Estudo da acessibilidade em edificação em um serviço de mamografia na cidade de Salvador, Bahia

  • Camila Fernandes Lima Aluna de graduação em Tecnologia em Radiologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA.
  • Jeovana Santos Ferreira Aluna de graduação em Tecnologia em Radiologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA.
  • Juliana dos Santos Muller Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, Campus Florianópolis. https://orcid.org/0000-0002-8593-304X
  • Carla Dayanne Cardoso Cipriano Aluna do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá.
  • Marcus Vinícius Linhares de Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA, Departamento de Tecnologia em Saúde e Biologia, Campus Salvador https://orcid.org/0000-0001-9942-1478
  • Mauricio Mitsuo Monção Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA. https://orcid.org/0000-0003-0183-1992

Resumo

A mamografia é um importante exame na prevenção do câncer de mama. No entanto, a falta de acessibilidade nas edificações pode dificultar o acesso das mulheres com deficiência física nos serviços de mamografia. O objetivo deste estudo foi explorar e descrever os espaços estruturais externos e internos de um serviço de mamografia localizado no município de Salvador, Bahia, de modo a compreender os dificultadores para a acessibilidade da pessoa com deficiência física. Para tanto, utilizou-se um roteiro semi-estruturado, cuja a análise dos dados foi realizada à luz das normativas vigentes e referências bibliográficas disponíveis na literatura especializada. Os resultados demonstraram predominância de adequações na estrutura predial e inadequações nas rotas de acesso, sinalizações e mobiliário, sendo os itens de menor complexidade e custo aqueles que se mostraram dificultadores para a acessibilidade. As múltiplas inadequações da rota externa impendem a chegada da pessoa com deficiência física de forma segura e autônoma. Entende-se que as exigências para acessibilidade nas edificações devem estar presentes de forma integral nos serviços de mamografia. O olhar atento e a participação ativa dos profissionais pode propiciar melhores condições de acessibilidade, que requer conhecimento, conscientização e sensibilização para inclusão das pessoas com deficiências físicas.

 

 

Biografia do Autor

Camila Fernandes Lima, Aluna de graduação em Tecnologia em Radiologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA.
Aluna de graduação em Tecnologia em Radiologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA. Atualmente técnica em mamografia na policlínica regional de Senhor do Bonfim - BA, na unidade de mamografia.
Jeovana Santos Ferreira, Aluna de graduação em Tecnologia em Radiologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA.
Aluna de graduação em Tecnologia em Radiologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA.
Juliana dos Santos Muller, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, Campus Florianópolis.
Possui graduação em Tecnologia em Radiologia pelo Instituto Federal de Santa Catarina (2008), graduação em Fisioterapia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2012), especialização em Docência do Ensino Superior pelo Centro Universitário de Maringá (2013), Mestrado em Saúde, Ambiente e Trabalho pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia (2014) e está regularmente matriculada no Doutorado em Processos Interativos de Órgãos e Sistemas no Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Bahia (2018). Atualmente é professora associada do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, Campus Florianópolis
Carla Dayanne Cardoso Cipriano, Aluna do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá.
Aluna de pós graduação em DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá.
Marcus Vinícius Linhares de Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA, Departamento de Tecnologia em Saúde e Biologia, Campus Salvador
Atualmente professor efetivo do Instituto Federal da Bahia - IFBA, do Departamento de Tecnologia em Saúde e Biologia. Doutor em Processos Interativos dos Orgãos e Sistemas da Universidade Federal da Bahia- UFBA (2016), com período sanduíche no Instituto Politécnico de Coimbra -IPC, Portugal, Mestre em Processos Interativos dos Órgãos e Sistemas da Universidade Federal da Bahia- UFBA(2013), Especialista em proteção radiológica (2009),Possui graduação no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia (2007)
Mauricio Mitsuo Monção, Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA.
Possui Mestrado em Ciências da Saúde, Especialização em Imagenologia Médica, Graduação em Tecnologia em Radiologia e formação Superior específica em Saúde Comunitária e da Família. Atualmente é aluno regular do doutorado em Processos Interativos de Órgãos e Sistemas do Instituto de Ciências da Saúde da UFBA. Professor efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) do Departamento de Tecnologia em Saúde e Biologia - DTSBio, onde desenvolve ensino, pesquisa e extensão na área de aplicações das técnicas radiológicas para Radiodiagnóstico e Radioterapia. Possui experiência como docente em cursos de pós-graduação (lato sensu), graduação e ensino profissionalizante na área da saúde, bem como, coordenação de projetos de pesquisa acadêmica e extensão universitária.

Referências

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002 - Dispõe sobre o regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistências de saúde. Disponivel em: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/rdc-50-de-21-de-fevereiro-de-2002. Acesso em 05 de novembro de 2020.

________Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diretoria Colegiada. Instrução normativa n° 54, de 20 de dezembro de 2019. Publicado no Diário Oficial da União, Brasília, DF. Edição 249, Seção: 1, p. 128.

Barr, J. K., Giannotti, T. E., Hoof, T. J. V., Mongoven, J., & Curry, M. Understanding Barriers to Participation in Mammography by Women with Disabilities. American Journal of Health Promotion. V. 22(6), 381–385. 2008.

BRASIL. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 3ªed. Rio de Janeiro, 2015. Disponivel em:

_______Lei federal nº 10.048, de 8 de novembro de 2000. Dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 09 nov. 2000, Seção 1, n. 216-E, p.1.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

COLEGIO BRASILEIRO DE RADIOLOGIA. Mama CBR. Ed. Elsevier, 2018.

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo demográfico. 4. ed. Rio de Janeiro, 2000.

GALVAN, L.B.; et al. Análise da acessibilidade no centro de tratamento da criança com câncer de um hospital universitário. Cad. Bras. Ter. Ocup. v. 27, n.1, p. 81-91, 2019. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2526-89102019000100081&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 14 nov. 2020.

INCA. Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2020. Bahia e Salvador -estimativa dos casos novos. Disponível em: https://www.inca.gov.br/estimativa/estado-capital/bahia-salvador. Acesso em 09 de novembro de 2020.

_________Instituto Nacional do Câncer. Detecção precoce. Rio de Janeiro: INCA, 2018. Disponível em: http://www.inca.gov.br/outubro-rosa/deteccao-precoce.asp. Acesso em: 02-03-2018.

_________Instituto Nacional de Câncer. Mamografia: da prática ao controle. Rio de Janeiro: INCA, 2007.

_________Instituto Nacional do Câncer. Detecção precoce do câncer de mama. Disponível em: https://www.inca.gov.br/en/node/1208. Acesso em 06-09-2019.

Miller, D.P.; Reuland, D.S. Controversies in Cancer Screening. North Carolina Medical Journal. v. 75 (4) 253-256, 2014.

OLIVEIRA, L.M.B. Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência. Brasília, 2012.

PACHECO, E. M.; MORIGI, V. (Org.). Ensino Técnico, Formação Profissional e Cidadania: A revolução da Educação Profissional e Tecnológica no Brasil. Porto Alegre: Tekne, 2012.

PETERS, K; COTTON, A. Barriers to breast cancer screening in Australia: experiences of women with physical disabilities. Journal of Clinical Nursing. 2014; 24: 563–572, doi: 10.1111/jocn.12696

RAMJAN, L. et al. Barriers to breast and cervical cancer screening for women with physical disability: A review. Women & Health. 2015; 56: 141-156, DOI: 10.1080/03630242.2015.1086463

SALEEBY, P. W.; HUNTER-JONES, J. Identifying Barriers and Facilitators to Breast Health Services among Women with Disabilities. Social Work in Public Health. 2016. v. 31:4, p. 255-263.

SAKELLARIOU, D.; ROTAROU, E.S. Utilisation of mammography by women with mobility impairment in the UK: secondary analysis of cross-sectional data. BMJ Open, 9(3), e024571. 2019. doi:10.1136/bmjopen-2018-024571

Publicado
2021-10-17
Como Citar
Lima, C. F., Ferreira, J. S., Muller, J. dos S., Cardoso Cipriano, C. D., Linhares de Oliveira, M. V., & Monção, M. M. (2021). Estudo da acessibilidade em edificação em um serviço de mamografia na cidade de Salvador, Bahia. Revista Brasileira De Educação E Saúde, 11(3), 370-375. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/8592
Seção
Artigos