Dificuldades enfrentadas pelo portador de hipertensão arterial sistêmica à adesão ado tratamento na Estratégia Saúde da Família

  • Thays Jorgeana Alexandre e Silva
  • Elvira Uchoa dos Anjos
  • Symara Abrantes Albuquerque de Oliveira Cabral Secretaria Municipal de Saúde de Cajazeiras
  • Carla Heloisa de Alencar Figueiredo
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Hipertensão, Terapêutica.

Resumo

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é considerada um grave problema de saúde pública no Brasil e no Mundo. Sendo considerada um dos maiores fatores de risco para o surgimento de doenças cardiovasculares, renais e cerebrovasculares dentre outras. A terapia anti-hipertensiva é extremamente eficaz em reduzir a pressão arterial. Contudo, o percentual de pacientes que alcançam os alvos terapêuticos é baixo. A não adesão ao tratamento é um dos mais importantes problemas enfrentados, neste sentido, objetivou-se identificar as dificuldades enfrentadas pelo portador de hipertensão arterial sistêmica a adesão do tratamento na Estratégia Saúde da Família (ESF), esta responsável pela Atenção Primária à Saúde, seno ainda o centro das redes de atenção à saúde. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo com abordagem quantitativa com a população de 4.772 hipertensos cadastrados no programa HiperDia na secretaria de saúde do município de Cajazeiras, a amostra foi composta de 100 hipertensos. Os resultados demostraram prevalência do sexo feminino (65%), a média de idade ficou entre 59 anos (35%). Quanto aos principais motivos que impedem a adesão ao tratamento 89% referiram falta de conhecimento. Antecedentes familiares o predomínio foi entre irmãos 66%. Existe um déficit de adesão ao tratamento, especialmente por usuárias do sexo feminino, que relatam falta de conhecimento, revelando a necessidade de melhores estratégias de atuação no tocante à educação em saúde.

Difficulties faced by patients with systemic arterial hypertension and adherence to treatment in the Family Health Strategy

 

Abstract: Systemic arterial hypertension (SAH) is considered a serious public health problem in Brazil and in the World. It is considered one of the major risk factors for cardiovascular, renal and cerebrovascular diseases, among others. Antihypertensive therapy is extremely effective in lowering blood pressure. However, the percentage of patients reaching therapeutic targets is low. Non-adherence to treatment is one of the most important problems faced. In this sense, the objective was to identify the difficulties faced by patients with systemic arterial hypertension, adherence to treatment in the Family Health Strategy (ESF), which is responsible for Primary Health Care, The center of health care networks. This is an exploratory, descriptive study with a quantitative approach with the population of 4,772 hypertensive patients enrolled in the HiperDia program at the department of health of the municipality of Cajazeiras, the sample was composed of 100 hypertensive patients. The results showed female prevalence (65%), mean age was 59 years (35%). Regarding the main reasons that prevent adherence to treatment, 89% reported lack of knowledge. Family history The predominance was between siblings 66%. The data show that there is a deficit of adherence to treatment, especially by female users, who report a lack of knowledge, revealing the need for better strategies in health education.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de saúde. Comissão Nacional em Pesquisa. Normas para Pesquisa Envolvendo Seres Humanos (Res. CNS. 466/2012). Brasília; 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de condutas Médicas: Hipertensão arterial e Diabetes Mellitus. Brasília: Ministério da saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica: Hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da saúde, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica: Hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da saúde, 2006.

BRASIL. Organização Pan-Americana da saúde. Avaliação do plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus no Brasil. Brasília, 2007.

BRASIL. Ministério da saúde. Política Nacional da Atenção Básica. v.4, 4 ed. Brasília, 2007.

BRASIL. Plano de reorganização da atenção à hipertensão e ao diabetes mellitus. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. A Experiência Brasileira em Sistemas de Informação em Saúde, fundação Oswaldo cruz. Brasília, 2009.

BRUNNER, S.; SUDDARTH, B. Tratado de enfermagem médico cirúrgica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009

CENTRO Hiperdia: Fundação Imepen. Fundação Instituto Mineiro de Estudos e Pesquisas em Nefrologia . Disponível em: <http://www.imepen.com/hiperdia/>. Acesso em: 16 out. 2013.

CHAVES, E. S., LÚCIO, I. M. L.; ARAÚJO, T. L.; DAMASCENO, M. M. C. Eficácia de programas de educação para adultos portadores de hipertensão arterial. Rev. Brasileira de enfermagem, v.59, n.4, p.543-547. São Paulo, 2006.

DBHA VI. VI Diretrizes Brasileira de Hipertensão. Sociedade Brasileira de Hipertensão: Revista Hipertensão. v. 13, n. 1, p. 8-61, 2010.

DBHA VI. VI Diretrizes Brasileira de Hipertensão. Sociedade Brasileira de Hipertensão: Revista Hipertensão. v. 5, n. 1, p. 7, 2006.

FAQUINELLO, A.; CARREIRA, L.; MARCON, S. S. A unidade básica de saúde e sua função na rede de apoio social ao hipertenso. Texto Contexto Enferm, v.19, n.4, p.736-744. Florianópolis, 2010.

FIGUEIREDO, N. N; ASAKURA, L. Adesão ao tratamento anti-hipertensivo: dificuldades relatas por indivíduos hipertensos. São Paulo: UNIFESP, 2010.

FILHA, F. S. S. C; NOGUEIRA, L. T; VIANA, L. M. M. Hiperdia: Adesão e Percepção de usuários acompanhados pela estratégia saúde da família. Rene: Fortaleza, p.930-936, 2011.

GIROTTO, E.; ANDRADE, S. M.; CABRERA, M. A. S.; MATSUO, T. Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico e fatores associados na atenção primaria da hipertensão arterial. Ciência & Saúde Coletiva, v.18, n.6, p.1763-1772. São Paulo, 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. IBGE Cidades. Brasília. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2009. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1acesso em: 23 de outubro de 2013.

INCA. INSTITUTO NACIONAL DO CANCER. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Secretaria de Vigilância em Saúde. Tabagismo: Um grave problema de saúde Pública, p.26, 2007.

MANO, R. Hipertensão Arterial Sistêmica. 1.ed. Rio de Janeiro, 2009.

MACHADO, M. C; PIRES, C. G. S; LOBÃO, W. M. Concepção dos hipertensos sobre os fatores de risco para a doença. Ciência & Saúde Coletiva, v.17, n.5, p.1365-1374, São Paulo, 2012

NEVES, F. A; JUNGES F. Sistema de informação em saúde como instrumento de avaliação da saúde da população. Rio Grande do Sul: UFRGS, 2010.

OLIVEIRA, T. R. T; PEDROSA, L. A. K; GONÇALVES R. M. D. A. Estudo da hipertensão arterial sistêmica: Repercussões quanto a adesão ao tratamento. Rev. Triang. Ens. Pesq. Ext, v.1, n.1, Uberaba, 2008.

PAULA, P. A. B.; STEPHAN-SOUZA, A. I.; VIEIRA, R. DE C. P. A.; ALVES, T. N. P. . O uso do medicamento na percepção do usuário do Programa Hiperdia. Ciênc. saúde coletiva, vol.16, n.5, p. 2623-2633..

PEREIRA, A. C.; KRIEGER, J. E. Hipertensão. Rev. da Sociedade Brasileira de Hipertensão, v.8, n.4. São Paulo, 2005.

PEREIRA, M. P. B.; BARCELLOS, C. O Território no programa saúde da família. Revista Brasileira de Geografia Mádica e da Saúde. Uberlândia, n1, p. 47-59, 2006.

PEREIRA, Q. T. S.; SILVA, K. S. C. G. Motivos que levarão o paciente hipertenso à abandonar o tratamento anti-hipertensivo em uma unidade de saúde. Cruz da Almas, 2011.

SANTOS, A. J. M.; ROSA, C.; OLIVEIRA, E. L.; ALMEIDA, J. R.; SCHNEIDER, R. M.; ROCHA, S. S. L.; COUTINHO, R. M. C. A não adesão de pacientes hipertensos ao tratamento em unidade básica de saúde (UBS). Rev Inst Ciênc Saúde. v.27, n.4, p.330-337. Campinas. 2009.

SANTOS, J.C; MOREIRA, T.M.M. Fatores de risco e complicações em hipertensos e diabéticos de uma regional sanitária do nordeste brasileiro. São Paulo-SP, 2012.

SMELTZER, S. C.; BARE, B. G. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.

SBC; SBH; SBN. Sociedade Brasileira de Cardiologia/Sociedade Brasileira de Hipertensão/Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol; v.95(1 supl.1): p.1-51. 2010.

SBC; SBH; SBN. Sociedade Brasileira de Cardiologia/Sociedade Brasileira de Hipertensão/Sociedade Brasileira de Nefrologia. V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq. Bras. Cardiol. v.89 n.3 São Paulo. 2007.

SOUZA, C. B.; BATISTIN, G. G.; AMARAL, C. P.; SILVA, D. H. A.; FURBINO, S. A. R. Fatores que interferem a adesão ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica. Governador Valadares. UNIVALE, 2009.

Publicado
2017-01-01
Como Citar
Silva, T. J. A. e, Anjos, E. U. dos, Cabral, S. A. A. de O., & Figueiredo, C. H. de A. (2017). Dificuldades enfrentadas pelo portador de hipertensão arterial sistêmica à adesão ado tratamento na Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira De Educação E Saúde, 7(1), 23 - 30. https://doi.org/10.18378/rebes.v7i1.4839
Seção
Saúde Coletiva

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 > >>