Caracterização da demanda de uma Unidade de Pronto Atendimento do Município de Recife

Resumo

RESUMO

Objetivo: Caracterizar a demanda de usuários e o tipo de atendimento realizado em uma Unidade de Pronto Atendimento do município do Recife, Pernambuco, Brasil. Método: Trata-se uma pesquisa descritiva e analítica com abordagem quantitativa de janeiro a junho de 2019. Foram coletados dados secundários, obtidos por meio de relatórios gerais e gerenciais do sistema de informação, utilizado pela Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. Resultados: Constatou-se a alta demanda de usuários, principalmente que buscaram o serviço por motivos pouco ou não urgentes, que poderiam ser atendidos na atenção primária. Conclusão: Uma parcela significativa dos atendimentos não foi caracterizada como urgência e emergência. Faz necessário mudanças nas políticas de saúde relacionadas à Rede de Atenção as Urgências e a Rede de Atenção Primária em Saúde, a fim de reorganizar, identificar e estabelecer estratégias de Atenção, que forneçam uma assistência de saúde qualificada e resolutiva evitando a superlotação dos Serviços de Urgência e Emergência.

Palavras-chave: Demanda de serviço de saúde; Urgência e Emergência; Gestão.  

Referências

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2010 [cited 2015 May 30]; 15(5):2297-2305. Available from: http://www.scielo. br/pdf/csc/v15n5/v15n5a05.pdf Acesso em 10 de abril. 2020.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção às Urgências: Série E. Legislação de Saúde, 3ª Ed. Brasília (DF): MS; 2006.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 1.600 de 7 de julho de 2011: Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília (DF): MS; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 2048 de 05 de novembro de 2002: Regulamento técnico dos sistemas estaduais de urgência e emergência. Brasília (DF): MS; 2002.

Ministério da Saúde. Brasil. Portaria MS/GM n. 1863, de 29 de setembro de 2003. Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Diário Oficial da União, Brasília (DF). Seção 1. 2003. p. 56.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 10 de 3 de janeiro de 2017: Redefine as diretrizes de modelo assistencial e financiamento de UPA 24h de Pronto Atendimento como Componente da Rede de Atenção às Urgências, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília (DF): MS; 2017.

Ministério da Saúde. Brasil. Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência. Secretaria de Atenção a Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Brasília (DF). 2009.

Galati AG, Santos NSGM. Protocolo de classificação de risco em setor de emergência em um hospital filantrópico do noroeste paulista. Rev Cient Unilago 2014[acesso em: 26 setembro 2015]. Disponível em: http://www.unilago.edu.br/revista/edicaoatual/Sumario/2014/downloads/3.pdf. Acesso em 5 de abril. 2020.

Souza CC, Toledo AD, Tadeu LFR, Chianca TCM. Classificação de risco em pronto-socorro: concordância entre um protocolo institucional Brasileiro e Manchester. Rev Lat.Amer de Enferm 2011; 19(1): 26-33

Cremonesi P, di Bella E, Montefiori M, Persico L. The Robustness and Effectiveness of the Triage System at Times of Overcrowding and the Extra Costs due to Inappropriate Use of Emergency Departments. Appl Health Econ Health Policy. 2015; 13(5): 507-14.

Soares SS, Lima LD, Castro ALB. O papel da atenção básica no atendimento às urgências: um olhar sobre as políticas.J Manag Prim Health Care. 2014;5(1):170-6.

Garcia VM, Reis RK. Adequaçao da demanda e perfil de morbidade atendida em uma unidade nao hospitalar de urgência e emergência. Rev Cienc Cuid Saude 2014Out/Dez; 13(4): 665-673.

Furtado BMASM, Araújo Jr. JL, Cavalcanti P. O perfil da emergência do Hospital da restauraçao: uma análise dos possíveis impactos após a municipalização dos serviços de saúde. Rev Bras Epidemiol 2004; 7(3):279-289.C

Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA. Indicadores básicos de saúde no Brasil: conceitos e aplicações. Brasília (DF): Organização

Publicado
2021-09-09
Como Citar
de Amorim, B. B., & da Penha, M. R. C. (2021). Caracterização da demanda de uma Unidade de Pronto Atendimento do Município de Recife. Revista Brasileira De Educação E Saúde, 11(2), 252-255. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/8442
Seção
Artigos