estrutura e produtividade da comunidade fitoplanctônica de um estuário tropical (Sirinhaém, Pernambuco, Brasil). 2009. 170f. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2009.

SILVA, M. H. Fitoplâncton do estuário do rio Formoso (Rio Formoso, Pernambuco, Brasil): biomassa, taxonomia e ecologia. 130f. Dissertação (Mestrado em Oceanografia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2003.

TOLEDO JUNIOR, A. P.; TALARICO, M.; CHINEZ, S. J.; AGUDO, E. G. A aplicação de modelos simplificados para a avaliação do processo da eutrofização em lagos e reservatórios tropicais. Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Balneário Camboriú, Santa Catarina, 1983, p.1-34.

TUNDISI, J. G. O plâncton estuarino. Contribuições Avulsas [do] Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, São Paulo, Série Oceanografia Biológica, v.19, p.1-22, 1970.

UTERMÖHL, H. Zur Vervollkommung der quantitativen Phytoplankton metodik. Mitt Int. Rer Theor. Argrew. Limnol., v.9, p.1-38, 1958.

VARELA, M.; PREGO, R. Hydrography and phytoplankton in an isolated and non-pristineria área: the Coruña harbour (NW Spain). Acta Oecologica, v.24, n.2, p.113-124, 2003.




Direitos autorais 2017 Rogério Taygra Vasconcelos Fernandes et al.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.