Uma rede de inter-relações no pensamento de Hannah Arendt e suas contribuições para a educação

  • Jaciel Rossa Valente Graduando pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Resumo

: o presente artigo aborda a rede de inter-relações no pensamento da filosofa política Hannah Arendt. A problemática em questão: “como a inter-relação entre os conceitos fundamentais de Arendt, essencialmente, o de vita activa, contribui para repensar a educação no tempo hodierno?” Objetivamos primordialmente analisar o grau de intensidade das atividades humanas reduzidas à habilidade de animal laborans  tornaram-se contribuintes à supressão da liberdade e da ação nos tempos hodiernos. Como verificar os conceitos de política, ação, liberdade e vita activa, utilizados por Hannah Arendt para refletir acerca da pertinência do complexo vita activa para educação na atualidade. Empregamos neste itinerário investigativo a metodologia de revisão bibliográfica temática e construções de mapas conceituais. Despontaram-se no horizonte investigativo, diversas discussões de aspectos sociais de níveis globais que se refletem na educação, estabelecendo uma tríplice interligação entre a filosofia, educação e política. Destarte, o texto se encontra subdividido em três eixos essenciais: primeiro no debate acerca do pensamento arendtiano, segundo o embate entre animal laborans e vita activa e o terceiro, acerca da pertinência das ideias de Hannah Arendt para a educação. Impeliu-nos em cada eixo, um ponto axial, todavia, os três se interligam no complexo de Hannah Arendt, tanto para pensar questões sociais globais da atualidade, quanto para repensar o atual ensino brasileiro. Evidenciamos a ação como mantedora da vita activa e a ascensão do animal laborans como contribuinte para o fortalecimento das vertentes individualistas, consumistas, de mundo online, pobreza e da crise mundial dos refugiados, bem como o pensamento de engajamento social de Hannah Arendt para repensar a educação, pautada na diogicidade e na criticidade

Referências

ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, 2009.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011a.

________________. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. 6. ed. Trad. Cesar Augusto R. de Almeida, Antônio Abranches e Helena franco Martins. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

________________. Entre o passado e o futuro. Trad. de Mauro W. Barbosa. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001.

________________. O que é política? Trad. de Reinaldo Guarany. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

________________. Sobre a revolução. Trad. de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2011b.

________________. Sobre a violência. 2 ed. Trad. de André de Macedo Duarte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

ARISTÓTELES. Política: texto integral. 5. ed. São Paulo: Martin Claret, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Estranhos à nossa porta. 1. ed. Trad. de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

_________________. Tempos Líquidos. Trad. de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

_________________. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Trad. de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BORGES, Valdir. A reconstrução de uma ética pedagógica libertadora à luz de Paulo Freire. 1.ed. Curitiba: CRV, 2013.

COELHO, Lívia Dias. Procedimentos de ensino: um movimento entre a teoria e a prática pedagógica. 2. ed. Curitiba: Champagnat, 2013.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1980.

_____________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

______________. Pedagogia do Oprimido. 42.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

KARNAL, L. (Org.). História na Sala de Aula: conceitos, práticas e propostas. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986.

SAMPAR, Rene E; FACHIN, Zulmar. Poder e liberdade em Hannah Arendt. In: Argumenta Journal Law, n. 24, pp. 63-74, jun. 2016. Disponível em: http://seer.uenp.edu.br/index.php/argumenta/article/download/745/pdf. Acesso em: 22 mar. 2019.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2007

SILVA, Marcos Luiz da. A ideia de espaço público em Hannah Arendt. In: Cadernos Zygmunt Bauman, v.7, n.13, p. 117-133, 2017. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/bauman/article/view/7348. Acesso em: 11 nov. 2018.

TAVARES, Romero. Construindo Mapas conceituais. In: Ciências e cognição. v. 12, p. 72-85, Dez. 2007. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/pdf/v12/m347187.pdf. Acesso em: 14 mar. 2019.

TORRES, Ana Paula Repolês. O sentido da política em Hannah Arendt. In: Trans/Form/Ação, v. 30, n. 2, p. 235-246, Dez. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/trans/v30n2/a15v30n2.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

VASCONCELLOS, Celso dos S. Metodologia Dialética em Sala de Aula. In: Revista de Educação AEC. Brasília: abril de 1992 (n.83). Disponível em: http://www.celsovasconcellos.com.br/Textos/MDSA-AEC.pdf. Acesso em: 27 mai. 2019.

Publicado
2020-07-29
Como Citar
Valente, J. R. (2020). Uma rede de inter-relações no pensamento de Hannah Arendt e suas contribuições para a educação. Revista Brasileira De Filosofia E História, 9(1), 87-101. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBFH/article/view/8056
Seção
Artigos