Repercussões para o autocuidado de profissionais da saúde com diabetes mellitus

  • Marjory Larissa Lopes Silva
  • Glícia Uchôa Gomes Mendonça
  • Sofia de Moraes Arnaldo
  • Débora Guedes Oliveira
  • Helmo Robério Ferreira de Meneses
  • Sandra Maijane Soares de Belchior
  • José Cezário de Almeida Universidade Federal de Campina Grande, campus Cajazeiras, Paraíba, Brasil
  • Jayana Castelo Branco Cavalcante de Meneses
  • Felipe Venceslau Silva Almeida Universidade Federal de Campina Grande, campus Pombal, Paraíba,Brasil

Resumo

Este estudo objetiva conhecer as práticas de autocuidado de profissionais de saúde com diabetes mellitus que vivenciam turnos prolongados de trabalho. Trata-se de um estudo descritivo, com abordagem qualitativa, realizado no município de Iguatu, Ceará, em três serviços de saúde. Incluiu apenas profissionais de saúde com diagnóstico de diabetes mellitus e que atuassem em regime de plantão, totalizando uma amostra de três participantes. Os dados foram coletados por entrevista semiestruturada e analisados mediante a técnica de análise do conteúdo, auxiliada pelo software de análise de corpus textuais Iramuteq. Quanto aos aspectos éticos, todas as etapas foram norteadas pela resolução n° 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde. Evidenciou-se um perfil de participantes do sexo feminino; solteiras e com um filho; com idade média de 39,6 anos; raça parda; ensino médio completo; baixa renda familiar mensal; técnicas de enfermagem; com apenas um vínculo empregatício; atuando em mais de quatro plantões diurnos e/ou noturnos semanais, de 12 horas contínuas. A nuvem de palavras revelou uma visão negativa do objeto de estudo e a análise de conteúdo possibilitou a formação de quatro categorias: Percepção sobre a doença e o autocuidado; Descrição das práticas de autocuidado; Dificuldades no autocuidado relacionadas ao trabalho e Facilidades no autocuidado relacionadas ao trabalho. Apesar de reconhecerem a importância do autocuidado, as participantes encontram algumas dificuldades para sua efetivação relacionadas ao trabalho, principalmente em relação à alimentação e à prática de exercícios físicos, valorizando mais o tratamento medicamentoso a despeito destes aspectos. Não obstante, foram apontadas algumas facilidades para o autocuidado relacionadas ao trabalho, como o bom relacionamento entre os profissionais e a disponibilidade de equipamentos e insumos. Conclui-se que o trabalho em turnos prolongados influenciou positivamente e negativamente o autocuidado dos participantes, apontando a necessidade de estratégias que contribuam com a efetivação desta prática no ambiente de trabalho.

Biografia do Autor

Felipe Venceslau Silva Almeida, Universidade Federal de Campina Grande, campus Pombal, Paraíba,Brasil

Graduado em Geografia pela Universidade Federal de Campina Grande, caumpus Cajazeiras, Paraíba e Mestre em Sistemas Agroindustriais pela Universidade Federal de Campina Grande, campus Pombal, Paraíba, Brasil.

Publicado
2021-10-19
Como Citar
Larissa Lopes Silva, M., Uchôa Gomes Mendonça , G., de Moraes Arnaldo , S., Guedes Oliveira, D., Robério Ferreira de Meneses , H., Maijane Soares de Belchior , S., Almeida, J. C. de, Castelo Branco Cavalcante de Meneses , J., & Almeida, F. V. S. (2021). Repercussões para o autocuidado de profissionais da saúde com diabetes mellitus. Revista Brasileira De Educação E Saúde, 11(3), 387-395. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/9187
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)