Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Vol. 6, No 3 (2011)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

PROBLEMAS FITOSSANITÁRIOS CAUSADOS PELA COCHONILHA DO CARMIM A PALMA FORRAGEIRA NO CARIRI OCIDENTAL PARAÍBANO

Adriano Almeida de Almeida, Rosilene Agra da Silva, Whalamys Lourenço de Araújo, Alexandro Veras Barreto de Oliveira, Delzuite Teles Leite

Resumo


Objetivou-se identificar os impactos causados pela cochonilha do carmim (Dactylopius opuntiae) à palma forrageira (Opuntia fícus indica Mill.), cultivada no Cariri Ocidental da Paraíba, catalogando as propriedades que foram afetadas pela cochonilha do carmim e identificar os métodos adotados pelos produtores para combate e prevenção à infestação da cochonilha do carmim na palma forrageira da região. O trabalho foi realizado na microrregião do Cariri Ocidental Paraibano onde foram realizadas visitas às propriedades que cultivam a palma forrageira tanto para alimentação animal como para comercialização. Foi aplicado um questionário padrão onde foram abordados temas como: econômico, social, ambiental e tecnológico, relacionado à cultura. Observa-se na Figura 1, os valores médios em hectares plantados com palma forrageira antes e depois da infestação da cochonilha do carmim, bem como os déficits em percentuais nas propriedades investigadas. Observa-se ainda que antes da infestação, as propriedades do município de Monteiro apresentam as maiores áreas plantadas, cerca de 55,25 ha por propriedade e após a infestação houve uma redução para 7,225 ha por propriedade. Houve queda na área plantada com palma na maioria dos municípios sendo o município de Monteiro o mais afetado. A maioria dos proprietários tem conhecimento apenas sobre as pragas que acometem o palmal, estando à cochonilha do Carmim como a mais encontrada na maioria das propriedades (38) sendo detectada pela primeira vez por volta de 1999-2000 e recentemente entre 2009-2010. Após sua chegada alguns produtores reduziram ou acabaram com o palmal, acarretando redução no tamanho do rebanho, adoção de novas tecnologias com conseqüente aumento no custo de produção na região. Poucos produtores fazem uso de controle químico ou alternativo. O Cariri Ocidental Paraibano apresentou-se como uma área de grande incidência da cochonilha do carmim. Apesar da disseminação lenta, a cochonilha do carmim causou aos proprietários rurais grandes perdas econômicas e redução do recurso forrageiro da região. Dos 17 municípios que compõem o Cariri Ocidental Paraibano, sete deles apresentaram-se como área livre, constatando-se a necessidade de uma barreira sanitária mais eficiente no combate a sua disseminação para estas áreas. Há necessidade de divulgação e orientação às autoridades municipais e lideranças rurais na importância da erradicação desta praga.

 


Texto Completo: PDF

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0.