ESTUDO DA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DA BATATA DOCE (IPOMOEA BATATAS)

  • Thálita Cristyne de Oliveira Alves Universidade Federal da Paraíba
  • Amanda Silva do Carmo Universidade Federal da Paraíba
  • Pierre Corrêa Martins Universidade Federal da Paraíba

Resumo

O objetivo desse estudo foi determinar uma condição otimizada para a desidratação osmótica de fatias de batata doce utilizando soluções aquosas ternárias contendo sacarose e cloreto de sódio para as variáveis de operação: temperatura, tempo, concentração de solutos e de cloreto de sódio. As fatias foram colocadas em recipientes com as soluções desidratantes e acondicionados em uma incubadora com controle de agitação e temperatura. Foi utilizado um delineamento experimental estatístico fatorial do tipo 24 para as variáveis de operação, cujos parâmetros de avaliação foram a Perda de massa, Perda de umidade, Redução da atividade de água e duas Relações de desempenho adotadas para a operação. Os resultados demonstraram que as concentrações de soluto e de sal e a temperatura são as variáveis de operação mais significativas. Os valores médios da faixa ótima dessa operação são: 50 oC, 50% em peso de solutos, 8% em peso de sal e 140 min. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thálita Cristyne de Oliveira Alves, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Engenharia de Alimentos

Àrea em Engenharia de Alimentos

Amanda Silva do Carmo, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Engenharia de Alimentos

Àrea em Engenharia de Alimentos

Pierre Corrêa Martins, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Engenharia de Alimentos

Àrea em Engenharia de Alimentos

Referências

AZEVEDO, A. Influence of harvest time and cultivation sites on the productivity and quality of sweet potato. Horticultura Brasileira, v. 32, p.21–27, 2014.

BARROS NETO, B. ; SCARMINIO, I. S. ; BRUNS, R. E. Como fazer experimentos, pesquisas e desenvolvimento na ciência e na indústria. Campinas: Editora da UNICAMP, 2001. 401p.

FERRARI, C.C. ; RODRIGUES,L. K. ; TONON, R.V. ; HUBINGER, M.D. Cinética de transferência de massa de melão desidratado osmoticamente em soluções de sacarose e maltose. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, 25(3): 564- 570, jul.-set. 2005.

JESUS, J. R., Modelos matemáticos na predição da cinética de desidratação osmótica de batata doce. Lavras: UFLA, 2015, 88p.

PAM, Produção Agrícola Municipal - culturas temporárias e permanentes. Rio de Janeiro: IBGE, v.30, 2003, 93p.

RAOLT-WACK, A.L. Recent advances in the osmotic dehydration of foods. Trends in Food Science and Technology, v.5, n.8, p.255-260, 1994.

RODRIGUES, M.I. ; IEMMA, A.F. Planejamento de experimentos e otimização de processos: uma estratégia sequencial de planejamentos. 1ª edição, Casa do Pão Editora, Campinas, SP, 326p. 2005.

TACO, Tabela Brsileira e Composição de Alimentos / NEPA – UNICAMP. – 4 ED. rev. E ampl. Campinas: NEPA – UNIAMP, 2011. 161p.

Publicado
2017-11-23
Como Citar
de Oliveira Alves, T. C., do Carmo, A. S., & Martins, P. C. (2017). ESTUDO DA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DA BATATA DOCE (IPOMOEA BATATAS). Revista Brasileira De Agrotecnologia, 7(2), 273-279. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBAGRO/article/view/5192
Seção
Artigos