A produção da cerâmica vermelha e os impactos ambientais no município de Parelhas-RN

Resumo

O presente trabalho busca verificar os impactos ambientais gerados pela atividade de extração da cerâmica vermelha na região do município de Parelhas-RN. A pesquisa procura compreender a relação entre esta atividade econômica, os impactos ambientais e o processo de desertificação na região. Para a realização da pesquisa, inicialmente foi realizado um levantamento bibliográfico à respeito da temática em questão. Posteriormente, foi feito o reconhecimento de campo para definição da área de estudo e investigação in locu.  Foram selecionadas duas empresas ceramistas da região para verificar o processo de produção e os impactos ambientais provenientes desta atividade econômica. Para a identificação e caracterização dos impactos ambientais in locu foi utilizada a Matriz de Leopold (1971) adaptada, seguido do registro fotográfico em campo. Em seguida, os impactos ambientais foram caracterizados e classificados em função dos sistemas ambientais impactados na região.  Ao mesmo tempo em que as atividades ceramistas contribuem para o desenvolvimento econômico da região, elas também potencializam a instalação do processo de desertificação através dos impactos ambientais adversos no meio físico e biológico. Dessa forma, faz-se necessário o planejamento ambiental desta atividade econômica na região levando em consideração os princípios da sustentabilidade socioambiental e a legislação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joel Silva dos Santos, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa-PB

Doutor em Recursos Naturais pelo Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais da Universidade Federal de Campina Grande (PPGRN/UFCG); Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal da Paraíba (PRODEMA/UFPB); Bacharel e Licenciado em Geografia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB); Professor Associado da UFPB/ Campus IV vinculado ao Departamento de Engenharia e Meio Ambiente (DEMA/UFPB); Professor do curso de Bacharelado em Ecologia da UFPB/Campus IV; Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (REDE PRODEMA).

Referências

ABCERAM (Brasil). INFORMAÇÕES TÉCNICAS - DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO. 2019. Disponível em: <https://abceram.org.br/definicao-e-classificacao/>. Acesso em: 30 ago. 2019.

ARAÚJO, Jane Azevedo de. A percepção da desertificação e da mudança na paisagem no município de Parelhas/RN. 2016. 138 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

ARAÚJO, Jane Azevedo de; SOUZA, Raquel Franco de. Abordagens sobre o processo de desertificação: uma revisão das evidências no Rio Grande do Norte. Geosul, [s.l.], v. 32, n. 65, p.122-143, 24 nov. 2017. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). http://dx.doi.org/10.5007/2177-5230.2017v32n65p122.

BARROS, Gabriel Alexei Almeida; SOUZA, José Antônio da Silva. Simulação de um Processo de Produção para uma Linha de Produção de Blocos Vazados em uma Indústria de Cerâmica Vermelha com Auxílio da Ferramenta Arena. Cerâmica Industrial, [S.L.], v. 23, n. 4, p. 25-33, 2018. Editora Cubo. http://dx.doi.org/10.4322/cerind.2018.001.

CABRAL, Marsis et al. Estudo Estratégico da Cadeia Produtiva da Indústria Cerâmica no Estado de São Paulo: parte i introdução e a indústria de cerâmica vermelha. Cerâmica Industrial, [S.L.], v. 24, n. 1, p. 20-34, 2019. Editora Cubo. http://dx.doi.org/10.4322/cerind.2019.003.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS – CGEE. Desertificação, degradação da terra e secas no Brasil. Brasília, DF: 2016. 59 p.

CNM. Dados gerais: Parelhas-RN. 2019. Disponível em: <https://www.cnm.org.br/municipios/registros/100124/100124095>. Acesso em: 28 set. 2019.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Guia técnico ambiental da indústria de cerâmica vermelha. Belo Horizonte: FIEMG, 2013. 31 p

FERREIRA, Cristiano Corrêa et al. DIAGNÓSTICO DA ADIÇÃO DE CINZA DE CARVÃO GASEIFICADO NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM MATERIAL CERÂMICO. Revista da Jornada de Pós-Graduação e Pesquisa, Campinas, v. 15, n. 15, p. 144-155, out. 2018.

IBGE. Rio Grande do Norte. 2019. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/rn.html>. Acesso em: 20 nov. 2019.

IDROGO, Aurelia Altemira Acuna et al. Estudo sobre os desperdícios presentes no processo de fabricação de telhas em uma indústria de cerâmica vermelha. Brazilian Journal Of Business, Curitiba, v. 1, n. 3, p. 1087-1103, jun. 2019.

INSA. Relatório popularizado 2014: Pela convivência, resiliência e resistência: Construindo juntos estratégias na Ciência, Tecnologia e Inovação que se alimentam mutuamente. Campina Grande: INSA, 2014.

LEOPOLD, L. B.; CLARKE, F. E.; HANSHAW, B. B.; BALSLEY, J. R. A procedure for evaluating environmental impact. U. S. Geological Survey, Washington: Geological Survey 1971. 13p. Circular 645.

MATALLO JUNIOR, Heitor. Indicadores de desertificação: histórico e perspectivas. 2. ed. Brasília: Unesco, 2001. 125 p.

MMA. Programa de ação estadual de combate à desertificação e mitigação dos efeitos da seca no estado do Rio Grande Do Norte - PAE/RN. Natal: MMA, 2010.

NUNES, Mônica Belo. Impactos ambientais na indústria da cerâmica vermelha. Rio de Janeiro: Rede de Tecnologia e Inovação, 2012.

OLIVEIRA JUNIOR, Israel de et al. USO E COBERTURA DA TERRA E O PROCESSO DE DESERTIFICAÇÃO NO POLO REGIONAL DE JEREMOABO-BAHIA. Revista de Geografia, Recife, v. 37, n. 2, p. 130-149, jul. 2020.

OLIVEIRA, Edinete Maria de Oliveira Maria de; SELVA, Vanice. Estudo da erosão no Seridó paraibano como indicador do processo de desertificação: juazeirinho, paraíba (study of erosion in seridó paraibano as an indicator of desertification. Revista Brasileira de Geografia Física, [S.L.], v. 12, n. 3, p. 876-894, 2 jun. 2019. Revista Brasileira de Geografia Fisica. http://dx.doi.org/10.26848/rbgf.v12.3.p876-894.

PEREIRA NETO, Manoel Cirício; FERNANDES, Ermínio. Instabilidade emergente e aspectos de degradação ambiental da bacia hidrográfica do rio seridó (RN/PB – Brasil). Revista de Geografia, Recife, v. 33, n. 1, p. 84-97, mar. 2016.

ROCHA, Ana Carolina Castro et al. Caracterização da extração mineral de argila no município de Caxias-MA. Ciência e Saberes, [S.I], v. 2, n. 4, p. 297-302, jun. 2016. Disponível em: <http://www.facema.edu.br/ojs/index.php/ReOnFacema/article/view/161/67>. Acesso em: 15 ago. 2020.

SANTOS M, ALMEIDA A. Principais Riscos e Fatores de Risco existentes para os Trabalhadores da Indústria da Cerâmica, eventuais Doenças Profissionais e Medidas de Proteção Recomendadas. Revista Portuguesa de Saúde Ocupacional on line. 2016, volume 2, 1-8.

SEBRAE (Brasil). Cerâmica Vermelha: estudos de mercado. [S.I.]: Sebrae, 2015.

SEBRAE. Diagnóstico da indústria de cerâmica vermelha do estado do Rio Grande do Norte. Natal: Vídeo, 2012. Color.

SILVA JÚNIOR, Jorge Henrique e et al. Caracterização da Cadeia Produtiva do Polo Cerâmico do Poti Velho, Teresina, Piauí, e Indicativos de um Arranjo Produtivo Local (APL). Espacios, Caracas, v. 38, n. 2, p. 1-17, set. 2016.

SILVA, Áurea de Paula Medeiros e; MEDEIROS, Jacimária Fonseca de. Problemas socioambientais causados pelas indústrias de cerâmicas no município de Encanto-RN. Geo Temas, Pau dos Ferros, v. 1, n. 1, p.67-77, jun. 2011.

SILVA, R. G. da; SILVA, V. P. da. Produção mais limpa: contributos teórico-práticos para a sustentabilidade da cerâmica vermelha. Cerâmica, São Paulo , v. 63, n. 368, p. 494-507, Dec. 2017 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0366-69132017000400494&lng=en&nrm=iso>. access on 04 Dec. 2020. https://doi.org/10.1590/0366-69132017633682173.

Publicado
2021-09-19
Seção
Artigos