Comportamento social entre abelhas Apis mellifera e Tetragonisca angustula

Palavras-chave: Jataí, Colônia, Convivência, Harmonia

Resumo

As abelhas são insetos de grande utilidade para o homem, vivem em harmonia com a natureza e são os principais polinizadores das espécies florais, sendo as grandes responsáveis pela produção de alimentos do planeta. As espécies Apis mellifera L. e Tetragonisca angustula (Latreille, 1811) possuem capacidade de produção que podem ser comercializadas, porém criadas de maneiras distintas, com colmeias próprias desenvolvidas para cada espécie. Devido a este fato, surgiu o interesse em pesquisar se estas espécies de vidas sociais semelhantes, poderiam viver harmoniosamente em uma mesma colônia. A pesquisa foi realizada com o objetivo de avaliar a vida social entre as abelhas A. mellifera e T. angustula. O experimento utilizou dez colmeias de A. mellifera com população avaliada de aproximadamente 20.000 abelhas, com um ninho com dez quadros uma melgueira com dez quadros e tela excluidora. Na melgueira foram retirados cinco quadros e introduzidos no espaço dos quadros um enxame de abelhas Jataí (T. angustula) com avaliação populacional de aproximadamente 1.000 abelhas. Seis meses após o preparo das colmeias foi avaliado a sociabilidade entre as espécies estudadas e a evolução dos enxames preparados, considerando a quantidade de alimentos armazenados, o número estimado de abelhas e o espaço reservado a cada enxame. Os dados extraídos da pesquisa mostram que as abelhas A. mellifera e T. angustula podem viver harmoniosamente em um mesmo espaço, sem ocorrência de interferência entre os enxames.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Vinicius Sandoval Paixão, Instituto Federal do Espírito Santo, Santa Teresa

Professor de fruticultura, propagação de plantas e Apicultura, Departamento de Agronomia, área de Produção Vegetal e Apicultura. 

Eduardo Antonio Ferreira, Instituto Federal do Espírito Santo, Santa Teresa

Professor de pequenos animais e apicultura, Departamento de Agronomia, área de Produção Vegetal e Apicultura.

Polyana Pulcheira Paixão, Clinica Veterinária de Vitória, Vitória

Médica Veterinária, departamento de pequenos animais, área de felinos a abelhas.

Gustavo Miranda Cremonini, Instituto Federal do Espírito Santo, Santa Teresa

Graduando de agronomia do Instituto Federal do Espírito Santo, departamento de agronomia, área de fruticultura e apicultura.

Rafaela Barreto Cazaroto Grobério, Instituto Federal do Espírito Santo, Santa Teresa

Graduanda de agronomia do Instituto Federal do Espírito Santo, departamento de agronomia, área de fruticultura e apicultura.

Referências

ALMEIDA, A. M. de. Diagnóstico da apicultura e da meliponicultura em comunidades ribeirinhas do Pantanal. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2016. 37 p.

ALVARES, C. A., STAPE, J. L., SENTELHAS, P. C., GONÇALVES, J. L. M.; SPAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v.22, n.6, p.711-728, 2013.

CAMARGO, J. M. F.; PEDRO, S. R. M. Meliponini Lepeletier, 1836. In: MOURE, J. S.; URBAN, D.; MELO, G. A. R. (Orgs). Catalogue of Bees (Hymenoptera, Apoidea) in the Neotropical Region - online version, 2012.

CORTOPASSI-LAURINO, M. Abelhas em agronegócios. VI Seminário Nordestino de Pecuária - Apicultura, Fortaleza, CE, Anais..., p. 5-11, 2002.

FERREIRA, E. A.; PAIXÃO, M. V. S.; FERREIRA, A. V.; KOSHIYAMA, A. S.; LORENZON, M. C. A. Pedagogical Workshop as a Learning Tool in Meliponiculture. v.7, n.3, p.442-452, 2020a.

FERREIRA, E. A.; FREITAS, S. P. DE; BANDEIRA, O. H. S.; CALAÇA, P. S. S. T.; PAIXÃO, M. V. S.; VIEIRA, K. I. C. Plantas cultivadas com potencial para meliponicultura em agroecossistema orgânico na região serrana do Estado do Espírito Santo. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v.6, n.11, p.88134-88144, 2020b.

GRÜTER, C.; MENEZES, C.; IMPERATRIZ-FONSECA, V. L.; RATNIEKS, F. L. W. A morphologically specialized soldier caste improves colony defense in a neotropical eusocial bee. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. v.109, n.4, p.1182-1186, 2012.

INCAPER. Planejamento e programação de ações para Santa Teresa. Programa de assistência técnica e extensão rural PROATER, Secretaria de Agricultura, 2011.

JARAU, S.; HRNCIR, M. Social insects and the exploitation of food sources - Concluding thoughts. In Food exploitation by social insects: ecological, behavioral, and theoretical approaches (ed. Jarau, S. and Hrncir M.). Boca Raton, London, New York: CRC Press, Taylor & Francis Group. 2009.

MARTINS, G.; FERRAZ, R. L. DE S.; BATISTA, J. L.; BARBOSA, M. DE A. Incentivo para o plantio de árvores nativas em áreas urbanas para proliferação de abelhas sem ferrão. ACTA Apicola Brasilica, v.3, n.2, p.01- 9, 2015.

NOGUEIRA-NETO, P. Vida e criação de abelhas indígenas sem ferrão. São Paulo: Nogueirapis, 1997. 446p.

REIS, V. D. A. dos; PINHEIRO, R. da S. Fundamentos para o desenvolvimento seguro da apicultura com abelhas africanizadas. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2011. 32p.

SANTIAGO, L. R. Variabilidade genética de Tetragonisca angustula (Hymenoptera, Apidae, Meliponini) de meliponários. 2013, 119p., Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013.

SANTOS, A. B. Abelhas nativas: polinizadores em declínio. Natureza online, v.8, p.103-106, 2010.

SILVA, G. R. da; PEREIRA, F. de M.; SOUZA, B. de A.; LOPES, M. T. do R.; CAMPELO, J. E. G.; DINIZ, F. M. Bioecological and behavioral genetic aspects involved in the conservation of the stingless bee Melipona subnitida Ducke (Apidae, Meliponini) and the use of molecular tools in studies of diversity. Arquivos Instituto Biologia, v.81, n.3, p. 299-308, 2014.

SOUSA, J. M. B. Perfil bromatológico de mel de abelha sem ferrão produzido na microrregião do Seridó do Rio Grande do Norte. 71p., 2011, Dissertação de Mestrado, Bananeiras, Universidade Federal da Paraíba, 2011.

VILLAS-BÔAS, J. Manual Tecnológico: Mel de abelhas sem ferrão. Brasília: Instituto Sociedade, população e Natureza (ISPN), Brasil, 2012.

Publicado
2021-05-23
Seção
Nota Científica