Hygienic-sanitary diagnosis and corrective measures in the processing of cassava flour

Keywords: Flour house, Family farming, Quality tool, Action plan

Abstract

During cassava processing and obtaining its derivatives, the occurrence of critical factors that can compromise the quality and safety of the food is observed. Thus, the objective was to carry out the hygienic-sanitary diagnosis of a flour mill and propose improvements through the elaboration of an action plan. For this, the Good Manufacturing Practices checklist was applied, with modifications, and the sanitary panorama was elaborated through the adequacy percentage calculation. The action plan was prepared with recommendations for improvements to the establishment. Based on the checklist, the project was classified in group 3, as it presented 22.03% of compliance with the items. Block 5 (documentation) and block 3 (manipulators) had the lowest levels of compliance. The action plan elaborated mainly includes modifications related to the infrastructure of the production site, training of handlers and documentation of the project. Thus, the implementation of the suggested improvements and adoption of Good Manufacturing Practices during the processing of cassava flour will promote adequate conditions for manufacturing, providing a quality product and, therefore, safe for consumption.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Rayssa Silva dos Santos, Universidade do Estado do Pará, Cametá

Graduação em Tecnologia de Alimentos pela Universidade do Estado do Pará. Especialista em Gestão da Qualidade na Indústria de Alimentos pela Universidade do Estado do Pará. Mestranda em Desenvolvimento Rural e Gestão de Empreendimentos Agroalimentares no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará. Possui experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos.

Adriano César Calandrini Braga, Universidade do Estado do Pará, Castanhal

Graduação em Engenharia de Alimentos pela Universidade Federal do Pará (2005), Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Pará (2007) e Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa (2014). Atualmente é professor Assistente IV do Departamento de Tecnologia de Alimentos (DETA) da Universidade do Estado do Pará (UEPA), atuando na Graduação no curso de Tecnologia em Alimentos e nos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu em Segurança Alimentar e Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos (Campus XX/Castanhal) e Gestão da Qualidade na Indústria de Alimentos (Campus XVIII/Cametá). Possui experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Ciência e Tecnologia de produtos de origem animal e vegetal, controle de qualidade, aproveitamento de resíduos, medidas de propriedades reológicas de alimentos e Análise Sensorial, atuando em estudos de métodos descritivos com consumidores.

Elaine Lopes Figueiredo, Universidade do Estado do Pará, Belém

Graduação em Tecnologia Agroindustrial - Ênfase em Alimentos, pela Universidade do Estado do Pará (2002), Mestrado em Ciência Animal - Produção Animal pela Universidade Federal do Pará (2006) e Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa (2014). Atualmente é professora efetiva Assistente IV da Universidade do Estado do Pará. Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Microbiologia de Alimentos e Higiene de Alimentos. 

Natácia da Silva e Silva, Universidade do Estado do Pará, Cametá

Graduada em Tecnologia Agroindustrial pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) no ano de 2009. Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos (2012) e Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Pará (2017). Atualmente é professora Assistente III do Departamento de Tecnologia de Alimentos (DETA) da Universidade do Estado do Pará (UEPA). Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos. É coordenadora e membro de projetos de pesquisa e extensão, coordenadora do curso de especialização em Gestão da Qualidade na indústria de Alimentos e coordenadora do Campus Universitário da UEPA/Cametá. Atua nas áreas de pescado, produção de gelatina, formação de filme biodegradável de pescado e certificação de produtos da agricultura familiar. 

Lícia Amazonas Calandrini Braga, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará, Castanhal

Atua principalmente nos seguintes temas: análise reológica de alimentos, tecnologia de óleos e gorduras, tecnologia pós-colheita de frutas e hortaliças e tecnologia de novos produtos alimentícios. Possui graduação em Engenharia de Alimentos (UFPA/2006), mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos (UFPA/2008) e doutorado em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido em Mossoró-RN (UFERSA/2016).

References

AGUIAR, J. Sistemas de cultivo e conservação da diversidade da mandioca em duas comunidades ribeirinhas do rio Solimões, Amazonas, Brasil. Dissertação, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2010, 142p.

ALVARENGA, A. L. B.; ALVARENGA, M. B.; GOMES, C. A. O.; NASCIMENTO NETO, F. Princípios das Boas Práticas de Fabricação: requisitos para a implementação de agroindústria de agricultores familiares. In: NASCIMENTO NETO, F. (ed.). Recomendações básicas para a aplicação das Boas Práticas Agropecuárias e de Fabricação na agricultura familiar. Brasília: Embrapa, 2006, p. 15-56.

APOLINÁRIO, J. R. Sabores, saberes e o “pão dos trópicos”: contatos interétnicos entre indígenas e colonizadores a partir da circulação e uso da mandioca. Revista Patrimônio e Memória, 15(1): 28-46, 2019.

BARROS JÚNIOR, A. P.; SOUZA, W. M.; ARAÚJO, M. S. B. Desenvolvimento e políticas públicas em unidades de produção de farinha de mandioca. Revista Gaia Scientia, 10(3): 26-35, 2016. https://doi.org/10.21707/gs.v10.n03a04.

BARROS JÚNIOR, A. P.; SOUZA, W. M.; ARAÚJO, M. S. B. Vulnerabilidades, trabalhadores e casas de farinha: cenário de riscos no agreste pernambucano. Revista Gaia Scientia, 12(3): 94-108, 2018. https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2018v12n3.31338.

BERWANGER, A. Estudos sobre a cadeia produtiva da mandioca. Revista Educação Ambiental em Ação, 1(63): 1-12, 2018.

BONFIM, D. L.; DIAS, V. L. N.; KUROZAWA, L. E. Perfil higiênico-sanitário das unidades de processamento da farinha de mandioca em municípios da microrregião de Imperatriz, MA. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, 15(4): 413-423, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria n° 326, de 30 de julho de 1997a. Aprova o Regulamento Técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos. Diário Oficial da União, 1997. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/svs1/1997/prt0326_30_07_1997.html> Acessado em: 16 Jul 2021.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Gabinete do Ministro. Portaria n° 368, de 4 de setembro de 1997b. Aprova o Regulamento Técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos elaboradores/industrializadores de alimentos. Diário Oficial da União, 1997. Disponível em: <https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-animal/empresario/Portaria_368.1997.pdf/view> Acessado em: 16 Jul 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC n° 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial da União, 2002. Disponível em: <https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/legislacao-1/biblioteca-de-normas-vinhos-e-bebidas/resolucao-rdc-no-275-de-21-de-outubro-de-2002.pdf/view> Acessado em: 07 Jun 2021.

CARDOSO FILHO, N.; SILVA, L. A.; LIMA, C. A.; ARANDIA, G. O. A. Caracterização da farinha de mandioca comercializada no mercado municipal em Campo Grande-MS. Revista Ensaios e Ciência ciências biológicas, agrárias e da Saúde, 16(5): 57-68, 2012.

CASTIGLIONI, G. L.; SILVA, F. A.; CALIARI, M.; SOARES JÚNIOR, M. S. Modelagem matemática do processo de secagem da massa fibrosa de mandioca. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 17(9): 987-994, 2013. https://doi.org/10.1590/S1415-43662013000900012.

CORRÊA, A. Q. I. Perfil sanitário, social, econômico e ambiental de casas de farinha de mandioca no Planalto Santareno-PA. Dissertação, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, 2019, 88p.

GOUVEIA, N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, 17(6): 1503-1510, 2012. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000600014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores IBGE: Levantamento sistemático da produção agrícola e Estatística da produção agrícola. Brasília: IBGE, 2019, 148p.

JURAN, J. M. A qualidade desde o projeto: os novos passos para o planejamento da qualidade em produtos e serviços. 1ed. São Paulo: Cengage Learnig, 2009, 558p.

LIMA JÚNIOR, S. F.; CRUZ, J. F.; MOTA, L. H. S. O.; SOUZA, C. B. C. Perfil das casas de farinha do Projeto de Assentamento Narciso Assunção no município de Cruzeiro do Sul, Acre. Revista Sítio Novo, 1(1): 203-220, 2017. http://dx.doi.org/10.47236/2594-7036.2017.v1.i0.203-220p.

MEDEIROS, M. G. G. A.; CARVALHO, L. R.; FRANCO, R. M. Percepção sobre a higiene dos manipuladores de alimentos e perfil microbiológico em restaurante universitário. Ciência & Saúde Coletiva, 22(2): 383-392, 2017. https://doi.org/10.1590/1413-81232017222.17282015.

OLIVEIRA, L. L. Perfil higiênico-sanitário das unidades de processamento da farinha de mandioca (Manihot esculenta Crantz) na região sudoeste da Bahia. Dissertação, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga, 2008, 85p.

PARÁ. Governo do Estado do Pará. Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará. Lei n° 7.565, de 25 de outubro de 2011. Dispõe sobre as normas para licenciamento de estabelecimentos processadores, registro e comercialização de produtos artesanais comestíveis de origem animal e vegetal do estado no Pará, e dá outras providências. Diário Oficial do Estado, 2011. Disponível em: < http://www.adepara.pa.gov.br/sites/default/files/LEI%20N%C2%BA%207.565-2011_0_0.pdf> Acessado em: 16 Jul 2021.

PARÁ. Governo do Estado do Pará. Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará. Decreto n° 1.380, de 3 de setembro de 2015. Regulamenta a Lei nº 7.565, de 25 de outubro de 2011, que dispõe sobre as normas para licenciamento de estabelecimentos processadores, registro e comercialização de produtos artesanais comestíveis de origem animal e vegetal no Estado do Pará e dá outras providências. Diário Oficial do Estado, 2015. Disponível em: < http://www.adepara.pa.gov.br/sites/default/files/DECRETO%20N%C2%BA%201380%2C%20de%2003%20de%20setembro%20de%202015.pdf> Acessado em: Acessado em: 07 Jun 2021.

RIES, A. L. K. Proposta de gestão orçamentária compartilhada a partir dos resultados efetivos da avaliação externa: um estudo de caso no CE-UFSM. Dissertação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2017, 152p.

SANTOS, E. L. M.; RODRIGUES, A. E. N.; RIBEIRO, D. S. Perfil higiênico-sanitário das unidades processadoras da farinha de mandioca em municípios da microrregião de Garanhus-PE. Revista Brasileira de Agrotecnologia, 5(1): 29-34, 2015.

SANTOS, T. G. Condições higiênico-sanitárias de casas de farinha do município de Campo do Brito/SE. Monografia, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe, São Cristóvão, 2017, 52p.

SILVA, I. R. C. O saber-fazer farinha de mandioca: a tradição no processo produtivo em Nazaré, BA. Cadernos de Prospecção, 8(2): 365-374, 2015. http://dx.doi.org/10.9771/s.cprosp.2015.008.041.

SILVA, A. R. Manejo e conservação do solo. In: MODESTO JÚNIOR, M. S.; ALVES, R. N. B. (eds.). Cultura da mandioca: Apostila. Belém: Embrapa, 2014, p. 29-44.

SILVA, W. R.; SILVA, M. R.; PIRES, T. B. O uso sustentável e a qualidade da água na produção animal. Revista Eletrônica Nutritime, 11(5): 3617-3636, 2014.

SILVA, C. M. A produção artesanal e agricultura familiar de Várzea Grande/MT. Dissertação, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2010, 134p.

SOUZA, F. V. A. Boas práticas de fabricação em pequenas agroindústrias processadoras de mandioca do nordeste paraense. Dissertação, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará, Castanhal, 2019, 130p.

SOUZA, F. V. A.; RIBEIRO, S. C. A.; SILVA, F. L.; TEODÓSIO, A. E. M. M. Resíduos de mandioca em agroindústrias familiares no nordeste do Pará. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 14(1): 92-98, 2019. https://doi.org/10.18378/rvads.v14i1.6006.

Published
2021-07-01
How to Cite
SANTOS, R. S. DOS; BRAGA, A. C. C.; FIGUEIREDO, E. L.; SILVA, N. DA S. E; BRAGA, L. A. C. Hygienic-sanitary diagnosis and corrective measures in the processing of cassava flour. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 16, n. 3, p. 307 - 315, 1 Jul. 2021.
Section
FOOD SCIENCES