Eventos extremos de precipitação no sertão paraibano: Variação espaço-temporal

Jaricélia Patrícia de Oliveira Sena, Daisy Beserra Lucena, George do Nascimento Ribeiro

Resumo


A variabilidade pluviométrica é característica marcante na região semiárida, não somente nos totais anuais, como também na quantidade e distribuição espacial. Com o objetivo de contribuir para o entendimento dos eventos extremos de precipitação na região semiárida da Paraíba, foi identificado anos de eventos extremos na microrregião do Sertão paraibano, utilizando o Índice de Anomalia de Chuva (IAC). Os dados utilizados foram provenientes do CPC (Climate Prediction Center), centro pertencente ao NCEP (National Centers for Environmental Prediction), compreendendo o período de 1979-2013. Os resultados mostram a distribuição têmporo-espacial bastante homogênea em relação aos eventos extremos, ou seja, os anos chuvosos ou secos, quando ocorrem atingem toda a microrregião. Observou-se que no painel anual um período bem pequeno de precipitação, considera-se o período chuvoso e após este período percebe-se que ocorre uma diminuição drástica na precipitação. Dos 35 anos analisados de precipitação, verificou-se que 19 anos apresentaram precipitações abaixo da média climatológica (54,3%) e 16 anos com precipitações acima da média (45,7%). A contribuição dos meses que não compõe o período chuvoso para a microrregião do Sertão Paraibano (maio a janeiro), apresentou-se de forma significativa nos eventos chuvosos, entretanto, para os eventos secos não teve nenhuma contribuição. A variação espacial da precipitação na região tanto para a climatologia, quanto para as composições dos anos selecionados como secos e chuvosos, apresenta distribuição no sentido Leste-Oeste, com amplitudes altas, comprovando a variação espacial.


Palavras-chave


Painel têmporo-espacial; IAC; Semiárido

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, L. E.; MORAES NETO, J. M.; SOUSA, F. A. S. Classificação da precipitação anual e da quadra chuvosa da bacia do rio Paraíba utilizando o Índice de Anomalia de Chuva (IAC). Revista Ambiente & Água – Na Interdisciplinary Journal of Applied Science, Taubaté, v.4, n.3. p.93-110. 2009.

ASSIS, J. M. O.; SOUZA, W. M.; SOBRAL, M. C. M.; MELO, G. L.; IRMAO, R. A. Índice de anomalia de chuva (IAC) como indicador para análise da variabilidade climática na bacia hidrográfica do Rio Pajeú-PE. In: XX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. Bento Gonçalves – RS. 2013.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Mudanças climáticas e suas implicações para o Nordeste. relatores: Otamar de Carvalho; Nilson Holanda. Brasília: MMA. 232 p. 2005

CHECHI, L.; SANCHES, F. O. O Uso do Índice de Anomalia de Chuva (IAC) na avaliação do Fenômeno do El Niño Oscilação Sul (ENOS) no Alto Uruguai Gaúcho entre 1957-2012. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 6, n. 6, 2013.

FRANCISCO, P. R. M. Classificação e mapeamento das terras para mecanização do Estado da Paraíba utilizando sistemas de informações geográficas. 122f. Dissertação (Manejo de Solo e Água). Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba. Areia, 2010

FREITAS, M. A. S. A Previsão de secas e a gestão hidroenergética: o caso da Bacia do Rio Parnaíba no nordeste do Brasil. In: Seminário Internacional Sobre Represas y Operación de Embalses. Puerto Iguazú. v. 1.p.1-1. 2004.

FREITAS, M. A. S. Um sistema de suporte á decisão para o monitoramento de secas meteorológicas em regiões semiáridas. Revista Tecnologia, Fortaleza, v. suplem., p. 84-95, 2005.

GEO BRASIL. Recursos hídricos: componente da série de relatórios sobre o estado e perspectivas do meio ambiente no Brasil. Ministério do Meio Ambiente; Agência Nacional de Águas; Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; ANA. GEO Brasil Série Temática: GEO Brasil Recursos Hídricos, 264 p. 2007.

GONÇALVES, N. M. S. Impactos pluviais e desorganização do espaço urbano em Salvador. In: MENDONÇA, F.; MONTEIRO, C.A.F. (Org.). Clima urbano. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2013

GONÇALVES, W. A.; CORREIA, M. F.; ARAÚJO, L. E.; DA SILVA, D. F.; ARAÚJO, H. A. Vulnerabilidade climática do nordeste Brasileiro: uma análise de eventos extremos na Zona Semiárida da bacia hidrográfica do São Francisco. In: Congresso Brasileiro de Meteorologia, Florianópolis-SC. 2006.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia. Disponível em: < www.ibge.gov.br/home/ >. Acesso em: 29 de maio de 2016.

LIMEIRA, R. C. Variabilidade e Tendência das Chuvas no Estado da Paraíba. Universidade Federal de Grande, Unidade Acadêmica de Ciências Atmosféricas, Centro de Tecnologia e Recursos Naturais, Programa de Pós graduação em Meteorologia. Dissertação de mestrado, 2008.

LOUREIRO, R. S. de; SARAIVA, J. M.; SARAIVA, I.; SENNA, R. C.; FREDO, A. S. Estudo dos eventos extremos de precipitação ocorridos em 2009 no estado do Pará. Revista Brasileira de Meteorologia, São Paulo, v. 29, n. esp., p. 83-94, dez. 2014.

MARCUZZO, F.F.N.; GOULARTE, E.R.P.; MELO, D.C.R. Mapeamento Espacial, Temporal e Sazonal das Chuvas no Bioma Amazônico do Estado do Tocantins. In: X Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste. 2010.

MARENGO, J. A. Mudanças climáticas e eventos extremos no Brasil. Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável – FBDS. 2010. Disponível em: < http://www.fbds.org.br/cop15/FBDS_MudancasClimaticas.pdf >. Acesso em: 29 de maio de 2016.

MARENGO, J. A. Mudanças climáticas globais e regionais: Avaliação do clima atual do Brasil e projeções de cenários climáticos do futuro. Revista Brasileira de Meteorologia, v.16, p. 1-18. 2002.

MELO, J. S. Avaliação dos dados de precipitação derivados do Climate Prediction Center (CPC) no sertão Paraibano e a influência dos oceanos. TCC (Graduação em Engenharia de Biossistemas). UFCG - Campus Sumé. p. 36. 2015.

PARAÍBA. Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente. Agência Executiva de Gestão de Águas do Estado da Paraíba, AESA. PERH-PB: Plano Estadual de Recursos Hídricos: Resumo Executivo & Atlas. Brasília, DF, 112 p. 2006.

REPELLI, C. A.; FERREIRA, N. S.; ALVES, J. M. B.; NOBRE, C. A. Índice de anomalia de precipitação para o Estado do Ceará. In: X Congresso Brasileiro de Meteorologia e VII Congresso da Flismet. Brasília. 1998.

ROOY, M. P. VAN. A Rainfall Anomaly Index Independent of Time and Space. Notes, v.14, p. 43, 1965.

SANCHES, F. O.; VERDUM, R.; FISCH, G. O índice de anomalia de chuva (IAC) na avaliação das precipitações anuais em Alegrete/RS (1928-2009). Caminhos de Geografia. v.15, n.51, p. 73-84. 2014.

SENA, J. P. O.; MELO, J. S.; LUCENA, D. B.; MELO, E. C. S. Técnica dos quantis para caracterização de eventos extremos de precipitação na microrregião do Sertão Paraibano (1995-2012). In: Terra: Saúde Ambiental e Soberania Alimentar. Ituiutaba-MG: Barlavento. v. I, p. 806-817. 2015.

SILVA, J. B.; BASGALUPP, M. P.; PAZ, S. R. Comportamento das precipitações pluviais mensais em Pelotas, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 13, n. 01, p. 155-159. 2005.

SILVA, A. L.; ROVERATTI, R.; REICHARDT, K.; BACCHI, O. O. S.; TIMM, L. C.; BRUNO, I. P.; OLIVEIRA, J. C. M.; DOURADO-NETO, D. Variabilidade do componentes do balanço hídrico de uma cultura de café no Brasil. Scientia Agricola, Piracicaba, v.63, n.2, p.105-114, 2006.

SILVA, L. L. Precipitações Pluviais da Pré-estação Chuvosa no Período Chuvoso e Suas Influências na Produtividade Agrícola da Paraíba. Dissertação de Mestrado em Meteorologia. Universidade Federal de Campina Grande, 114 p. 2007.

SILVA, V. P. R.; CAVALCANTI, E. P.; NASCIMENTO, M. G.; CAMPOS, J. H. B. C. Análises da precipitação pluvial no Estado da Paraíba com base na teoria da entropia. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. v. 7, n.2, p 269-274. 2003.

WANDERLEY, L. S. A.; MORETTI, R. C.; SILVA, A. C. Variabilidade de pluviométrica e as lavouras sazonais no município de Taperoá, Paraíba. Revista Geonorte, Edição especial 2, V.2, N. 5, p.1181 – 1190, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v12i4.4938

Direitos autorais 2017 Jaricélia Patrícia de Oliveira Sena et al.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.