Interstate market of charcoal in Tocantins state

Authors

DOI:

https://doi.org/10.18378/rvads.v14i2.6351

Keywords:

Cerrado, Wood fuel, Consumption, Reforestation.

Abstract

The production of charcoal deriving from native forests has been putting pressure on different biomes, mainly the Cerrado one, where the vegetation has been devastated to supply charcoal mining companies focused on Brazilian steel plants. Forest replenishment is an environmental management tool used to reduce pressure on natural resources, through reforestation. Data on the production of charcoal allow stipulating the amount of original forest replenishment credits to offset the use of natural resources. The objective of this work was to the current charcoal production scenario and the main consumers of charcoal deriving from native forests in Tocantins State. Forest Origin Documents regarding the period from 2009 to 2016 were provided by the Brazilian Institute of Environment and Renewable Natural Resources (IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) and used as data sources. Data were inserted in a spreadsheet and subjected to descriptive statistics. Values stipulated in Resolution n°. 28, of November 22, 2011, of the State Environmental Council of Tocantins (COEMA-TO - Conselho Estadual do Meio Ambiente do Tocantins), were used to convert the amount of charcoal produced in areas of planted forests originated from forest replenishment. Tocantins State presented a scenario of constant native charcoal production increase. The annual mean production was 546,071.3 mdc (meters of charcoal) from 2009 to 2013 and it decreased to 145,128 mdc from 2014 to 2016. The main destination was Minas Gerais State, which consumed 77.01% of its production from 2009 to 2016.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Jader Nunes Cachoeira, Universidade Federal do Paraná

Mestre em Ciências Florestais e Ambientais pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Doutorando na linha de pesquisa Conservação da Natureza na UFPR.

Allan Deyvid Pereira da Silva, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Tecnologia Agroindustrial pela Universidade do Estado do Pará (2012) e Geografia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (2012). Tem experiência na área de processos agroindustriais. Possui pós-graduação lato senso em Controle de Qualidade de Alimentos. Possui mestrado acadêmico em Ciências Florestais e Ambientais pela Universidade Federal do Tocantins. Tem experiência na área de uso do fogo pelos povos indígenas do Tocantins. Cursando doutorado em Engenharia Florestal (linha de pesquisa: Conservação da Natureza), pela Universidade Federal do Paraná.

Lawrence Nóbrega de Oliveira, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal. Durante a graduação trabalhou como bolsista no projeto de extensão: "Manejo Florestal no município de São João DAliança-GO"(1260 horas). Entre os anos de 2002 e 2006 trabalhou como diretor da empresa MultiAmbiental Engenharia e Consultoria, atuando na parte de licenciamento ambiental, silvicultura e recuperação de áreas degradadas.Analista ambiental do IBAMA desde Fev/2006, com inúmeros trabalhos em vistorias de empreendimentos florestais, industriais, com ênfase em licenciamentos ambientais, planos de manejo de florestas plantadas e nativas, fiscalização ambiental, perícia em incêndios florestais e na administração pública. Possui certificação em Georreferenciamento de imóveis rurais. Foi Chefe do Escritório Regional do IBAMA em Gurupi-TO, pelo período de fev/2009 a set/2013 e entre setembro de 2014 ao presente momento. Desde 2012 compõe a equipe de pesquisas na área de incêndios florestais na UFT - Universidade Federal do Tocantins (http://cemaf.org/). Concluiu o Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais em 2015 na UFT. Possui experiência em sistemas de sensoriamento remoto e SIG. Atualmente está lotado no Prevfogo/IBAMA/Sede, no NPM - Núcleo de Pesquisas e Monitoramento, aonde desenvolve trabalhos técnicos relacionados ao Manejo Integado do Fogo-MIF, nas áreas de terras indígeas e quilombolas.

Eduardo Ganassoli Neto, Universidade Federal do Paraná

Engenheiro Florestal pela Universidade Federal do Tocantins, atualmente mestrando em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná- UFPR. Presidente do Centro Acadêmico do curso de Engenharia Florestal - UFT nos períodos 2012-2013 e 2013-2014. Membro da Comissão Própria de Avaliação/CPA da Universidade Federal do Tocantins no período 2012-2014. Bolsista como estagiário não obrigatório do curso de Química modalidade EaD da UFT. Iniciação Cientifica na Universidade Federal do Tocantins na área de Propriedades Físicas do Solo. Experiencia e participação em projetos de Plano Operativo de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais no Estado do Tocantins. Estágio obrigatório na empresa PALMASOLA S/A MADEIRAS E AGRICULTURA. Atualmente integra Centro de Monitoramento Ambiental e Manejo do Fogo - CeMAF.

Marcos Giongo, Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná (2002) e mestrado em Engenharia Florestal (Manejo Florestal) pela Universidade Federal do Paraná (2006), doutorado em Ciências Florestais pela Universidade Federal do Paraná (2010), doutorado em Ambiente e Território pela Università degli Studi del Molise (UNIMOL) - Itália. Atualmente é professor da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e Coordenador do Centro de Monitoramento Ambiental e Manejo do Fogo (CeMAF). Tem experiência em projetos de pesquisas nacionais e internacionais nas áreas de inventário florestal, incêndios florestais, manejo florestal e sensoriamento remoto aplicada aos recursos naturais.

Antonio Carlos Batista, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação (1979), mestrado (1984) e doutorado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná (1995). Atualmente é professor titular da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Proteção Florestal e Meteorologia e Climatologia florestal, atuando principalmente nos seguintes temas: prevenção e combate a incêndios florestais, comportamento do fogo, efeitos do fogo, queimas controladas, microclima, clima urbano e interface urbano-rural (WUI). É professor orientador do programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal da Universidade Federal do Paraná e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais e Ambientais da Universidade Federal de Tocantins. É um dos líderes do grupo de Pesquisa Ecologia, Controle e uso do fogo do CNPq. Foi consultor internacional da FAO e da agência GIZ para projetos sobre Controle de Incêndios Florestais em Cuba (FAO, 2000) Guatemala (FAO, 2004), e Moçambique (GIZ, 2006). Publicou mais de 100 artigos científicos em periódicos nacionais e internacionais, 200 trabalhos em congressos nacionais e internacionais. É co-autor de 8 livros e 12 capítulos de livros. Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal da Universidade Federal do Paraná no período de julho de 2011 a junho 2015. Desde abril de 2016 é editor chefe da Revista Floresta.

References

ABRAF, Associação Brasileira de Produtores de Floresta Plantada. Anuário Estatístico da ABRAF 2013 ano base 2012. Brasília, 2013, 142 p.

AMS, Associação Mineira de Silvicultura. Florestas plantadas – um caminho para um desenvolvimento sustentável. Belo Horizonte, 2012.

AVILA FILHO, B. M. Levantamento dos níveis de produção de aço e ferro-gusa, cenário em 2020. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2014, 63 p.

BRASIL. Planalto. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 20 mar. 2017.

BRASIL. Decreto nº 5.975, de 30 de novembro de 2006. Regulamenta os arts. 12, parte final, 15, 16, 19, 20 e 21 da Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, o art. 4o, inciso III, da Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, o art. 2o da Lei no 10.650, de 16 de abril de 2003, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5975.htm>. Acesso em: 20 mar. 2017.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Balanço Energético Nacional: 2008. Disponível em: <http://www.mme.gov.br/mme/menu/todas_publicacoes.html>. Acesso em: 20 mai. 2015.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Balanço Energético Nacional: 2009. Disponível em: <http://www.mme.gov.br/mme/menu/todas_publicacoes.html>. Acesso em: 21 mai. 2016.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Balanço Energético Nacional: 2010. Disponível em: <http://www.mme.gov.br/mme/menu/todas_publicacoes.html>. Acesso em: 21 mai. 2016.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Balanço Energético Nacional: 2011. Disponível em: <http://www.mme.gov.br/mme/menu/todas_publicacoes.html>. Acesso em: 20 fev. 2017.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Balanço Energético Nacional: 2015. Disponível em: <http://www.mme.gov.br/mme/menu/todas_publicacoes.html>. Acesso em: 12 abr. 2017.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Balanço Energético Nacional: 2016. Disponível em: <http://www.mme.gov.br/mme/menu/todas_publicacoes.html>. Acesso em: 12 abr. 2017.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Anuário Estatístico do Setor Metalúrgico: 2016. Disponível em: <http://www.mme.gov.br/web/guest/secretarias/geologia-mineracao-e-transformacao-mineral/publicacoes>. Acesso em: 10 abr. 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Instrução Normativa nº 6, de 15 de dezembro de 2006. Dispõe sobre a reposição florestal e o consumo de matéria-prima florestal, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.ibama.gov.br/documentos-recursos-pesqueiros/instrucao-normativa >. Acesso em: 22 mai. 2015.

BRITO, J. O.; SILVA, F. G.; LEÃO, M. M.; ALMEIDA, G. Chemical composition changes in eucalyptus and pinus woods submitted to heat treatment. Bioresource technology, v.99, n.18, p.8545-8548, 2008. 10.1016/j.biortech.2008.03.069.

CAMIOTO, F. C.; REBELATTO, D. A. N. Análise da contribuição ambiental por meio da alteração da matriz energética do setor brasileiro de ferro-gusa e aço. Gestão e Produção, v.21, n.4, p.732-744, 2014.

CARVALHO, P. S. L.; MESQUITA, P. P. D.; ARAÚJO, E. D. G. Sustentabilidade da siderurgia brasileira: eficiência energética, emissões e competitividade. BNDES Setorial, 41, 2015, p.181-236.

CGEE, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Modernização da produção de carvão vegetal no Brasil: subsídios para revisão do Plano Siderurgia. Brasília: DF, 2015, 154 p.

CHAGAS, R. C. M. Em busca da sustentabilidade: reflorestamento versus floresta nativa como fonte de carvão vegetal para a guserias ao longo da estrada de ferro Carajás. 2011. 112 f. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Pará, Belém. 2011.

COSTA, M. S. P. Poder local em Tocantins: domínio e legitimidade em Arraias. 2008. 276 f. Tese (Doutorado em Sociologia) Universidade Nacional de Brasília, Brasília. 2008.

FAO, Food and Agriculture Organization of the United Nations. FAOSTAT. Forestry Production and Trade 2017. Disponível: < http://www.fao.org/faostat/en/#data/FO>. Acesso em: 15/05/2018.

FISCHER, A. Incentivos em programas de fomento florestal na indústria de celulose. 2007. 269 f. Tese (Doutorado em Administração) Universidade de São Paulo, São Paulo. 2007.

IBÁ, Indústria Brasileira de Árvores. Anuário Estatístico da IBÁ 2015 - Ano Base 2014. 2015. Disponível em: <http://www.ipef.br/estatisticas/relatorios/anuario-iba_2015.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2017.

IBÁ, Indústria Brasileira de Árvores. Relatório Anual 2016 - Ano Base 2015. 2016. Disponível em: <http://iba.org/images/shared/Biblioteca/IBA_RelatorioAnual2016_.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2017.

IEF, Instituto Estadual de Florestas. Relatório do Consumo de Produtos e Subprodutos Florestais – Grandes Consumidores 2014. Disponível em: <http://www.ief.mg.gov.br/images/stories/2015_ARQUIVOS/AREAS_PROTEGIDAS/DOCUMENTOS/Consumo_anual_2014.xlsx>. Acesso em: 25 mai. 2017.

IEF, Instituto Estadual de Florestas. Relatório do Consumo de Produtos e Subprodutos Florestais – Grandes Consumidores 2015. Disponível em: < http://www.ief.mg.gov.br/images/stories/2016/IEF/1Grandes_Consumidores_2015.pdf>. Acesso em: 25 mai. 2017.

IABr, Instituto Aço Brasil. Relatório de sustentabilidade 2013. 2013. Disponível em: <http://www.acobrasil.org.br/site/portugues/sustentabilidade/downloads/relatorio_sustentabilidade_2013v3.pdf>. Acesso em: 21 mai. 2016.

IABr, Instituto Aço Brasil. Relatório de sustentabilidade 2013. Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: < http://www.acobrasil.org.br/site/portugues/sustentabilidade/downloads/resultados-protocolo.pdf>. Acesso em: 25 mar. 2017.

IABr, Instituto Aço Brasil. Relatório de sustentabilidade 2013. Relatório de sustentabilidade 2016. 2016. Disponível em: < http://www.acobrasil.org.br/sustentabilidade/>. Acesso em: 21 fev. 2017.

IABr, Instituto Aço Brasil. Relatório de sustentabilidade 2013. Relatório de sustentabilidade 2014. 2014. Disponível em: <http://www.acobrasil.org.br/site/portugues/biblioteca/Relatorio%20de%20Sustentabilidade_2014_web.pdf>. Acesso em: 21 fev. 2017.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Biomas brasileiros e localidades. 2007. Disponível em <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/default_prod.shtm#MAPAS>. Acesso em: 10 set. 2015.

IBAMA, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. DOF: informação estratégica para a gestão florestal, período 2007 – 2009. Brasília, DF, 2010.

INSTITUTO ETHOS. Combate à devastação ambiental e ao trabalho escravo na produção do ferro e do aço. 1. ed. São Paulo: Ed. Fundação Avina, 2012, 135 p.

LOPES, G. A.; BRITO, J. O.; DE MOURA, L. F. Uso energético de resíduos madeireiros na produção de cerâmicas no estado de São Paulo. Ciência Florestal, v.26, n.2, 2016.

MESQUITA, P. P. D.; CARVALHO, P. S. L.; OGANDO, L. D. Desenvolvimento e inovação em mineração e metais. BNDES Setorial, 43, 2016, p.325-361.

MINAS GERAIS (Estado). Lei nº 20.922, de 16 de outubro de 2013. Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado. Imprensa Oficial Governo do Estado de Minas Gerais, Caderno 1 – Diário do Executivo, Belo Horizonte, MG, 17 out. 2013, n. 195.

MONTEIRO, M. A. Em busca de carvão vegetal barato: o deslocamento de siderúrgica para Amazônia. Novos cadernos NAEA, v.9, n.2, 2006. 10.5801/ncn.v9i2.67.

OECD. Excess Capacity in the Global Steel Industry and the Implications of New Investment Projects. OECD Science, Technology and Industry Policy Papers, n. 18, OECD Publishing, Paris, 2015.

OLIVEIRA, J. C.; SPERB, A. F. N. Analysis of the evolution of the concentration in the Brazilian steel industry among the years of 1991 and 2013. Estudos do CEPE, n.43, p.84-100, 2016.

QUARESMA, L. F. Desenvolvimento de estudos para elaboração do plano Duodecenal (2010-2030) de geologia, Mineração e Transformação Mineral. Produto 33: Cadeia do Ferro-Gusa. Ministério de Minas e Energia, 2009, 58 p.

REZENDE, J. B.; SANTOS, A. C. A cadeia produtiva do carvão vegetal em Minas Gerais: pontos críticos e potencialidades. U.R. EPAMIG ZM, 2010, 80 p.

SABBAG, S. C. Reposição florestal: caminho para o desenvolvimento sustentável da silvicultura tropical. 2011. 159 f. Dissertação (Mestrado), Universidade de Brasília, Brasília. 2011.

SANTOS, S. F. O. M.; HATAKEYAMA, K. Processo sustentável de produção de carvão vegetal quanto aos aspectos: ambiental, econômico, social e cultural. Production Journal, v.22, n.2, p.309-321, 2012. 10.1590/S0103-65132012005000010.

SBS, Sociedade Brasileira de Silvicultura. Fatos e Números do Brasil Florestal 2006. Disponível em <http://www.sbs.org.br>. Acesso em: 22 mai. 2017.

SCHERER, W. G. S. Levantamento dos níveis de produção de aço e ferro-gusa, cenário em 2020: Ênfase: uso da energia gerada na combustão dos gases da carbonização. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2014, 33 p.

SILVA, C. M. Reposição florestal: estudo de caso no Estado de São Paulo. 2010. 39 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica. 2010.

SINDIFER, Sindicato da Indústria do Ferro no Estado de Minas Gerais. Anuário 2015. 2015. Disponível em: <http://www.sindifer.com.br/institucional/anuario/anuario_2015.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2017.

SOUZA, G. M.; MATRICARDI, E. A. T. Mapeamento do uso e ocupação do solo nos anos 2000, 2005 e 2010 no município de Arraias, bacia do rio Paranã, Tocantins, Brasil, com dados de sensoriamento remoto. In: XV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 2011. Anais... Curitiba, PR: INPE p.6450.

TOCANTINS (Estado). Conselho Estadual do Meio Ambiente. Resolução nº 53, de 05 de novembro de 2014. Dispõe sobre a atividade de silvicultura em áreas convertidas, reposição florestal, concessão de créditos e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Tocantins, Poder Executivo, Palmas, TO, 14 nov. 2014, n. 4.256.

TOCANTINS (Estado). Plano de Ação para prevenção e controle do desmatamento e queimadas do Estado do Tocantins. Brasília, DF, 2009. 107 p.

TOCANTINS (Estado). Estudo da Dinâmica da Cobertura e Uso da Terra no Estado do Tocantins 1990/2000/2005/2007. BORGES, R.S.T. (Org.). Palmas, TO: SEPLAN, 2012. 264 p.

TOCANTINS (Estado). Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Tocantins. REFORMULAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE FLORESTAS E ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE FLORESTAS DO TOCANTINS (PEF/TO) – PRODUTO 11 – RELATÓRIO TÉCNICO FINAL. Palmas: TO, 2014, 175 p.

UHLIG, A.; GOLDEMBERG, J.; COELHO, S. T. O uso de carvão vegetal na indústria siderúrgica brasileira e o impacto sobre as mudanças climáticas. Revista Brasileira de Energia, São Paulo, vol.14, p.67-85, 2008.

VITAL, M. H. F.; PINTO, M. A. C. Condições para a sustentabilidade da produção de carvão vegetal para fabricação de ferro-gusa no Brasil. BNDES Setorial, 30, 2011, p. 237-297.

Published

01-04-2019

How to Cite

CACHOEIRA, J. N.; SILVA, A. D. P. da; OLIVEIRA, L. N. de; GANASSOLI NETO, E.; GIONGO, M.; BATISTA, A. C. Interstate market of charcoal in Tocantins state. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 258–265, 2019. DOI: 10.18378/rvads.v14i2.6351. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/6351. Acesso em: 29 may. 2024.

Issue

Section

INTERDISCIPLINARY

Most read articles by the same author(s)