CONTROLE DE QUALIDADE DO PERCENTUAL DE BIXINA EM COLORÍFICOS COMERCIALIZADOS EM CAMPINA GRANDE

  • Raphael lucas Jacinto Almeida Universidade Federal de Campina Grande
  • Newton Carlos Santos Universidade Estadual de Paraíba
  • Márcia Ramos Luiz Universidade Estadual da Paraíba

Resumo

A Bixina é o carotenoide mais utilizado pela indústria alimentícia. É extraída convencionalmente das sementes do urucum sendo utilizado diretamente na produção de coloríficos. O colorífico é um condimento amplamente utilizado na culinária brasileira onde o atributo mais importante na sua comercialização é o impacto visual causado pela cor. Dessa forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a qualidade dos coloríficos comercializados em Campina Grande – PB em relação ao teor de bixina através da leitura em espectrofotômetro. Das amostras analisadas, houve uma variação muito grande nos resultados, sendo uma apresentando quase o dobro de outra. Não há na Legislação vigente uma padronização da quantidade utilizada deste pigmento nos coloríficos comercializados, por isso a importância desse estudo, fazendo-se uma reflexão da necessidade da implantação de uma legislação específica para padronização desse produto. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Newton Carlos Santos, Universidade Estadual de Paraíba

Departamento de química industrial 

centro de ciência e tecnologia

Márcia Ramos Luiz, Universidade Estadual da Paraíba

Professora do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental

Centro de ciências e tecnologia 

Referências

ANVISA - AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução CNNPA nº 12 de 1978.

BRASIL. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz: Métodos químicos e físicos para análises de alimentos. 4° ed. 1° edição digital. São Paulo, 1020 p, 2008.

DEMCZUK JUNIOR, B. Estabilidade e aplicação do corante de urucum no estado do Paraná. 2012. 132 p. Tese (Doutorado em Engenharia de Alimentos) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

EMBRAPA. Coleção plantar urucum. 2º ed. Revista e ampliada. Brasília-DF, 2009.

FABRI, E. G.; TERAMOTO, J. R. S. Urucum: fonte de corantes naturais. Horticultura Brasileira (Impresso), v. 33, p. 140-140, 2015.

GARCIA, C. E. R.; BOLOGNESI, V. J.; DIAS, F. J. G. MIGUEL, O. G.; COSTA, C. K. Carotenoides bixina e norbixina extraídos do urucum (Bixa orellana L.) como antioxidantes em produtos cárneos. Ciência Rural, v.42, n.8, ago, 2012.

MANTOVANI, N.C.; GRANDO, M. F.; XAVIER, A.; OTONI, W.C. Avaliação de genótipos de urucum (bixa orellana l.) por meio da caracterização morfológica de frutos, produtividade de sementes e teor de bixina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 2, 2013.

RIOS, A. O. Carotenóides de urucum: desenvolvimento de método analítico e avaliação da estabilidade em sistemas modelo. 147 f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

SANTOS, B. M. Qualidade de coloríficos de urucum produzidos e comercializados no estado da Paraíba. 2016. 49 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Tecnologia de Alimentos) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.

SILVA, L. S. Avaliação de parâmetros bioquímicos nutricionais e do estresse oxidativo em ratos tratados com extrato oleoso de bixina (P.A. LIPO 8%). 2009. 136 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2009.

SILVA, M. L. A. Extração de corantes de urucum (bixa orellana l.) utilizando sistema de recirculação de solventes. Dissertação (Mestrado em Ciências e Tecnologia de Alimentos) – Universidade Federal de Pará, Belém, 2006.

Publicado
2017-11-23
Como Citar
Jacinto Almeida, R. lucas, Santos, N. C., & Luiz, M. R. (2017). CONTROLE DE QUALIDADE DO PERCENTUAL DE BIXINA EM COLORÍFICOS COMERCIALIZADOS EM CAMPINA GRANDE. Revista Brasileira De Agrotecnologia, 7(2), 190-193. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBAGRO/article/view/5161
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)