Rede hidrométrica na bacia hidrográfica Tocantins-Araguaia

Resumo

A rede hidrográfica é a base de toda atividade de gestão de recursos hídricos sendo fundamental para desenvolvimento da bacia e conservação dos recursos naturais. O objetivo do presente estudo é analisar a rede de monitoramento quali-quantitativo existente na bacia hidrográfica Tocantins-Araguaia. O levantamento de dados foi realizado no ano de 2018 junto à Rede Hidrometeorológica Nacional da Agência Nacional de Águas – ANA, obtidos a partir do seu portal Hidroweb. Através das análises foram identificadas 1.254 estações pluviométricas e fluviométricas já instaladas e apenas 895 ativas. Com exceção da sub-bacia 29 todas as outras apresentam dados com mais de 33% no período de séries de 40 anos. A RHTA apresenta uma carência de postos hidrométricos, visto que, possui 2000 km de área por estação, conforme as normas da WMO o limite minímo é 600-900.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sâmyra Silva Lima, Universidade do Estado do Pará-UEPA

Graduanda de Engenharia Ambiental e sanitária, Universidade do Estado do Pará- UEPA

Glauber Epifanio Loureiro, Universidade do Estado do Pará-UEPA

Graduado em Engenharia Ambiental pela Universidade do Estado do Pará-UEPA. Professor efetivo do curso de Engenharia Ambiental e Coordenador do Laboratório de Qualidade Ambiental -UEPA, Marabá.

Referências

ANA, Agência Nacional de Águas. Plano Estratégico de Recursos Hídricos das Bacias dos Rios Tocantins e Araguaia. 2007. Disponível em:<https://www.ana.gov.br/todos-os-documentos-do-portal/documentos-spr/planos-de-bacia/planos-de-bacia>. Acesso em: 25 jul. 2020.

ANA, Agência Nacional de Águas. Inventário das Estações Fluviométricas. 2° Edição. Brasília, DF – Brasil. 2009.

ANA, Agência Nacional de Águas. Orientações para operação de estações hidrométricas. Brasília: ANA, SGH, 2012. 52 p. Disponível em: <https://arquivos.ana.gov.br/infohidrologicas/cadastro/OrientacoesParaOperacaoDeEstacoesHidrometricas-VersaoJun12.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2020.

AMÉRICO-PINHEIRO, J.H.P.; Mirante M.H. P.; BENINI, S.M. Gestão e qualidade dos recursos hídricos: conceitos e experiências em bacias hidrográficas. Editora ANAP, Tupã-SP, 95 p. 2016.

ANEEL, Agência Nacional de Energia Elétrica. Banco de Informações de Geração – BIG,2005. Disponível em: <http://www2.aneel.gov.br/arquivos/pdf/atlas3ed.pdf>.Acesso em: 08 jul. 2020.

ARRUDA, M.B. Representatividade ecológica com base na biogeografia de biomas e ecorregiões continentais do Brasil o caso do bioma cerrado. 2005. 178 f. Tese (Doutorado em Ecologia) – Departamento de Ecologia, Universidade de Brasília, Brasília. 2005.

AVILA, M. W. et al., Implantação de redes hidrológicas em bacias com conflitos quanto ao uso de recursos hídricos (Estudo de caso: Bacia Hidrográfica do Rio São João: Estado do Rio de Janeiro), Anais XX Simpósio Nacional de Recursos Hídricos – ABRH, 2013.

BRASIL. Lei n. 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=47A4AD8296B4C4D83B091FE60D3E0E7D.proposicoesWebExterno1?codteor=149789&filename=LegislacaoCitada+-PL+1507/2003> Acesso em: 08 jul. 2020.

BRASIL. Caderno Regional da Região Hidrográfica do Tocantins-Araguaia. Brasília – DF: Secretaria de Recursos Hídricos, Agência Nacional de Águas, p.178 .2006,

BRASIL. Agência Nacional de Águas. Hidroweb. Sistema de informações hidrológicas. 2018. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2020.

COSTA, K.T.; FERNANDES, W.S. Avaliação do tipo de distribuição de probabilidade das vazões máximas diárias anuais do Brasil. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 20, n. 02, p.442-451, 2015.

ELESBON, A.A.A. et al., Proposta Metodológica para Projeto de Redes Hidrométricas: Parte1-Espacialização não tendenciosa dos dados hidrológicos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 9, p.980-985, Campina Grande, 2014.

FALCK, A.S. et al., Propagation of satellite precipitation uncertainties through a distributed hydrologic model: A case study in the Tocantins–Araguaia basin in Brazil. Journal of Hydrology. p.943–957. 2015. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jhydrol.2015.05.042

FGV – Fundação Getúlio Vargas; MMA – Ministério do Meio Ambiente; ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica. Plano Nacional de Recursos Hídricos – Bacia do Tocantins. 1998. Disponível em:<https://www.mma.gov.br/estruturas/161/_publicacao/161_publicacao02032011035943.pdf>.Acesso em: 08 jul. 2020.

GALINA, M.H.; VERONA, J.A. Fontes de Observações Meteorológicas no Estado de São Paulo. Revista Estudos Geográficos, v. 2, n.1. p.107-118, Rio Claro, 2004.

GOMES, P.E; BLANCO, C.J.C; PESSOA, F.C.L. Identifcation of homogeneous precipitation regions via Fuzzyc‐means in the hydrographic region of Tocantins–Araguaia of Brazilian Amazonia. Applied Water Science. p.9-6. 2019.DOI:https://doi.org/10.1007/s13201-018-0884-6

IBIAPINA, A. V. et al. Evolução da hidrometria no Brasil. In: FREITAS, M.A.V. (Org). O estado das águas no Brasil. Brasília, DF: ANEEL, SIH; MMA, SRH; MME, 1999.

LEAL, A.C. Planejamento Ambiental de Bacias Hidrográficas como Instrumento para o Gerenciamento de Recursos Hídricos. Revista da Universidade Federal de Grande Dourados, v. 3, n.6, Dourados, 2012.

LUERCE, T.D.; OLIVEIRA, G.G.; GUASSELLI, L.A. Análise da distribuição espacial e temporal das chuvas aplicada ao estudo de cheias na bacia hidrográfica do rio dos Sinos/RS. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Curitiba, 2011.

MMA, Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Recursos Hídricos – MMA/SRH. Ecorregiões Aquáticas do Brasil, 2006. Pol. A; Souza, R.C.R. org. MMA/SRH, Brasília, DF. CD ROOM, 2006.

PERHI-RJ. Plano Estadual de Recursos Hídricos do Estado do Rio de Janeiro. Fundação COPPETEC, Laboratório de Hidrologia e Estudos de Meio Ambiente. Rio de Janeiro.2014.

PORTO, M; PORTO, R. Gestão de bacias hidrográficas. Revista Estudos Avançados. vol. 22, n.63, p.43-60, 2008. DOI: http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10292

SILVA, M.B.; HERREROS, M.M.A.G.; Borges, F.Q. Gestão Integrada dos Recursos Hídricos como Política de Gerenciamento de Águas no Brasil. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, p.10. 2017.

SILVEIRA, J.F. et al. Sistematização de Informações sobre Dados Hidrométricos do Complexo Lagunar Mirim-Patos Mangueria. Anais III Congresso Brasileiro de Oceanografia. Rio Grande do Sul, 2010.

SOUSA, K, S. et al. Levantamento da disponibilidade de dados hidrométricos na Paraíba. Revista verde de agroecologia e desenvolvimento sustentável. v. 10, n.2, p. 139 - 144, Campina grande,2015. DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v10i2.3553.

TUCCI, C. E. M. Regionalização de Vazões. 1 ed. Rio Grande do Sul: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2002. 256 p.

USGS (U. S. Geological Survey). Ecoregions, reference conditions, and index calibration. United States Geological Service. 2005.

WMO. Guia de Practicas Hidrológicas. V1, Aquisicion y Proceso de Dados, 4º edição,

Nº 168, Genebra – Suíça, V.1, p. 3-20. 1984.

Publicado
2021-09-21
Seção
Artigos