Elaboração e caracterização da farinha do fruto da castanhola (Terminalia catappa Linn)

Edilayane da Nóbrega Santos, Erick dos Anjos Bezerra, Luciana Márcia Andrade da Silva, Mônica Tejo Cavalcanti

Resumo


A ciência e tecnologia de alimentos vem se destacando com suas novas propostas para o mercado. A vida atual é marcada pela busca de alimentos cada vez mais saudáveis, pois os consumidores estão buscando por uma alimentação que proporcione, além dos nutrientes básicos, algum benefício à saúde. Farinhas obtidas a partir da desidratação de frutos não convencionais estão sendo utilizadas na formulação de uma variedade de produtos a partir da substituição parcial de farináceos tradicionais. Sendo assim, objetivou-se caracterizar a farinha proveniente da polpa do fruto da castanhola. Os parâmetros analisados foram umidade 2,15% (± 0,15); cinzas 8,03% (± 0,06), proteínas 16,70% (± 0,2), lipídeos 6,30% (± 0,07), carboidratos 66,80%, pH 3,83 (± 0,02); acidez 7,40% ác. cítrico (± 0,06), Aw 0,24 (± 0,01) e Valor Energético Total 390,70 Kcal.Os resultados mostraram-se satisfatórios, sendo estes dentro dos valores estabelecidos para farinhas. Para os macronutrientes determinados, os carboidratos mostraram-se majoritários, seguido pelas proteínas.  Desta forma, a farinha da castanhola surge como uma alternativa para aplicação em diversos produtos alimentícios, seja como substituto parcial de farinhas convencionais ou mesmo como ingrediente principal na formulação de novos produtos. 

Palavras-chave


Farináceos; Alternativa; Produtos alimentícios

Texto completo:

PDF

Referências


AACC. American Association Cereal Chemists.. Approved Methods of Analysis (11. ed.). Saint Paul: AACC. 2010.

AOAC. Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of analysis of Association of Official Chemists (13.ed.). Washington: AOAC. 2005.

BRASIL. Resolução - RDC nº 263 de 22 de setembro de 2005a. Regulamento Técnico para produtos de cereais, amidos, farinhas e farelos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 set. 2005, Seção1, p. 368-9.

CECCHI, H. M. Fundamentos teóricos e práticos em análise de alimentos. São Paulo; Editora Unicamp; 2007

IAL. INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analíticas, métodos químicos e físicos para análises de alimentos. 1.ed. digital, São Paulo: IAL, 2008.1020p.

LIMA, R. M. T. Fruto da castanhola (Terminalia catappa Linn.): compostos bioativos, atividade antioxidante e aplicação tecnológica [dissertação]. Universidade Federal do Piauí, Departamento de Nutrição; Teresina-PI. 2012.

SANTOS, O. V.; LORENZO, N. D.; LANNES, S. C. S. Química, morfológica e termogravimétrica de Terminalia catappa Linn. REVISTA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (CAMPINAS). CAMPINAS-SP, 2016.

SILVA, F. D.; PANTE, C. F.; PRUDÊNCIO, S. H.; RIBEIRO, A. B. Elaboração de uma barra de cereal de quinoa e suas propriedades sensoriais e nutricionais. Alim. Nutr., Araraquara. v. 22, n. 1, p. 63-69, jan./mar. 2011.

SILVA, M. B.; ROSA, P. R. O.; BARROS, M. J. V.; ARAUJO, K. D. Distribuição espacial das arvores exóticas (Terminalia catappa Linn.) no Campus I da UFPB. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. Rio Grande do Norte, v.5, n.3, p. 143-151, 2010.

SOXHLET, F. Die gewichtsanalytische bestimmung des milchfettes. Polytechnisches Journal, Erlangen, v. 232, n. 5, p. 461-465, 1879.

THOMSON, L. A. J.; EVANS, B. Terminalia catappa (tropical almond), ver. 2.2. In: Elevitch, C.R. (ed.). Species Profiles for Pacific Island Agroforestry. Permanent Agriculture Resources (PAR), Hōlualoa, Hawai„i, 2006.

UCHIDA. H. V. Extração do corante do fruto da castanhola (Terminalia catappa linn) e estudo dos seus compostos fenólicos, antocianinas e atividade antioxidante. Dissertação de mestrado, UFRN, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química, Área de concentração: Engenharia Química. Natal-RN, Brasil, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v12i2.5337

Direitos autorais 2017 Edilayane da Nóbrega Santos et al.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.