ÍNDICE DE CONFORTO TÉRMICO DA MALHA URBANA EM PONTOS REPRESENTATIVOS DA CIDADE DE BAYEUX (PB)

  • Janduy Gonçalves do Nascimento
  • Amanda Mayara Paulino da Silva
  • Elydeise Cristina Andrade dos Santos
  • Joel Silva dos Santos
  • Karle Andrielle Alves da Silva

Resumo

A temperatura do ar e a umidade atmosférica são elementos intensamente afetados durante o processo de apropriação dos recursos naturais e do crescimento desordenado dos centros urbanos, gerando desconforto térmico nesses ambientes e a formação de ilhas de calor. Dessa forma, o objetivo principal deste trabalho foi calcular o índice de desconforto térmico de Thom (IDT) em alguns pontos representativos da malha urbana da cidade de Bayeux(PB). Para a realização da pesquisa foram selecionados três pontos representativos da malha urbana da cidade para as medições das variáveis temperatura e umidade relativa do ar em dois períodos distintos - seco e chuvoso – da área de estudo durante 06 meses ininterruptos através do aparelho termo higrômetro da marca HOBOS (U-10). Para a análise do desconforto térmico foi utilizado o Índice de Desconforto Térmico de Thom, tendo como referência a faixa de classificação de conforto térmico para regiões tropicais ajustado por Santos durante a avaliação do clima urbano da cidade de João Pessoa\PB. A pesquisa revela que os pontos que apresentam material de recobrimento do solo impermeável e pouca cobertura vegetal são os que indicam maior IDT e alteração no campo térmico urbano da área de estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGÊNCIA EXECUTIVA DA GESTÃO DAS ÁGUAS DO ESTADO DA PARAÍBA (AESA) Disponível em: http://www.aesa.pb.gov.br/aesa-website/ Acesso em: 19 de maio de 2017.

COSTA, A. D. L. O. Revestimento de superfícies horizontais e sua implicação microclimática em localidade de baixa latitude com clima quente e úmido. Campinas: UNICAMP, 242p. Tese (Doutorado), 2007.

COTRIN, G. (1999). História global: Brasil e Geral, - Volume único/ 6º ed. Reform. São Paulo, p.278e 279.

DIMOUDI, A.; KANTZIOURA, A.; ZORAS, D.; PALLAS, C.; KOSMOPOULOS, P. Investigation of urban microclimate parameters in urban center. Energy andBuildings. v. 64, 2013, pg. 1-9.

FREITAS, Circulações Locais em São Paulo e sua influência na dispersão de poluentes. 2015. 157 f. Tese de Doutorado. Departamento de Ciências Atmosféricas. IAG/USP, São Paulo, SP.

GOMES, J. Poluição atmosférica: um manual universitário. Porto: Subindústria, 2011, p176.

GOMES, P.S.; LAMBERTS, R. O estudo do clima urbano e a legislação urbanística: considerações a partir do caso Montes Claros, MG. Ambienteconstruído, v. 9, n. 1, p. 73-91,2015.

GOMES, M. A. S. & AMORIM, M. C. C. T. Arborização e conforto térmico no espaço urbano: estudo de caso nas praças públicas de presidente prudente (sp). Caminhos de Geografia. P. 94-106, 2003.

HOWARD, L. The climate of London. London: International Association for Urban Climate, 1833.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades (2010). Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=250180&search=paraiba|bayeux> Acesso em: 04 de jul. de 2015.

KATZSCHENER. L.; Bosch; Ulrike, Rontgen, M.Behaviour of people in open spaces in in dependency of thermal comfort conductions. In: International conference on passive and low Energy architecture, 2002, France.

MENDONÇA, F. Impactos socioambientais urbanos. Curitiba: UFPR, 2013.

MENDONÇA, F. Clima e planejamento urbano em Londrina: Proposição metodológica e de intervenção urbana a partir do estudo do campo termo- higrométrico. In: MONTEIRO, C. A. F.; MENDONÇA, F. (Org.). Clima Urbano. São Paulo: Editora Contexto, 2003. p.93-120.

MOLION, L. C. B.; BERNARDO, S. O. Uma revisão da dinâmica das chuvas no Nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 17, n. 1, p. 1-10, 2002.

MONTEIRO, C. A. F. Teoria e clima urbano. Série Teses e Monografias, São Paulo: USP/Igeog, n. 25, 1976.

MONTEIRO, C. A. F.; MENDONÇA, F. Teoria e clima urbano: Um projeto e seus caminhos. In: (Org.). Clima Urbano. São Paulo: Editora Contexto, 2003. p. 9-67.

NIMER, E.; PINHEIRO FILHO, A. A.; AMADOR, E. S. ARAÚJO NETO, M. D. Climatologia da região Nordeste. In: NIMER, E. Climatologia do Brasil. 2ª Edição, Rio de Janeiro: IBGE, Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, 1989, 422 p.

OKE, T. R. Initial guidance to obtain representative meteorological observations at urban sites IOM Report, TD. Geneva: World Meteorological Organization, 2004.

RUAS, A. C. Conforto Térmico nos Ambientes de Trabalho. Ministério do Trabalho/FUNDACENTRO. 96 p. São Paulo, 1999.

SANTOS, J. S.; SILVA, V. P. R.; ARAÚJO, L. E.; LIMA, E. R. V.; COSTA, A. D. L. Análise das condições do conforto térmico em ambiente urbano: estudo de caso em Campus universitário. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v. 4, n. 2, p. 336 -353, 2011.

SANTOS, J. S.; SILVA, V. P. R.; SILVA, E. R.; ARAÚJO, L. E.; COSTA, A. D. L. Campo Térmico Urbano e a sua Relação com o Uso e Cobertura do Solo em Cidade Tropical Úmida. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v. 5, n. 3, p. 540-557, 2012.

SANTOS, E. P.; CORREIA, M. F.; ARAGÃO, M. R. S.; SILVA, F. D. S. Eventos extremos de chuva e alterações no regime hidrológico da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco: Uma aplicação do índice RAI (Rainfall Anomaly Index). Engenharia Ambiental, v.8, p.315-330, 2011.

SHASHUA-BAR, L.; HOFFINAM, M.E (2013). Vegetation as a climatic component a desing of na urban street Na empirical model for predicting the cooling effect and Buildings, v.31, p.221-235.

SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO DO MEIO AMBIENTE (SUDEMA). Parque Estadual Mata do Xém-Xém. Disponível em: <http://www.sudema.pb.gov.br/index.php?view=category&catid=11&option=com_joomgallery&Itemid=100034> Acesso em: 06 de jul. de 2017.

Publicado
2017-12-29
Como Citar
Gonçalves do Nascimento, J., Mayara Paulino da Silva, A., Cristina Andrade dos Santos, E., Silva dos Santos, J., & Andrielle Alves da Silva, K. (2017). ÍNDICE DE CONFORTO TÉRMICO DA MALHA URBANA EM PONTOS REPRESENTATIVOS DA CIDADE DE BAYEUX (PB). Revista Brasileira De Agrotecnologia, 7(3), 053-062. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBAGRO/article/view/5559
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)