Comparação da percepção subjetiva da qualidade de vida de uma amostra de idosas participantes e não participantes de uma intervenção musicoterapêutica

Resumo

O objetivo deste estudo foi comparar a percepção subjetiva dos domínios de qualidade de vida de idosas participantes e não participantes de uma intervenção musicoterapêutica para as servidoras aposentadas do Estado do Paraná. O método utilizado foi caráter descritivo, com delineamento transversal do tipo comparativo. A amostra do estudo foi composta por 20 idosas participantes do processo de musicoterapia e 24 idosas não participantes, com média de idade 71,3 (± 7,8). Para avaliação da qualidade vida foram utilizados os questionários WHOQOL-BREF e WHOQOL-OLD. Para os dados descritivos foi utilizada a estatística descritiva, mediante os indicadores de frequência absoluta e relativa.  A normalidade dos dados foi verificada por meio do teste de Kolgomorov Smirnov. A comparação dos resultados, entre os grupos, foi realizada com base na mediana e amplitude interquartílica referente a cada domínio dos instrumentos. Para tal, foi utilizado o teste U de Mann-Whitney. Os dados foram tabulados e analisados por meio do software SPSS. Os resultados encontrados por meio do WHOQOL-BREF, constatou-se que participar de grupos de intervenção com musicoterapia mostrou-se significativo nos escores do domínio Físico (p≤0,01), Psicológico (p≤0,01), Social (p≤0,02) e Meio Ambiente (p≤0,01). Por meio do WHOQOL-OLD, a musicoterapia também mostrou-se significativa no grupo das participantes da intervenção musicoterapêutica, tendo efeito nos domínios Funcionamento do Sensório (p≤0,001, Atividades Passadas/Presente/Futuras (p≤0,01), Participação Social (p≤0,001), Morte e Morrer (p≤0,01), Intimidade (p≤0,01) e Escore Geral (p≤0,001). Com isso percebe-se a importância da musicoterapia para pessoas idosas, pois a sua prática pode proporcionar melhoras nas dimensões da qualidade de vida.

Biografia do Autor

Marcella Ventola Bravin, Universidade Estadual do Paraná

Musicoterapeuta pela Universidade Estadual do Paraná

Mariana Lacerda Arruda, Universidade Federal do Paraná / Universidade Estadual do Paraná
Docente da Universidade Estadual do Paraná / Doutoranda e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Membro do Núcle de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia (NEPIM).
Fabio Ricardo Hilgenberg Gomes, Universidade Federal do Paraná
Doutor e Mestre em Educação Pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Especialista em Atividade Física -Universidade Estadual de Ponta Grossa, Graduado em Licenciatura plena em Educação Física (2008) pela UEPG. Professor dos Cursos de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física da Faculdade Sant’Ana, tutor a distância do curso de Educação Física UAB/UEPG.
Gislaine Cristina Vagetti, Universidade Estadual do Paraná / Universidade Federal do Paraná
Docente da Universidade Estadual do Paraná e da Universidade Federal do Paraná. Doutora em Educação Física pela Unievrsidade Federal do Paraná. Líder do Grupo de Pesquisa em Envelhecimento Humano (GPEH).
Valdomiro de Oliveira, Universidade Federal do Paraná
Doutor e Mestre em Educação Física pela Unicamp/SP. Docente da Universidade Federal do Paraná. Líder do Centro de Pesquisa em Educação e Pedagogia do Esporte (CEPEPE)

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE PESQUISA. Critério de classificação econômica do Brasil. São Paulo: ABEP, 2015.

ALVARENGA, L.N. et al. Repercussões da aposentadoria na qualidade de vida do idoso. Revista Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 796-802, 2009.

ARNDT, A. D.; CUNHA, R.; VOLPI, S. Aspectos da prática musicoterapêutica: contexto social e comunitário em perspectiva. Psicologia&Sociedade, Belo Horizonte, v. 28, n. 2, p. 387-395, 2016.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico: IBGE; 2012.

BRUSCIA, K. Definindo Musicoterapia. Rio de Janeiro: Enelivros, 2016.

CUNHA, R. Musicoterapia na abordagem do portador da doença de Alzheimer. Revista Científica da FAP, 2007.

CUNHA, R.; ARRUDA, M.; SILVA, E.M. Homem, música e musicoterapia. Revista do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia, Curitiba, v. 1, p. 9-26, 2010.

FLECK, M.P.A. et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-BREF”. Revitas de Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 178-83, 2000.

FLECK M.P, Chachamovich E, Trentini C. Development and validation of the Portuguese version of the WHOQOL-OLD module. Revista de Saúde Pública, v. 40, n.5, p.785-791, 2006.

FREITAS, E.V.; PY, L. Tratado de Geriatria e Gerontologia, 3ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

GOMES, F. R. H. et al. Qualidade de vida associada a caracteristicas sociodemográficas em idosas participantes de um projeto social no sul do Brasil. In Missias-Moreira, R; Valentin, O. S. (Org) Qualidade de vida e saúde em uma perspectiva interdisciplinar. CRV, Curitiba, 2018.

JEON, E.Y.; KIM, S. Y.; YOO, H.S. Effects of music therapy and rhythmic exercise on quality of life, blood pressure and upper extremity muscle strength in institution-dwelling elderly women. Journal of Korean Academy of Nursing. v. 39, n. 6, p. 829-39, 2009.

KANSO, S. Processo de Envelhecimento Populacional – um panorama mundial. VI Workshop de análise ergonômica do trabalho, III Encontro Mineiro de Estudos em Ergonomia 2013. Disponível em: http://www.ded.ufv.br/workshop/docs/anais/2013/Solange%20Kanso.pdf. Acesso em Acesso em 02 de fevereiro de 2017.

LEE, Y.Y., CHAN, M.F.; M.O.K., E. Effectiveness of music intervention on the quality of life of older people. Journal of Advanced Nursing, v. 66, n. 12, p. 2677– 2687, 2010.

LUZ, L.T. Musicoterapia na qualidade de vida de idosos institucionalizados. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica). Rio Grande do Sul: PUC, 2015.

MARQUES, D.P.A Importância da musicoterapia para o envelhecimento ativo. Revista Portal de Divulgação, n. 15, p. 18-24, 2011.

MAZO, G. Atividade física e qualidade de vida de mulheres idosas. 2003. Tese (Doutorado em Ciências do Desporto), Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física, Universidade do Porto, Porto, 2003.

MEDEIROS, I.F. A musicoterapia na preservação da memória e na qualidade de vida de idosos institucionalizados. 89 f. Dissertação (Mestrado em Música) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2013.

MEDEIROS, I.F.; ZANINI, C.R.O. A Musicoterapia na preservação da memória de idosos institucionalizados. In: Anais do X Simpósio de Cognição e Artes Musicais. Campinas, Universidade Estadual de Campinas-Unicamp, 2014.

MOZER, N.M.S.; OLIVEIRA, S.G.; PORTELLA, M.R. Musicoterapia e exercícios terapêuticos na qualidade de vida de idosos institucionalizados. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 229-244, 2011.

OLIVEIRA, G.C. et al. A contribuição da musicoterapia na saúde do idoso. Cadernos UniFOA, Centro Universitário de Volta Redonda, ano VII, n. 20, p. 85-94, 2012.

OMS – Organização Mundial da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. 60p., 2005.

PRAZERES, M.M.V. et al. O canto como sopro da vida: um estudo dos efeitos do canto coral em um grupo de coralistas idosas. Revista Kairós Gerontologia, v. 16, n. 4, p. 175-193, 2013.

QUEIROZ, G.M. Qualidade de vida em instituições de longa permanecia para idosos: considerações a partir de um modelo alternativo de assistência. Dissertação de Mestrado. PPGPSI-UFSJ: 2010.

SCHNEIDER, R.H.; IRIGARAY, T.Q. O Envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia, v. 25 n. 4, p.585-593, 2008.

SOLÉ, C. et al. Effects of group music therapy on quality of life, affect, and participation in people with varying levels of dementia. Journal of Music Therapy, v.51, n.1, p.103–125, 2014.

THOMAS, J.R.; NELSON, J.K.; SILVERMAN, L. Métodos de pesquisa em atividade física, Porto Alegre: Artmed. 2012.

VAGETTI, G. C. et al. Domínios da qualidade de vida associados à percepção de saúde: um estudo com idosas de um programa de atividade física em bairros de baixa renda de Curitiba, Paraná, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 12, pp. 3483-3493, 2013.

ZANINI, C.R.O. et al. O Efeito da musicoterapia na qualidade de vida e na pressão Arterial do paciente hipertenso. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 93, n. 5, p. 534-540, 2009.

Publicado
2022-04-05
Como Citar
Bravin, M. V., Arruda, M. L., Gomes, F. R. H., Vagetti, G. C., & de Oliveira, V. (2022). Comparação da percepção subjetiva da qualidade de vida de uma amostra de idosas participantes e não participantes de uma intervenção musicoterapêutica. Revista Brasileira De Educação E Saúde, 12(1), 22-30. https://doi.org/10.18378/rebes.v12i1.8645
Seção
Artigos