Nível de informação e consumo da população sobre produtos orgânicos em Santana do Livramento, Rio Grande do Sul

Simone Braga Terra, José Enrique Lopes da Costa

Resumo


A preocupação com a contaminação dos alimentos por resíduos de agrotóxicos têm motivado mudanças nas técnicas de manejo agrícola, com destaque para a produção orgânica. Porém, uma grande parcela da população ainda desconhece a definição de alimento orgânico, seus benefícios e suas características, havendo muitas distorções acerca do assunto. Nesse contexto, objetivou-se realizar a avaliação do nível de conhecimento e consumo da população do município de Santana do Livramento, Rio Grande do Sul, sobre os produtos oriundos da agricultura orgânica, através de entrevista qualitativa e quantitativa a partir da aplicação de questionário fechado, direcionado a diferentes grupos sociais, como comerciários, estudantes e funcionários públicos da zona central. Os resultados evidenciaram que o perfil do consumidor de produtos orgânicos é predominantemente feminino (62,5%), com grau de escolaridade superior completo (32,5%), de classe social média (37,5%), que estão em busca de uma melhor qualidade de vida, preservação da saúde e por busca de um alimento saudável. Como entraves ao consumo, destaca-se o preço final no mercado de varejo, a falta de divulgação dos benefícios e a pequena variedade de alimentos orgânicos ofertados. Constata-se que no município existe um mercado promissor para a comercialização dos produtos orgânicos, que poderá ser melhor explorado via difusão de informações à população e melhor exposição nas gôndolas dos mercados e das feiras livres. 

Level of information and consumption of the population on organic products in Santana of the Livramento, Rio Grande do Sul

Abstract: The preoccupation with the contamination of the foods for pesticides residues they have been causing changes in the techniques of agricultural handling, with distinction for the organic production. However, a great piece of the population still does not know the definition of organic food, his benefits and his characteristics, when many distortions are her around the subject. In this context, this inquiry had as I aim to carry out the evaluation of the level of knowledge and accomplish of the population of local authority of the Santana do Livramento, Rio Grande do Sul, on the products originating from the organic agriculture. The results showed up that the profile of the consumer of organic products is predominantly feminine (62,5 %), with complete degree of superior schooling (32,5 %), of middle social class (37,5 %), which are in search of a better quality of life, preservation of the health and for search of a healthy food. Since you should hamper to the consumption, the final price stands out in the market of retail trade, the lack of spread of the benefits and the small variety of offered organic foods. It is noticed that in the local authority there is a promising market for the marketing of the organic products, what will be able to be better explored he was seeing diffusion of informations to the population and better exhibition in the racks of the markets and of the markets.


Palavras-chave


Mercado de hortaliças; Perfil de consumidor; Produção orgânica de alimentos.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, D. Nutritionists question study of organic food. Nature, v.412, p. 666, 2001.

ALMEIDA-MURADIAN, L. B.; PENTEADO, M. V. C. Vigilância sanitária. Tópicos sobre legislação e análise de alimentos. 1.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. 203 p.

ANDRADE, L. M. S., BERTOLDI, M. C. Atitudes e motivações em relação ao consumo de alimentos orgânicos em Belo Horizonte, MG. Braz. J. Food Technol., Belo Horizonte, v.11, n.8, p.31-40, 2012.

AZEVEDO E. Riscos e controvérsias no processo de construção do conceito de alimento saudável: o caso da soja. 2009. 98f. Tese (Doutorado em Sistemas Agroalimentares) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2009.

AZEVEDO E. Alimentos orgânicos: ampliando conceitos de saúde humana, social e ambiental. 1.ed. Tubarão: Unisul, 2006. 200p.

BERTASSO, B. F. O consumo alimentar em regiões metropolitanas brasileiras: análise da pesquisa de orçamentos familiares/IBGE – 1995/96. Piracicaba, 2000. 109f. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, USP: Piracicaba. 2000.

BOCHNER, R. Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas – SINITOX e as intoxicações humanas por agrotóxicos no Brasil. Revista Ciência e Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v.12, n.1, p.73-89, 2007.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Decreto nº 7.048 de 28, de 23 de dezembro de 2009. Dá nova redação ao art. 115 do Decreto no 6.323, de 27 de dezembro de 2007, que regulamenta a Lei no 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica. Brasília, DF, 24 dezembro. 2009. Seção 1, p.56-66.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Lei n° 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Brasília, DF, 22 maio. 2006. Seção 1, p.51-86.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Presidência da República. Casa Civil. Lei n. 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 24 de dez. 2003. Seção 1, p. 8.

CAMARGO, A. M. M. P.; CASER, D. V.; CAMARGO FILHO, W. P.; CAMARGO, F. P.; COELHO, P. J. Área cultivada com agricultura orgânica no estado de São Paulo, 2004. São Paulo: Informações Econômicas, v.36, n.3, p. 101-111, 2006.

CÉZAR, A. da S.; BATALHA, M. O.; PIMENTA, M. L. A certificação orgânica como fator estratégico na governança das transações no mercado de alimentos, Lavras. Organizações Rurais & Agroindustriais, v.10, n.3, p. 376-386, 2008.

COELHO, C. N. A expansão e o potencial do mercado mundial de produtos orgânicos. Revista de Política Agrícola, v.10, n.2, p.27-33, 2001.

CUENCA, M. A. G. Perfil do consumidor e do consumo de produtos orgânicos no Rio Grande do Norte. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, Série Documentos. ISSN 1678-1953. 2007.

COLLA, C. Análise do comportamento do consumidor das feiras livres nos municípios de Cascavel e de Toledo, PR. 2008. 128p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Agronegócio) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus Toledo. 2008.

DATACENSO. Mercado de Produtos Orgânicos: Consumidor. Curitiba: SEBRAE, 2002. 89 p.

DELGADO P. Intoxicações e uso de pesticidas por agricultores do município de Pati do Alferes, Rio de Janeiro. Caderno Saúde Pública, v.20, p.180-186, 2004.

FAO. Organização Mundial de Saúde. Food safety risk analysis. A guide for national food safety authorities. Rome: FAO; 2001.

FILGUEIRA, F.A.R. Novo Manual de Olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 2.ed. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2000. 402p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de orçamentos familiares 2002-2003: análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e estado nutricional no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2004.

KRISCHKE, P. J.; TOMIELLO, N. O comportamento de compra dos consumidores de alimentos orgânicos: um estudo exploratório. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar de Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), v. 10, n.96, p.27-43, 2009.

LAIRON D. Nutritional quality and safety of organic food. A review. Agron Sustain Dev. v.30, n.1, p.33–41, 2009.

LAYTANO, Dante. Folclore do Rio Grande do Sul. 2. ed. Caxias do Sul: Editora UCS, 1997. 166p.

MALHOTRA, N. K. Introdução à Pesquisa de Marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. 174p.

MEI-FANG, C. Consumer attitudes and purchase intentions in relation to organic foods in Taiwan: moderating effects of foodrelated personality traits. Food Quality and Preference, Barking, v.18, n.7, p.1008-1021, 2007.

PAULUS, G. Do padrão moderno à agricultura alternativa: possibilidades de transição. 2009. 89f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis. 2009.

PELAEZ, V.; ARAÚJO, E.; GUIMARÃES, T.; HAMERSCHMIDT, P.; HERMIDA, C.; MELO, M.; HOFMANN, R.; MELO, M.; PROBST, R.; SOUZA, D. Monitoramento do mercado de agrotóxicos. Programa de Mestrado e Doutorado em Políticas Públicas, UFPR, 2011.

PELINSKI, A.; GUERREIRO, E. Os benefícios da agricultura orgânica em relação à convencional: ênfase em produtos selecionados. Publicações UEPG Ciências Humanas. v.12, n.2, p.49-72, 2004.

SANCHES, M. Hortaliças: consumo e preferência de escolares. 2002. 137f. Dissertação (Mestrado) – ESALQ/USP, Piracicaba, SP. 2002.

SANTOS, C.G.; COBUCCI, R. M.A.; FERNANDEZ, M.X.V. Estudo do perfil dos consumidores de alimentos orgânicos em Goiânia. Revista Estudos, v.36, n.5/6, p.885-896, 2009.

SCHMIDT, V. D. B. Consumidores orgânicos e agricultura orgânica: entre discurso, intenção e gesto. 2004. 165f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistema) - Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis. 2004.

SILVA, M. M da C. Demanda domiciliar de frutas e hortaliças no Brasil. 2013. 125f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG. 2013.

SILVA, D.; COSTA C. C. Identificação dos consumidores de hortaliças da feira livre de Pombal, PB: aspectos socioeconômicos e culturais. Revista Verde, v.6, n.6, p.56-60, 2011.

SOUZA, N. J. Agricultura Convencional e Agricultura Ecológica: um debate sobre a sustentabilidade de um novo sistema agrícola. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2005. 210p.

SOUZA, A. C.; LIMA, S. R. R. Perfil dos produtores orgânicos no município de Ilhéus, Bahia. In: Congresso Brasileiro de Sitemas Agroflorestais, 5, 2004, Curitiba. Anais... Curitiba: Embrapa Florestas, 2004. p.44.

TABAI, K.C. Avaliação dos resultados do programa de análise da qualidade de alimentos do Instituto Nacional de Metrologia e Qualidade Industrial (Inmetro). 2001. 139f. Tese (Doutorado em Alimentos e Nutrição) - Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

VIEBIG, R. F.; PASTOR-VALERO, M.; SCAZUFCA, M.; MENEZES, P. R. Consumo de frutas e hortaliças por idosos de baixa renda na cidade de São Paulo. Revista Saúde Pública. v.43, n.5, p.806-813, 2009.

VILAS BOAS, S. H. T.; SETTE, R. S.; BRITO, M. J. Comportamento do consumidor de produtos orgânicos: uma aplicação da cadeia de meios e fins. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v.8, n.1, p.25-39, 2006.

WIER, M.; C. CALVERLEY. Market Perspectives for Organic Foods in Europe. British Food Journal. v.104, n.7, p. 45-62, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v12i2.4822

Direitos autorais 2017 Simone Braga Terra e José Enrique Lopes da Costa

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.