Aspectos fisiológicos e crescimento do algodoeiro ‘BRS topázio’ cultivado com águas salinas e adubação potássica

Jessica Dayanne Capitulino, André Alisson Rodrigues da Silva, Geovani Soares de Lima, Rual Araújo Nobrega, Héraclito Marques do Nascimento, Lauriane Almeida dos Anjos Soares

Resumo


Objetivou-se avaliar os índices fisiológicos e o crescimento do algodoeiro colorido cv. BRS Topázio submetido à irrigação com águas de diferentes níveis de salinidades e adubação com doses de potássio. O experimento foi conduzido em vasos sob condições de casa de vegetação, utilizando-se um Neossolo Regolítico Eutrófico de textura franco-arenoso não salino. Utilizaram-se o delineamento de blocos casualizados, com 4 repetições, cujos tratamentos foram distribuídos em esquema fatorial 4 x 4, sendo quatro níveis de condutividade elétrica da água de irrigação (CEa) (1,5; 3,0; 4,5 e 6,0 dS m-1) e quatro doses de potássio (50; 75; 100 e 125% da recomendação), sendo a dose de 100% correspondente a 150 mg K2O por kg-1 de solo. Avaliaram-se os efeitos dos tratamentos sobre a concentração interna de CO2 (Ci), transpiração (E), condutância estomática (gs), taxa de assimilação de CO2 (A), eficiência no uso da água (EiUA) e a eficiência instantânea da carboxilação (EICi), fitomassa seca das folhas (FSF), fitomassa seca do caule (FSC), fitomassa seca da parte aérea (FSA), área foliar especifica (AFE) e no período compreendido entre 30 e 130 dias determinaram-se a taxa de assimilação líquida (TAA). As trocas gasosas e a fitomassa seca da folha, a fitomassa seca do caule e a fitomassa seca da parte aérea do algodoeiro colorido cv. BRS Topázio reduz acentuadamente, quando submetida a níveis de CEa maior que 1,5 dS m-1. A área foliar especifica e a taxa de assimilação líquida do algodoeiro BRS Topázio não foram afetados pela água de irrigação com água salina. A adubação potássica não exerceu influência sobre as variáveis de analisadas do algodoeiro colorido. Não houve interação entre os fatores salinidade da água de irrigação versus doses de potássio para as variáveis analisadas.

Physiological aspects and growth of 'BRS topázio' cotton cultivated with salt waters and potassic fertilization


The objective of this work was to evaluate the physiological indexes and the growth of the colored cotton cv. BRS Topázio submitted to irrigation with water of different levels of salinities and fertilization with doses of potassium. The experiment was conducted in pots under greenhouse conditions, using a non-saline sandy-loam Eutrophic Regenerative Neosol. A randomized complete block design with 4 replications was used, and the treatments were distributed in a 4 x 4 factorial scheme, with four levels of electrical conductivity of the irrigation water -ECw (1.5, 3.0, 4.5 and 6.0 dS m-1) and four doses of potassium (50, 75, 100 and 125% of the recommendation), the dose of 100% corresponding to 150 mg K2O per kg-1 of soil. The effects of treatments on CO2 internal concentration (Ci), transpiration (E), stomatal conductance (gs), CO2 assimilation rate (A), water use efficiency (EiUA) and instant carboxylation (EICi), dry leaf phytomass (FSF), dry stem biomass (FSC), dry shoot biomass (FSA), specific leaf area (AFE) and in the period from 30 to 130 days, the rate of net assimilation (TAA). The gaseous exchanges and the dry matter of the leaf, the dry stem biomass and the dry matter of the aerial part of the colored cotton cv. BRS Topázio reduces markedly when submitted to ECw levels greater than 1.5 dS m-1. The specific leaf area and the net assimilation rate of the BRS Topázio cotton were not affected by the irrigation water with saline water. Potassium fertilization had no influence on the analyzed variables of the colored cotton. There was no interaction between irrigation water salinity versus potassium doses for the analyzed variables.

 

Palavras-chave


Estresse salino; Nutrição mineral; Gossypium hirsutum L.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, R. C.; BELTRÃO, N. E. de M. Crescimento da mamoneira em solo com alto teor de alumínio na presença e ausência de matéria orgânica. Revista Brasileira e Fibrosas, v. 11, p. 15-21, 2007.

AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. A qualidade da água na agricultura. 2.ed. Campina Grande: UFPB, 1999. 153p. (Estudos FAO, Irrigação e Drenagem, 29).

BRITO, M. E. B.; SOARES, L. A. A.; FERNANDES, P. D.; LIMA, G. S.; SÁ, F. V. S.; MELO, A. S. Comportamento fisiológico de combinações copa/porta-enxerto de citros sob estresse hídrico. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 7, p. 857-865, 2012.

CHAVES, M. M. Effects of water deficits on carbon assimilation. Journal of Experimental Botany, v.42, p.1-16, 1991.

CLAESSEN, M. E. C. (Org.). Manual de métodos de análise de solo. 2.ed. rev. atual. Rio de Janeiro: Embrapa CNPS, 1997. 212p. Documentos, 1.

PEREIRA, F. H. F.; ESPINULA NETO, D.; SOARES, D. C.; OLIVA, M. A. Trocas gasosas em plantas de tomateiro submetidas a condições salinas. Horticultura Brasileira, v.22, sp., 2004.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal , In: Larcher, W. A planta sob estresses. São Carlos: Rima, 341-448, 2004.

EMBRAPA. Algodão Colorido: Tecnologia Embrapa para a geração de emprego e renda na agricultura familiar do Brasil. Campina Grande, 2011. 2p. (EMBRAPA-CNPA, Circular Técnico, 17).

ERNANI, P. R.; ALMEIDA, J. A. de; SANTOS, F. C. dos. Potássio. In: NOVAIS, R. F.; ALVAREZ V., V. H.; BARROS, N. F. de; FONTES, R. L. F.; CANTARUTTI, R. B.; NEVES, J. C. L (Ed.). Fertilidade do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2007. p.551-594.

FLOWERS, T. J. Improving crop salt tolerance. Journal of Experimental Botany, v. 55, p. 307-319, 2004.

FREIRE, E. C. Algodão no cerrado do Brasil. Brasília: Abrapa, 2011. 1082p.

IAC, Instituto Agronômico de Campinas. Disponível em: http://www.iac.sp.gov.br/Tecnologias/Algodao/algodao.htm. Acesso: 03/04/2017.

JÁCOME, A. G.; FERNANDES, P. D.; GHEYI, H. R.; GONÇALVES, A. C. A.; SILVA, F. F. da. Avaliação de genótipos de algodoeiro sob níveis de salinidade da água de irrigação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.9, p.365-369, 2005.

KURBAN, H.; SANEOKA, H.; NEHIRA, K.; ADILLA, R.; PREMACHANDRA, G. S.; FUJITA, K. Effect of salinity on growth, photosynthesis and mineral composition in leguminous plant Alhagi pseudoalhagi (Bieb.). Soil Science and Plant Nutrition, v.45, p.851-862. 1999.

LIMA, R. L. S.; SEVERINO, L. S.; FERREIRA, G. B.; SILVA, M. I. L. da;ALBUQUERQUE, R. C.; BELTRÃO, N. E. de M. Crescimento da mamoneira em solo com alto teor de alumínio na presença e ausência de matéria orgânica. Revista Brasileira de Oleaginosas e Fibrosas, v. 11, p. 15-21, 2007.

MACHADO, E. C., MEDINA, C. L., GOMES, M. M. A. Teor de água no substrato de crescimento e fotossíntese em laranjeira “Valença”. Bragantia, v.58, p.217-226, 1999.

MUNNS, R.; HUSAIN, S.; RIVELLI, A.R.; RICHARD, A. J.; CONDON, A. G.; MEGAN, P. L.; EVANS, S. L.; SCHACHTMAN, D. P.; HARE, R. A. Avenues for increasing salt tolerance of crops, and the role of physiologically based selection traits. Plant and Soil, v.247, p.93-105, 2002.

MUNNS, R.; TESTER, M. Mechanisms of salinity tolerance. Annual Review of Plant Biology, v. 59, p. 651-681, 2008.

NEVES, A. L. R.; LACERDA, C. F. de; GUIMARÃES, F. V. A.; GOMES FILHO, E.; FEITOSA, D. R. C. Trocas gasosas e teores de minerais no feijão-de-corda irrigado com água salina em diferentes estádios. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.13, p.873-881, 2009.

NOVAIS, R. F.; NEVES, J. C. L.; BARROS, N. F. Ensaio em ambiente controlado. In: Oliveira, A. J. (ed.) Métodos de pesquisa em fertilidade do solo. Brasília: Embrapa-SEA. 1991. p.189-253.

PARANYCHIANAKIS, N. V.; CHARTZOULAKIS, K. S. Irrigation of mediterranean crops with saline water: from physiology to management practices. Agriculture, Ecosystems and Environment, v.106, p.171-187, 2005.

RICHARDS, L. A. Diagnosis and improvement of saline and alkali soils. Washington: U.S. Department ofAgriculture, 1954.

SILVA, F. L. B.; LACERDA, C. F.; SOUSA, G. G.; NEVES, A. L. R.; SILVA, G. L.; SOUSA, C. H. C. Interação entre salinidade e biofertilizante bovino na cultura do feijão-de-corda. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 15, p.383-389, 2011.

SILVA, M. de L. O. E.; FARIAS, M. A. de; MORAIS, A. R. de; ANDRADE, G. P.; LIMA, E. M. de C. Crescimento e produtividade do girassol cultivado na entressafra com diferentes lâminas de água. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.11, p.482-488, 2007.

SOUZA, L. DE P.; NOBRE, R. G.; SILVA, E. M. DA; LIMA, G. S. DE; PINHEIRO, F. W. A.; ALMEIDA, L. L. DE S. Formation of ‘Crioula’ guava rootstock under saline water irrigation and nitrogen doses. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.20, p.739-745, 2016.

SPARKS, D.L.; HUANG, P.M. Physical chemistry of soil potassium. In: MUNSON, R. Potassium in agriculture. Atlanta: Society of Agronomy; Phosphate Potash & Phosphate institute, 1985. p.201-276.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. Porto Alegre: Artmed, 5.ed. 2013. 918p.




DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v12i2.5279

Direitos autorais 2017 Jessica Dayanne Capitulino et al.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.