A importância da orientação dos profissionais das equipes de saúde da família a cerca do uso da fitoterapia

  • Andressa Lacerda Nóbrega UFCG
  • Paula Taciana Dantas Ugulino
  • Danielle Ferreira Cajá
  • Antonia Elinaíde Ferreira Dantas
Palavras-chave: Fitoterapia. Orientação. Sáude da Família

Resumo

As plantas medicinais são definidas como aquelas capazes de produzir princípios ativos que possam alterar o funcionamento de órgãos e sistemas, restaurando o equilíbrio orgânico ou a homeostasia nos casos de enfermidades, assim como outras terapias, fazem parte da chamada Medicina Tradicional, a equipe de Saúde da Família deve atuar de maneira eficaz na orientação da adequada utilização dessa terapêutica complementar, tendo em vista a ampla utilização de plantas medicinais pela população que é atendida nas unidades de Saúde da Família. O objetivo desse estudo é avaliar a importância da orientação dos profissionais de saúde das equipes de saúde da família a cerca do uso da fitoterapia. A pesquisa se trata de um estudo bibliográfico realizado a partir da seleção de artigos, oriundos do banco de dados de Revistas e outras publicações literárias, datadas dos períodos de 2006 a 2014. Os resultados mostram que a utilização de plantas no tratamento de doenças e infecções é uma prática milenar, que continua sendo difundida na atualidade, e que no Brasil essa prática é reconhecida pela organização mundial de saúde, e pelo ministério da saúde, sendo regulamentada por lei, no entanto é importante o apoio e a orientação dos profissionais das equipes de saúde da familia, em especial do enfermeiro, sendo ele considerado uma peça chave nesse processo, pois estes mantém um maior vínculo com a população sendo conhecedor dos costumes e culturas em que a população está inserida.

The importance of professional orientation of family health teams a fence phytotherapy use

Abstract: Medicinal plants are defined as those capable of producing active ingredients that can alter the functioning of organs and systems, restoring organic balance or homeostasis in cases of illness, as well as other therapies are part of the so-called traditional medicine, the health team Family must act effectively in guiding the appropriate use of this complementary therapy, with a view to wider use of medicinal plants by the population that is served in the Family Health Units. The aim of this study is to evaluate the importance of guidance for health professionals of family health teams about the use of herbal medicine. The research is a bibliographical study from the selection of items, arising from the Journals Database and other literary publications, dating from the period 2006 to 2013. The results show that the use of plants to treat diseases and infections It is an ancient practice that is still widespread today, and that in Brazil this practice is recognized by the world health organization, and the ministry of health, being regulated by law, however it is important the support and guidance of professional teams health of the family, especially the nurse, it is considered a key player in this process, as they maintain a stronger link with the population being knowledgeable of customs and cultures where the population is located.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012, 156 p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/ miolo_CAP_31.pdf. Acesso em: 28 de agosto de 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: MS; 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. O SUS no seu município: Garantindo saúde para todos/Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Departamento de Apoio à Descentralização. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). A Fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisa de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. Brasília: Ministério da Saúde; 2006ª.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. A construção do SUS: histórico da reforma sanitária e do processo participativo. Brasília: MS; 2006c.

BRASIL. Portaria nº 971. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União 2006b; 4 maio.

BATISTA, L. M; VALENÇA, A. M. G. A fitoterapia no âmbito da atenção básica no SUS: realidades e perspectivas. Pesq Bras odontoped clin Integr. 2012; 12 (2): 293-96.

BRUNING, M. C. R.; MOSEGUI,G. B. G.; VIANNA, C. M. M. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu - Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2012; 17(10):2675-85.

BRASILEIRO, G. B; PIZZIOLO V. R., MATOS, D. S.; GERMANO, A. M.;

JAMAL, C. M. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, Governador Valadares-MG. Rev Bras Ciênc Farm. 2008; 44(4):630-6.

BARROS, N. F. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: uma ação de inclusão. Ciencias e Saude Coletiva, 2006; 11(3):850.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. da. Metodologia Científica. 6 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007

FRANÇA, I. S. X; SOUZA, J. A.; BAPTISTA, R. S.; BRITTO, V. R. S. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Rev Bras Enferm. 2008;61(2):201-8.

ISERHARD, A. R. M.; BUDÓ, M. L. D; NEVES, E. T.; BADKE, M. R. Práticas culturais de cuidados de mulheres mães de recém-nascido de risco do Sul do Brasil. Esc Anna Nery. 2009. Jan-Mar; 13(1):116-22.

KALLUF, L. J. H. Fitoterapia funcional: dos princípios ativos à prescrição de fitoterápicos. 1.ed. São Paulo: VP Editora, 2008. 304p.

KUREBAYASHI, L. F. S.; FREITAS, G. F.; OGUISSO, T. Enfermidades tratadas e tratáveis pela acupuntura segundo percepção de enfermeiras. Revista da Escola de Enfermagem, São Paulo, v. 43, n. 4, p.930-936, dez. 2009.

ROSA, R. L; BARCELOS, A. L. V; BAMPI, G. Investigação Do Uso De Plantas Medicinais No Tratamento De Indivíduos Com Diabetes Melito Na Cidade De Herval D’ Oeste. Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, V.14, N.2, P.306-310, 2012.

ROSA, C. D. A; CÂMARA, S. G; BÉRIA, J. U; Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde . Ciência & Saúde Coletiva, 16(1):311-318, 2011.

ROSA, W. A. G; LABATE, R. C. Programa Saúde da Família: a construção de um novo modelo de assistência. Rev Latinoam Enferm. 2005;13(6):1027-34.

SAMPAIO, L. A; OLIVEIRA, D. R.; KERNTOPF, M. R.; JÚNIOR, F. E. B; MENEZES, I. R. A. Percepção dos enfermeiros da estratégia saúde da família sobre o uso da fitoterapia. Monografia Apresentada ao Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Regional do Cariri (URCA), em 2011. Enfermeira. Universidade Regional do Cariri (URCA). Crato. 2011

SHU, Y. Z. Recent natural products based drug development: a pharmaceutical industry perspective. Journal of Natural Products, v.61, p.1053-71, 2005.

SILVA, Y. A.; SILVA, L. C.; OLIVEIRA, M. S. A. S.; PESSOA, T. R. R. F. Os Fitoterápicos na Atenção Básica: Atividade do PET-Saúde com Portadores de Doenças Crônicas não Transmissíveis. Revista brasileira de cências da Saúde 18(Sup.2):157-162, 2014.

SOUZA, I. M. C., VIEIRA, A. I. C. Serviços públicos de saúde e a medicina alternativa. Cien Saude Colet 2005; 10(Supl.):255-266.

SAFORCADA E. Perspectiva ecológico-sistémica de la salud. In: Saforcada E, Sarriera JC, organizadores. Enfoques conceptuales y técnicos em psicología comunitaria. Buenos Aires: Paidós; 2008. p. 49-74

TROVO, M. M.; SILVA, M. J. P.; LEÃO, E. R. Terapias alternativas/complementares no ensino público e privado: análise do conhecimento dos acadêmicos de enfermagem. Rev Latinoam Enferm. 2003;11(4):326-32.

TUROLLA, M. S. R.; NASCIMENTO, E. S. Informações toxicológicas de alguns fitoterapicos utilizados no Brasil. Rev Bras Cienc Farm. v.42, n.2. 2006

TESKE, M.; TRENTINI, A. M. Herbarium compêndio de fitoterapia. 4.ed. Curitiba: Herbarium Laboratório Botânico Ltda, 2001. 318p

Publicado
2017-01-01
Como Citar
Nóbrega, A. L., Ugulino, P. T. D., Cajá, D. F., & Dantas, A. E. F. (2017). A importância da orientação dos profissionais das equipes de saúde da família a cerca do uso da fitoterapia. Revista Brasileira De Educação E Saúde, 7(1), 43 - 48. https://doi.org/10.18378/rebes.v7i1.3768
Seção
Revisão

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>