Revista Brasileira de Gestão Ambiental https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA <p>A Revista Brasileira de Gestão Ambiental, teve seu inicio em 2007 na UFERSA - Universidade Federal Rural do Semi-Árido, sob a responsabilidade do GVAA - Grupo Verde de Agroecologia e Abelha, com o apoio do Grupo Verde de Agricultura Alternativa em Mossoró - RN, Atualmente funcionamos em Pombal, Paraíba.</p> pt-BR <p>Termo de cess alinemedeiros.rbga@gmail.com (Aline Carla de Medeiros) Qui, 16 Set 2021 10:01:51 -0300 OJS 3.1.2.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Impactos socioambientais do rompimento de barragens de rejeitos de mineração no Estado de Minas Gerais https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/8364 O objetivo foi avaliar os impactos socioambientais causados pelo rompimento de barragens de contenção de rejeitos de mineração no Estado de Minas Gerais, nos anos de 2015 (Mariana) e 2019 (Brumadinho). Foram listadas as alterações ambientais constatadas e previstas. Constatou-se a degradação da paisagem e da qualidade da água, o assoreamento e a alteração da vazão de cursos d’água. No meio biológico observou-se a destruição de áreas de reprodução de peixes, redução da área coberta por vegetação nativa e perda de biodiversidade. Houve a redução da disponibilidade de água para a população, perda de vidas humanas, aumento da incidência de doenças, redução da renda, da disponibilidade de empregos e de atividades econômicas. Para minimizar tais impactos, sugere-se implementar reflorestamentos, apoio institucional aos cidadãos afetados, incentivo às atividades econômicas locais e medidas de proteção à biodiversidade. Para evitar futuros desastres indica-se a construção das barragens com melhores tecnologias, escolha da localização geográfica mais segura e ampliar o conhecimento das características do local da construção. É necessário realizar o treinamento da população para evacuação da área de risco e ter um sistema de alerta de rompimento eficiente. Dentre as medidas sugeridas, as ações preventivas são prioritárias. Júlia de Azevedo Oliveira, Sady Júnior Martins da Costa de Menezes, Talita Santiago Lopes, Fábio Souto de Almeida Copyright (c) 2021 Júlia de Azevedo Oliveira, Sady Júnior Martins da Costa de Menezes, Talita Santiago Lopes, Fábio Souto de Almeida https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/8364 Qui, 16 Set 2021 09:57:22 -0300 Revisão sistemática: potencial farmacológico das plantas https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/8004 <p>As plantas apresentam diversas capacidades farmacológicas utilizadas a séculos pelos humanos, a sua capacidade terapêutica possibilitou o desenvolvimento da sociedade tanto para o uso de produtos naturais, como também a extração do seu princípio ativo para a fabricação de medicamentos. Objetivando produzir um levantamento bibliográfico a respeito do potencial medicinal das plantas, foi realizado uma busca na base de dados cientificas da <em>Scielo</em>, utilizando os descritores: <em>pharmacological </em>e<em> plants</em>, limitando a busca às pesquisas nacionais no período de 2015 a 2020 na área de ciências da saúde, pois a mesma apresentava um maior numero de estudos de interesse. Através da pesquisa, identificou-se diversos potenciais farmacológicos das plantas, como atividades anti-inflamatória, analgésica, antimicrobiana e até proteção de lesões causadas por medicamentos sintéticos. Portando, concluiu-se que o uso farmacológico das plantas, por apresentar baixa toxicidade e menores efeitos colaterais, é imprescindível para o bem estar dos seres humanos, principalmente quando o acesso da saúde é escasso ou no caso de doenças que não possuem um tratamento científico especifico.</p> Lázaro Henrique Pereira, Raylla Ferreira de Oliveira Ferreira de Oliveira, Gilvânia Pereira da Costa Pereira da Costa Copyright (c) 2021 Lázaro Henrique Pereira, Raylla Ferreira de Oliveira Ferreira de Oliveira, Gilvânia Pereira da Costa Pereira da Costa https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/8004 Sex, 17 Set 2021 08:43:02 -0300 A produção da cerâmica vermelha e os impactos ambientais no município de Parelhas-RN https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/8595 <p>O presente trabalho busca verificar os impactos ambientais gerados pela atividade de extração da cerâmica vermelha na região do município de Parelhas-RN. A pesquisa procura compreender a relação entre esta atividade econômica, os impactos ambientais e o processo de desertificação na região. Para a realização da pesquisa, inicialmente foi realizado um levantamento bibliográfico à respeito da temática em questão. Posteriormente, foi feito o reconhecimento de campo para definição da área de estudo e investigação <em>in locu</em>.&nbsp; Foram selecionadas duas empresas ceramistas da região para verificar o processo de produção e os impactos ambientais provenientes desta atividade econômica. Para a identificação e caracterização dos impactos ambientais <em>in locu</em> foi utilizada a Matriz de Leopold (1971) adaptada, seguido do registro fotográfico em campo. Em seguida, os impactos ambientais foram caracterizados e classificados em função dos sistemas ambientais impactados na região.&nbsp; Ao mesmo tempo em que as atividades ceramistas contribuem para o desenvolvimento econômico da região, elas também potencializam a instalação do processo de desertificação através dos impactos ambientais adversos no meio físico e biológico. Dessa forma, faz-se necessário o planejamento ambiental desta atividade econômica na região levando em consideração os princípios da sustentabilidade socioambiental e a legislação ambiental.</p> Flávia Priscila Dantas, Joel Silva dos Santos Copyright (c) 2021 Flávia Priscila Dantas, Joel Silva Dos Santos https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/8595 Dom, 19 Set 2021 00:00:00 -0300 Rede hidrométrica na bacia hidrográfica Tocantins-Araguaia https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/8534 <p>A rede hidrográfica é a base de toda atividade de gestão de recursos hídricos sendo fundamental para desenvolvimento da bacia e conservação dos recursos naturais. O objetivo do presente estudo é analisar a rede de monitoramento quali-quantitativo existente na bacia hidrográfica Tocantins-Araguaia. O levantamento de dados foi realizado no ano de 2018 junto à Rede Hidrometeorológica Nacional da Agência Nacional de Águas – ANA, obtidos a partir do seu portal Hidroweb. Através das análises foram identificadas 1.254 estações pluviométricas e fluviométricas já instaladas e apenas 895 ativas. Com exceção da sub-bacia 29 todas as outras apresentam dados com mais de 33% no período de séries de 40 anos. A RHTA apresenta uma carência de postos hidrométricos, visto que, possui 2000 km de área por estação, conforme as normas da WMO o limite minímo é 600-900.</p> Sâmyra Silva Lima, Glauber Epifanio Loureiro Copyright (c) 2021 Sâmyra Silva Lima, Glauber Epifanio Loureiro https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/8534 Ter, 21 Set 2021 19:35:17 -0300