Caracterização das notificações dos casos de sífilis no interior de Pernambuco: recorte temporal 2010 a 2019

  • Giovanna Limeira Silva Lima Instituto Federal de Pernambuco - campus Pesqueira
  • Silvana Cavalcanti dos Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco ( IFPE)- Campus Pesqueira
  • Valdirene Pereira da Silva Carvalho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco(IFPE) - Campus Pesqueira
  • Eurivânio Welíson Pereira da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco(IFPE) - Campus Pesqueira

Resumo

O artigo objetivou caracterizar o perfil das notificações dos casos de sífilis no Centro de Testagem e Aconselhamento no período de 2010 a 2019 no interior de Pernambuco. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo, exploratório, retrospectivo, de 2010 a 2019. Utilizaram-se dados provenientes  da ficha de atendimento ambulatorial do serviço. Foram identificados 870 casos de sífilis positivo através do Teste Não Treponêmico (VDRL); 69,2% dos usuários eram do sexo feminino e 30,8% masculino ; 59,3 são usuários casados; a faixa etária mais acometida é de 20 a 29 anos (36,3%), seguido de 30 a 39 anos (22,1%); a cidade com maior procedência é Arcoverde (93,4%); O nível de escolaridade mais recorrente foi 1º grau incompleto com 50,3% (n=438). Observou-se que 41%  dos usuários contraíram algum tipo de IST nos últimos 12 meses; o principal motivo para  não usar preservativo são por motivos diversos, seguindo por confiar no parceiro(a); 93,3% dos indivíduos relatam terem adquirido por meio de relação sexual. Nesse sentindo, destaca-se a necessidade de avançar na prevenção das ISTs por meio de educação sexual e diagnóstico,  isso somado à importância de avaliar a adesão e a efetividade do tratamento de forma a reduzir a prevalência da sífilis, além de melhorar a qualidade de vida do indivíduo.

Biografia do Autor

Giovanna Limeira Silva Lima, Instituto Federal de Pernambuco - campus Pesqueira

Graduanda do curso de Bacharelado de Enfermagem pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia  de Pernambuco - Campus Pesqueira

Silvana Cavalcanti dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco ( IFPE)- Campus Pesqueira

 Professora Instituto Federal de Ciências, Educação e Técnologia de Pernambuco (IFPE)/ Campos Pesqueira

-Membro do corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Escola Superior de Saúde de Arcoverde- ESSA;

-Graduação em Enfermagem pela Universidade  Estadual da Paraíba (UEPB);

-Mestrado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães-, CPQAM;

-Grupo de pesquisa: Cuidado e Promoção à Saúde

 

Valdirene Pereira da Silva Carvalho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco(IFPE) - Campus Pesqueira

- Professora do Curso de Bacharelado em Enfermagem do Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia de Pernambuco – Campus Pesqueira

-Graduação em Enfermagem pela Universidade de Pernambuco (UPE)

- Mestrado em Gestão e Economia da Saúde pela Universidade Federal de Pernambuco

-Grupo de Pesquisa: Saúde Coletiva e prática Interdisciplinares

Eurivânio Welíson Pereira da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco(IFPE) - Campus Pesqueira
Graduando do curso de Bacharelado de Enfermagem pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia  de Pernambuco - Campus Pesqueira

Referências

ANDRADE, H. S.; REZENDE, N. F. G; GARCIA, M. N.; GUIMARÃES, E. A. A. Caracterização epidemiológica dos casos de sífilis em mulheres. Escola de Ciência e Saúde, Paraná, v. 12, n. 1, p.1-5, mar. 2019. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/view/32124/17807>. Acesso em: 07 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde .Secretaria de Vigilância em Saúde (Org.). Boletim Epidemiológico – Sífilis 2018. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-de-sifilis-2018>. Acesso em: 07 mar. 2020.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde (Org.). Boletim Epidemiológico – Sífilis 2019. Disponível em: < http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2019/boletim-epidemiologico-sifilis-2019>. Acesso em: 07 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. – Brasília : Ministério da Saúde, 2019.

CDC. U. S. Department Of Health And Human Services (org.). Centers for Disease Control and Prevention. Sexually transmitted disease surveillance. 2016. Atlanta. Disponível em: < https://www.cdc.gov/std/stats15/std-surveillance-2015-print.pdf>. Acesso em: 08 set. 2020.

DOURADO, I.; MACCARTHY, S.; REDDY M.; CALAZANS G.; GRUSKIN S;. Revisitando o uso de preservativo no Brasil. 2015. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rbepid/v18s1/pt_1415-790X-rbepid-18-s1-00063.pdf>. Acesso em: 08 set. 2020.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2020. Estimativa dos habitantes da cidade de Arcoverde. Rio de Janeiro: IBGE.

LIMA, B. C. F.; MOSELE, T. M. W.; GAVINHO, B. Incidência de sífilis no município de almirante Tamandaré, nos anos de 2010 - 2018. Revista Uniandrade, Campos de Andrade, v. 19, n. 3, p.133-138, out. 2019a. Disponível em: <https://www.uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/revistauniandrade/article/view/1221/976>. Acesso em: 07 mar. 2020.

LIMA, C. G. M. Progressão epidemiológica da sífilis congênita no Estado de Pernambuco entre 2011 a 2018. Revista Brasileira de Educação em Saúde, v. 9, n.4, p. 71-76, out-dez, 2019. Disponível em: < https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/6945/6488>. Acesso em: 08 set. 2020.

LUPPI, C. G.; GOMES, S. E. C.; SILVA, R. J. C.; UENO, A. M.; SANTOS, A. M. K.; TAYRA, A.; TAKAHASHI, R. F. Factors associated with HIV co-infection in cases of acquired syphilis reported in a Reference Center for Sexually Transmitted Diseases and AIDS in the municipality of São Paulo, Brazil, 2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, [s.l.], v. 27, n. 1, p.1-11, mar. 2018. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/ress/2018.v27n1/e20171678/>. Acesso em: 07 mar. 2020.

MELO, A. P. S.; NONATO, S. M.; GUIMARÃES, M. D. C. Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo Horizonte-MG, 2010-2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, [S.L.], v. 24, n. 4, p. 681-694, out. 2015.

NOGUEIRA, F. J. S.; FILHO, C. R. C.; MESQUITA, C. A. M.; SOUZA, E. S.; SARAIVA, A. K. M. Caracterização dos usuários atendidos em um centro de testagem e aconselhamento em infecções relacionadas ao sexo. Saúde e Pesquisa, Maringá (pr), Maringá, v. 10, n. 2, p.243-250, 07 jul. 2017. Disponível em: <https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/5861/3049>. Acesso em: 07 mar. 2020.

NOGUEIRA, F. J. S.; SARAIVA, A. K. M .; RIBEIRO, M. S.; FREITAS, N. M.; FILHO, C. R. C.; MESQUITA, C. A. M. Prevention, risk and desire: study on non-use of condoms. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, [s.l.], v. 31, n. 1, p.1-8, 28 fev. 2018. Fundação Edson Queiroz. Disponível em: <https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6224/pdf_1>. Acesso em: 07 mar. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE; ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Plano de ação para a prevenção e o controle do HIV e de infecções sexualmente transmissíveis 2016-2021. Sessão do comitê regional da oms para as américas, 55o conselho diretor; 26 a 30 de setembro de 2016; Washington, D.C., EUA; 2016 (documento CD55/14). Disponível em: https://www.paho.org/hq/dmdocuments/2016/CD55-14-p.pdf>. Acesso em: 08 set. 2020.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE(OPAS). A cada dia, há 1 milhão de novos casos de infecções sexualmente transmissíveis curáveis. 2019 Disponivel em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5958:a-cada-dia-ha-1-milhao-de-novos-casos-de-infeccoes-sexualmente-transmissiveis-curaveis&Itemid=812. Acesso: 16 de setembro de 2020.

PEELING, R. W.; MABEY, D.; KAMB, M. L. et al. Syphilis. Nat. Rev. Dis. Primers, [S.l.], v. 3, p. 17073, 12 out. 2017.

PERNAMBUCO. Secretaria de Vigilância em Saúde (Org.). Boletim Epidemiológico – Sífilis 2019. Disponível em: < http://portal.saude.pe.gov.br/sites/portal.saude.pe.gov.br/files/boletim_sifilis_-_pernambuco_2019-.pdf>. Acesso em: 08 set. 2020.

Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). O desafio da sífilis. Boletim out/2017, p. 06.

ROLFS, R. T. et al. A randomized trial of enhanced therapy for early syphilis in patients with and without human immunodeficiency virus infection. N. Engl. J. Med., [S.l.], v. 337, p. 307-314, 1997.

SÃO PAULO.Secretaria de Estado de Saúde (SP). Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids de São Paulo. Programa Estadual de DST/Aids. Bol Epidemiológico [internet]. 2016 jul [citado 2017 ago 10];33(1):1-126. Disponível em: Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/crt/vig.epidemiologica/boletim-epidemiologico-crt/boletim_epidemiologico_2016.pdf?attach=true

» http://www.saude.sp.gov.br/resources/crt/vig.epidemiologica/boletim-epidemiologico-crt/boletim_epidemiologico_2016.pdf?attach=true

Organización Panamericana de la Salud. Nuevas generaciones sin la infección por el VIH, la sífilis, la hepatitis B y la enfermedad de Chagas en las Américas 2018. ETMI Plus. Washington, D.C.: OPS; 2019.

WORKOWSKI, K. A.; BOLAN, G. A. Centers for Disease Control and Prevention. Sexually transmitted diseases treatment guidelines, 2015. MMWR, [S.l.], v. 64, RR- 03, p. 1, 5 jun. 2015.

Publicado
2021-09-08
Como Citar
Silva Lima, G. L., dos Santos, S. C., da Silva Carvalho, V. P., & da Silva, E. W. P. (2021). Caracterização das notificações dos casos de sífilis no interior de Pernambuco: recorte temporal 2010 a 2019. Revista Brasileira De Educação E Saúde, 11(2), 226-231. https://doi.org/10.18378/rebes.v11i2.8468
Seção
Artigos