Meliponicultura em sistemas agroflorestais em Belterra, Pará

  • Ana Paula Silva Viana Universidade Federal do Oeste do Pará
  • Daniela Pauletto Universidade Federal do Oeste do Pará http://orcid.org/0000-0003-1855-6077
  • João Ricardo Vasconcellos Gama Universidade Federal do Oeste do Pará
  • Adcléia Pereira Pires Universidade Federal do Oeste do Pará
  • Hierro Hassler Freitas Universidade Federal do Oeste do Pará
  • Aline Pacheco Universidade Federal do Oeste do Pará
Palavras-chave: Quintais agroflorestais, Pasto meliponícola, Agricultura urbana

Resumo

O objetivo do estudo foi caracterizar a produção meliponícola em sistemas agroflorestais e realizar um levantamento de espécies vegetais indicadas pela visitação por abelhas sem ferrão no município de Belterra, Pará. A pesquisa foi realizada a partir de um questionário aplicado a meliponicultores com questões que abordaram aspectos socioeconômicos e da produção de abelhas sem ferrão. Em relação ao pasto meliponícola foram investigadas as espécies vegetais apontadas como visitadas pelas abelhas. Destaca-se que 15% dos criadores tem como principal atividade econômica a meliponicultura e 54% vivem com 1 ou 2 salários mínimos. O tempo na atividade de meliponicultura apresenta amplitude de 2 a mais de 40 anos. Os entrevistados afirmaram se dedicarem à meliponicultura pela afinidade com a atividade e pela consciência na importância das abelhas para o meio ambiente. Os meliponicultores apontaram que os maiores entraves enfrentados estão relacionados ao desmatamento e ao uso de agrotóxicos o que, segundo os mesmos, implica na redução na produção do mel, principal produto comercializado. Observou-se que os sistemas agroflorestais (SAFs) onde estão inseridos os meliponários apresentam, segundo os entrevistados, 38 espécies florestais distribuídas em 21 famílias botânicas. Predominaram as espécies frutíferas, características de floresta primária e secundária, o que poderá indicar potencial para introdução em quintais agroflorestais ou outros sistemas consorciados minimizando os custos de implantação e manutenção de meliponários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAILEY, K. Methods of social reserch. 4, ed. New York: The Free Press, 1994.

BARTH, O. M. Melissopalynology in Brazil: a review of pollen analysis of honeys, propolis and pollen loads of bees. Science Agricultural, v.61, n.3, p.342-350, 2004.

BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA nº 346, de 16 de agosto de 2004. Publicada no DOU nº 158, de 17 de agosto de 2004, Seção 1, página 70. Disciplina a utilização das abelhas silvestres nativas, bem como a implantação de meliponários.

BROWN, J. C.; OLIVEIRA, M. L. The impact of agricultural colonization and deforestation on stingless bee (Apidae: Meliponini) composition and richness in Rondônia, Brazil. Apidologie, v.45, p.172-188, 2014. 10.1007/s13592-013-0236-3.

CARVALHO, C.A.L. de; MARQUES, O.M.; SAMPAIO, H.S. de V. Abelhas (Hymenoptera, Apoidea) em Cruz das Almas-Bahia: espécies coletadas em fruteiras. Insecta, v.4, n.1, p.11-17, 1995.

CORDEIRO, H. K. C.; MENEZES, C. Análise da capacidade produtiva de própolis em diferentes espécies de abelhas sem ferrão. XXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ZOOTECNIA, 2014.

CORTOPASSI-LAURINO, M. Divisão de recursos tróficos entre abelhas sociais, principalmente em Apis mellifera Linn. e Trigona (Trigona) spinipes Fabricius(Apidae, Hymenoptera). 1982. 180f. Tese (Doutorado) Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1982.

CORTOPASSI-LAURINO, M; IMPERATRIZ-FONSECA, V. L.; ROUBIK, D W.; DOLIN, A.; HEARD, T.; AGUILAR, I.; VENTURIERI, V. C.; EARDLEY, C.; NOGUEIRA-NETO, P. Global meliponiculture: challenges and opportunities. Apidologie, 37, p. 275-292, 2006.

COSTA, T. V.; FARIAS, C. A. G.; BRANDÃO, S. C. Meliponicultura em comunidades tradicionais do Amazonas. Revista Brasileira de Agroecologia, v.7, n.3, p.106-115, 2012.

DEEPAST. Agricultura: Veja produção agrícola e área plantada por cidade do Brasil - BELTERRA, PA. Disponível em: <http://www.deepask.com/goes?page=belterra/PA-Agricultura:-Confira-a-producao-agricola-e-a-area-plantada-no-seu-municipio>. Acesso em 17 de agosto de 2020.

FARIA, L, M. S. Aspectos gerais da Agroecologia no Brasil. Revista Agroambiental, v.6, n.2, p.101-111, 2014. http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v6n22014556

FERNANDES, M. M.; VENTURIERI, G. C.; JARDIM, M. A. G. Biologia, visitantes florais e potencial melífero de Tapirira guianensis (Anacardiaceae) na Amazônia Oriental. Revista de Ciências Agrárias, v.55, n.3, p.167-175, 2012.

GEHRKE, R. Meliponicultura: O estudo de caso dos criadores de abelha nativa sem ferrão do Vale do Rio Rolante (RS) - Porto Alegre. 2010. 215f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

KERR, W. E.; CARVALHO, G. A.; NASCIMENTO, V. A. Abelha uruçu: biologia, manejo e conservação. Fundação Acangau. Coleção Manejo da vida silvestre, 2. Belo Horizonte: 1996. 143p.

KNOLL, F. do R. N. Abundância relativa, sazonalizada e preferências florais de Apidae (Hymenoptera) em uma área urbana (23º 33’S; 46º 43’W). 1990. 127f. Tese (Doutorado) Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

LIMA, L. N. NOGUEIRA, E. de. S. Produção e uso dos recursos melíferos por meliponicultores da região de Cícero Dantas, BA. Gaia Scientia, v.11, n.3, p.73-82, 2017. 10.22478/ufpb.1981-1268.2017v11n3.29111

LOPES, M; FERREIRA; SANTOS, J. B. G. dos. Abelhas sem-ferrão: a biodiversidade invisível. Agriculturas, v.2, n.4, p.7-9, 2005.

MAGALHÃES, T. L de; VENTURIERI, G. C. Aspectos econômicos da criação de abelhas indígenas sem ferrão (Apidae: Meliponini) no Nordeste paraense. Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E), 2010.

MAIA-SILVA, C. et al. Stingless bees (Melipona subnitida) adjust brood production rather than foraging activity in response to changes in pollen stores. Journal of Comparative Physiology A, v. 202, p. 723-732, 2016.

MAUÉS, M. M.; VENTURIERI, G. C.; DE SOUZA, L. A.; NAKAMURA, J. Identificação e técnicas de criação de polinizadores de espécies vegetais de importância econômica no estado do Pará. EMBRAPA. Centro de Pesquisa Agroflorestal da Amazônia Oriental (Belém,PA). Geração de tecnologia agroindustrial para o desenvolvido do trópico úmido. Belém: EMBRAPA - CPATU / JICA. p.305, 1996.

MEIRELES, A. M.; TAVARES, F. B.; LOPES, E. L. N.; CORDEIRO, Y. E. M. Aspectos econômicos, sociais e ambientais inerentes a atividade de meliponicultura no baixo Tocantins, estado do Pará”, Revista Observatorio de la Economía Latinoamericana, 2018.

MELLO, F. P.; SOUZA, B, A; LOPES, M. T. R. Instalação e manejo de meliponário - Teresina: Embrapa Meio-Norte, p. 26, 2010.

OLIVEIRA, F. P. M.; ABSY, M. L.; MIRANDA, I. S. Recurso polínico coletado por abelhas sem ferrão (Apidae, Meliponinae) em um fragmento de floresta na região de Manaus – Amazonas. Acta Amazonica. v.39, n.3, p.505–518, 2009.

PEREIRA, F. M. Instalação e manejo de meliponários. Embrapa Meio-Norte, 2010.

PINHEIRO, J.N.; FREITAS, B.M. Efeitos letais dos pesticidas agrícolas sobre polinizadores. Oecologia Australis. v. 14, n.1, p, 266-281, 2010.

PINTO, G. S. Diagnóstico da meliponicultura em Belterra, PA e caracterização física, química e microbiológica de méis de Scaptotrigona sp. (canudo-amarela). Belem, Tese, 100 p. 2012.

RAYOL, Breno Pinto; MAIA, Raimundo Tarcísio Feitosa. Potencial da inserção de abelhas em sistemas agroflorestais no oeste do estado do Pará, Brasil. Revista Brasileira de Agroecologia, v.8, n.3, p.101-108, 2013.

SANTOS, A. B. Abelhas nativas: polinizadores em declínio. Natureza on line v.8, n.3, p.103- 106, 2010.

SILVA, F. L. da; OLIVEIRA, F. de A.; AMIN, M. M.; BELTRÃO, N. E. S.; ANDRADE, V. M. S. Dimensões do uso e cobertura de terra nas mesorregiões do estado do Pará. Espacios, v.37, n.05, p.5, 2016.

SILVA, J. C. N.; RAYOL, B. P. Diversidade de árvores nos quintais urbanos do município de Belterra, Oeste do Pará. Cadernos de Agroecologia, v. 10, n. 3, 2016.

SILVA, M. D.; MONTEIRO, D.; SILVA, M.; OLIVEIRA, R. B.; QUEIROZ, M. V. M; SANTOS, J. F. Padrão de distribuição espacial de ninhos de Meliponini (Hymenoptera: Apidae) em função da disponibilidade de recursos para nidificação em um fragmento de Mata Atlântica em Salvador, Bahia, Brasil. Magistra, Cruz das Almas-BA, v.24, p.91-98, 2012.

SILVA, W. P.; PAZ, J. R. L. Abelhas sem ferrão: muito mais do que uma importância econômica. Natureza on line, v.10, n.3, p.146-152, 2012.

SIQUEIRA, A. L. Estudo da ação antibacteriana do extrato hidroalcoólico de própolis vermelha sobre Enterococcus faecalis. Revista de Odontologia da UNESP, v.43, n.6, p.359-366, 2014.

VENTURIERI, A; COELHO, A. de S.; THALES, M. C.; BACELAR, M. D. R. Análise da expansão da agricultura de grãos na região de Santarém e Belterra, Oeste do estado do Pará. Anais XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, Brasil, INPE, p. 7003-7010, 2007.

VENTURIERI, G. C., The impacto f forest exploitation on Amazonian stinglees bees (Apidae, Meliponini). Genetics and Molecular Research v8: p.684-689, 2009.

WINFREE, R.; AGUILAR, R.; VAZQUEZ, D. P.; LEBUHN G.; AIZEN, M. A. A meta-analysis of bees' responses to anthropogenic disturbance. Ecology, v.90, n.8, p.2068-2076, 2009.

Publicado
2021-02-10
Seção
Etnoconhecimento