Ação tóxica de Manihot glaziovii Muell. Arg. sobre Apis mellifera L.

  • Francivaldo Marcio Pereira UFCG
  • Delzuite Teles Leite UFCG
  • Roberto Barbosa Sampaio UFRB
  • Cátia Ionara Santos Lucas UFRB
  • Patrício Borges Maracajá UFCG

Abstract

As Apis mellifera, são polinizadores de diversas espécies de vegetais, contribuindo com eficiência na reprodução de várias culturas de interesse econômico, sendo a florada necessária para sua sobrevivência, porem certas plantas podem conter substâncias tóxicas para esses indivíduos. Nesse sentido o objetivo foi avaliar o possível efeito tóxico de flores de Manihot glaziowii para abelhas Apis mellifera. O experimento foi conduzido no Laboratório de Abelhas e Nutrição Animal da Universidade Federal de Campina Grande em Pombal-PB. As flores de M. glaziovii foram coletadas no sitio Bom Jesus localizado no Município de Pombal-PB transportadas para o laboratório e postas para secar em estufa a 40 °C durante 48 horas, trituradas e peneiradas, pesado em três concentrações distintas (0,25%, 0,50% e 1,0%) com relação ao peso do cândi. O macerado das flores foi misturado ao cândi e colocadas em recipientes de plásticos de 10 ml.  As abelhas foram selecionadas no favo de cria, recém-emergidas, pelo tamanho e coloração mais clara, e conduzidas para o laboratório.  Distribuídas em conjunto de 20 insetos em caixa de madeira, medindo 11 cm de comprimento X 11 de largura e 7 cm de altura e orifícios nas laterais. Em cada caixa foram colocados dois recipientes de plástico de 10 mL com a dieta contaminada e um chumaço de algodão embebido com água. Acondicionadas em câmara tipo B.O.D. com temperatura a 32º C e umidade relativa de 70 %. O experimento foi realizado no delineamento inteiramente casualisado, composto por três tratamentos (0,25%, 0,50% e 1,0%) e uma testemunha, com três repetições. A contagem de operárias mortas ocorreu vinte e quatro horas após aplicação dos tratamentos. Os dados foram passados para o programa PRISMA 3.0, para análises dos dados utilizou-se o teste não-paramétrico Log Rank Test, na comparação das curvas de sobrevivência. O macerado das flores de M. glaziovii apresentaram toxicidade à A. mellifera nas concentrações 0,25 %, 0,50 % e 1,00 %, sobretudo a concentração 1,00 %.

Downloads

Download data is not yet available.
Published
2014-06-12
How to Cite
PEREIRA, F. M.; LEITE, D. T.; SAMPAIO, R. B.; SANTOS LUCAS, C. I.; MARACAJÁ, P. B. Ação tóxica de Manihot glaziovii Muell. Arg. sobre Apis mellifera L. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 9, n. 2, p. 139 -143, 12 Jun. 2014.
Section
ARTICLES