AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE OXIDATIVA DO ÓLEO DE SOJA ADICIONADO DE EXTRATOS DE BAGAÇO DE UVAS TINTAS

  • Luanna Ferreira Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE Unidade Acadêmica de Garanhuns-UAG
  • Mairon Moura Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE Unidade Acadêmica de Garanhuns-UAG
  • Daniele Silva Ribeiro Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE Unidade Acadêmica de Garanhuns-UAG

Resumo

O óleo de soja é um dos óleos comestíveis mais susceptíveis à reação de oxidação lipídica devido ao seu maior grau de insaturação, modificando suas características sensoriais e nutricionais. A uva se destaca por apresentar alto índice de compostos fenólicos, que apresentam ação antioxidante. O objetivo desse trabalho foi avaliar a estabilidade oxidativa do óleo de soja adicionado de extratos de bagaço de uvas tintas produzidas nas variedades Petit Verdot, Carbenet Sauvignon, Merlot Noir e Malbec. Na avaliação da estabilidade oxidativa pelo método de estufa pôde-se verificar que os extratos naturais apresentaram atividade antioxidante até o sexto dia, assim como os tratamentos sem e com antioxidante sintético TBHQ, e apresentaram um maior potencial na estabilidade do óleo, quando comparados ao controle. Os resultados apontaram que o resíduo proveniente da indústria vinícola tem um potencial promissor para ser utilizado como antioxidante natural no controle da oxidação lipídica em alimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luanna Ferreira Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE Unidade Acadêmica de Garanhuns-UAG
Luanna Ferreira da Silva, Engenheira de Alimentos, formada pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Unidade Acadêmica de Garanhuns (UAG). Professora da Secretaria Estadual de Educação do Estado de Pernambuco, Licenciada em Ciências com Habilitação em Matemática e Pós Graduada em Matemática e as Novas Tecnologias. Cursando Técnico em Segurança do Trabalho pela SEEP.

Referências

A Rancidez Oxidativa Oxidativa em Alimentos. Aditivos e Ingredientes, 2010. Disponível em: http://www.insumos.com.br/aditivos_e_ingredientes/materias/209.pdf>

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Substâncias Graxas - Determinação do Índice de Acidez. Método NBR 11115, 1998.

ALMEIDA-DORIA, R. F.; REGITANO-D'ARCE, M. A. B.; Cienc. Tecnol. Aliment. 2000.

ANDREO, Denise; JORGE, Neuza. Avaliação da capacidade antioxidante do extrato de gengibre (Gengiber officinale) adicionado ao óleo de soja em teste de estocagem acelerada. Revista do Instituto Adolfo Lutz (Impresso), v. 66, n. 2, p. 152-157, 2007.

ANTONIASSI, R. Métodos de avaliação da estabilidade oxidativa de óleos e gorduras. Boletim do Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos. Curitiba, v. 19, n. 2, p. 353-380, 2001.

AOCS, Official Methods and Recommended Practices of the American Oil Chemists’ Society: Fats, Oils and Lipid Related Analytical Methods. Champaign, USA, 6ed. AOCS Press, 2009.

BRASIL. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº 23, de 15 de fevereiro de 2005. Regulamento Técnico que aprova o uso de aditivos alimentares, estabelecendo suas funções e seus limites máximos para a categoria de alimentos óleos e gorduras - subcategoria creme vegetal e margarinas.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A Instrução Normativa Nº 49 de 22 de dezembro de 2006. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade dos Óleos Vegetais Refinados; a Amostragem; os Procedimentos Complementares; e o Roteiro de Classificação de Óleos Vegetais Refinados.

EM, O. Os tipos e os efeitos da Rancidez oxidativa em alimentos. FOOD INGREDIENTS BRASIL, v. n° 29, p. 38–45, 2014.

GÁMEZ-MEZA, N.; NORIEGA-RODRÍGUEZ, J. A.; MEDINA-JUÁREZ, L. A.; ORTEGA-GARCÍA, J.; CÁZAREZ-CASANOVA, R.; ANGULO-GUERRERO, O.; J. Am. Oil Chem. Soc. 1999.

IQBAL, S.; BHANGER, M. I. Stabilization of sunfl ower oil by garlic extract during accelerated storage. Food Chem., v. 100, p. 246-254, 2007.

JORGE, Neuza. Química e tecnologia de óleos vegetais. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

LUTZ, A. Óleos e Gorduras. Métodos físico-químicos para a análise de alimentos, p.589-625, 2008.

MASUCHI, Monise Helen et al. Quantificação de TBHQ (terc butil hidroquinona) e avaliação da estabilidade oxidativa em óleos de girassol comerciais. Química nova, v. 31, n. 5, p. 1053, 2008.

SANTOS, Eliziane Haluch dos. Síntese e caracterização de biolubrificantes a partir do óleo de soja refinado. 2011.

SELANI, Miriam Mabel. Extrato de bagaço de uva como antioxidante natural em carne de frango processada e armazenada sob congelamento. Dissertação de Mestrado. Piracicaba, 2010.

RAMALHO, Valéria Cristina e JORGE Neuza. Antioxidantes Utilizados em Óleos, Gorduras e Alimentos Gordurosos. Quim. Nova, Vol. 29, n. 4, 755-760, 2006.

RAVELLI, Débora. Estabilidade oxidativa de óleo de soja adicionado de extratos de especiarias: correlação entre parâmetros físico-químicos e avaliação sensorial. 2011. Tese de Doutorado. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz.

TOLENTINO, M. C.; CARNEIRO, P. I. B.; NAGATA, N. Avaliação da qualidade de óleos vegetais sob estresse fotoxidativo e termoxidativo por espectroscopia de UV e RMN de 1H. Journal of Chemical Information and Modeling, 2008.

YEN, G.C.; et al. Antioxidant and pro-oxidant effects of various tea extracts. Journal of Agricultural and Food Chemistry, Washington, DC, v. 45, n. 1, p. 30-34, Jan. 1997.

Publicado
2017-11-23
Como Citar
Silva, L. F., Silva, M. M., & Ribeiro, D. S. (2017). AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE OXIDATIVA DO ÓLEO DE SOJA ADICIONADO DE EXTRATOS DE BAGAÇO DE UVAS TINTAS. Revista Brasileira De Agrotecnologia, 7(2), 254-259. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBAGRO/article/view/5185
Seção
Artigos