Young farmers and agroecology: A study on the Group Boa Vista’s Young Fair, Rio Grande do Sul, Brazil

Keywords: Organic production, Agricultural sustainability, Young people on the field, Agroecology

Abstract

The increased demand for organic food grown in an ecological and sustainable way goes hand in hand with society's interest in safer and healthier products. In this sense, this study aimed to evaluate the profile of young organic food farmers participating in the Youth Fair in Boa Vista, in Santa Cruz do Sul/RS. The methodology addressed is of a qualitative exploratory nature using the technique of interviews and subsequent content analysis. This study was divided into four phases. In the first phase, meetings were held with the group of young farmers to expose the research, obtain data and information relevant to its development. In the second phase, semi-structured questionnaires were applied, as well as visits to rural properties were scheduled. From the answers obtained, the categorization of data was carried out, designated as the third phase. Finally, in the last phase, the analysis and interpretation of data was performed. The results show that the group, over the years of operation, exhibited aspects of strengthening and systematization regarding the commercialization of its products. The need for further development of factors related to the increase in productive capacity is perceived, with an increase in the cultivated area, an increase in technology, search for partnerships and possibilities for certification. At the same time, strengthening actions are needed, projecting the group of young farmers into the possibilities that exist in the municipality for the commercialization of cultivated products, enabling an increase in income for their families and promoting regional development.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Julio Cesar de Lara, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Santa Cruz do Sul,

Bacharelado em Engenharia de Produção Mecânica;
Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho;
Especialização em Ergonomia; Especialização em Agroecologia
pela Uergs. Engenheiro de Segurança do Trabalho na UNIMED
Vale do Rio Pardo e Taquari.

Bruna Richter Eichler, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Santa Cruz do Sul,

Graduanda em Agroecologia e Bolsista de extensão pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Santa Cruz do Sul, Brasil. 

João Paulo Reis Costa, Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul

Doutorando em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul; Coordenação Institucional da Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul.

Antonio Carlos Gomes, Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul

Mestre em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul; Professor de Ciências Humanas e Sociais na Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul.

José Antonio Kroeff Schmitz, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Unidade em Santa Cruz do Sul

Doutor em Ciência do Solo; Professor Adjunto de Agronomia, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Unidade em Santa Cruz do Sul.

Daniela Mueller de Lara, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Unidade em Santa Cruz do Sul

Doutora em Ambiente e Desenvolvimento; Professora Adjunta de Engenharia Ambiental, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Unidade em Santa Cruz do Sul.

References

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Decreto nº 7.794, de 20 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. Diário Oficial da União, 21/8/2012, Seção 1, p. 4, 2012.

BRASIL. Lei Nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Publicado no Diário Oficial da União, Brasília, 2003, Seção 1, Página 8.

BRASIL. Instrução Normativa nº 19, de 28 de maio de 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/organicos/legislacao/portugues/instrucao-normativa-no-19-de-28-de-maio-de-2009-mecanismos-de-controle-e-formas-de-organizacao.pdf/view>. Acesso em 21 out 2019.

BRASIL. Instrução Normativa nº 46, de 6 de outubro de 2011. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/organicos/legislacao/portugues/instrucao-normativa-no-46-de-06-de-outubro-de-2011-producao-vegetal-e-animal-regulada-pela-in-17-2014.pdf/view>. Acesso em 21 out 2019.

CAREGNATO, R. C. A.; MUTTI, R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto contexto - enferm. Florianópolis, v. 15, n. 4, p. 679-684, 2006. https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000400017

CARLOMAGNO; M. C.; ROCHA, L. C. Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista Eletrônica de Ciência Política, v. 7, n. 1, p. 173-188, 2016. https://doi.org/10.5380/recp.v7i1.45771

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e Extensão Rural: Contribuições para a promoção do Desenvolvimento Rural Sustentável. Brasília: MDA/SAF/DATER - IICA, p. 177, 2004.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e desenvolvimento rural sustentável: perspectivas para uma nova Extensão Rural. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, v.1, n.1, p.16-37, 2000a.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e sustentabilidade. Base conceptual para uma nova Extensão Rural. In: World Congress of Rural Sociology, 10., Rio de Janeiro: IRSA, 2000b.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e desenvolvimento rural sustentável: perspectivas para uma nova Extensão Rural. Em: ETGES, V. E. (org.). Desenvolvimento rural: potencialidades em questão. Santa Cruz do Sul: EDUSC, 2001. p.19-52.

CASTRO, E. G. Iluminando fronteiras invisíveis: aproximações e distâncias entre ser jovem no campo e nas cidades no Brasil. In: PINHEIRO, D. et al. (Orgs.). Agenda Juventude Brasil: leituras sobre uma década de mudanças. Rio de Janeiro: UniRio, p. 61-101. 2016.

CONSELHO BRASILEIRO DE PRODUÇÃO ORGÂNICA SUSTENTÁVEL. Consumo de produtos orgânicos no Brasil: primeira pesquisa nacional sobre o consumo de orgânicos. [S.l.]: Organis/Market Analysis, 2017.

COSTA, J. P. R. Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul - EFASC: uma contribuição ao desenvolvimento da região do Vale do Rio Pardo a partir da pedagogia da alternância. 2012. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Santa Cruz do Sul, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/11624/422 Acesso em 20 out 2019.

COSTA, J. P. R. A articulação em agroecologia do Vale do Rio Pardo - AAVRP/RS: a agricultura como possibilidade de existência e resistência na construção de 'Espaços de Esperança' na região do Vale do Rio Pardo. 2019. 237 f. Tese (Doutorado) - Universidade de Santa Cruz do Sul, 2019.

DUTRA, E. J. S.; MANTELLI, J. A produção e a comercialização de alimentos orgânicos e agroecológicos no município de Canguçu, estado do Rio Grande do Sul, Brasil: a perspectiva dos produtores. Revista Geografias, v.25, n.2, p.8-21, 2017.

FEIRAS RURAIS. 2018. Disponível em: http://www.santacruz.rs.gov.br/secretarias/feiras-rurais. Acesso em 23 out 2019.

FERREIRA, A. L. Agricultura orgânica cresce com adoção de resultados de pesquisa. Embrapa, 2014. Disponível em: https://goo.gl/EQ8g3b . Acesso em: Acesso em 27 out 2019.

GIL. A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOMES, A. C. A operacionalização do mercado institucional de alimentos no contexto do Vale do Rio Pardo: o caso da Cooperativa Leoboqueirense de Agricultores Familiares. 2014. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Santa Cruz do Sul, 2014.

GOMES, A. C.; DEPONTI, C. M. A operacionalização do Mercado Institucional de Alimentos no contexto do Vale do Rio Pardo-RS. REDES: Revista do Desenvolvimento Regional, v. 20, n. 3, p. 163-179, 2015. https://doi.org/10.17058/redes.v20i3.6522

GOMES, M. Certificação pública dos produtos orgânicos: o caso do IMA -Instituto Mineiro de Agropecuária. 2016. 141f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

HANSEN, T.; SØRENSEN, M. I.; ERIKSEN, M. L. R. How the interplay between consumer motivations and values influences organic food identity and behavior. Food Policy, v. 74, p. 39-52, 2018. https://doi.org/10.1016/j.foodpol.2017.11.003

MOURA, N. F.; FERRARI, E.A. Juventudes e agroecologia: a construção da permanência no campo na Zona da Mata Mineira. 2016- Rio de Janeiro: ANA; Viçosa: CTA-ZM, 66 p. 2016.

OLIVEIRA J. E.; SILVA, K. R.; MARCELINO, L.; SARAVALLE, C. Y. Como a juventude atua na Agroecologia? A contribuição dos jovens no Estado de São Paulo. Cadernos de Agroecologia. 2015.

OLIVEIRA, D.; GRISA, C.; NIEDERLE, P. Inovações e novidades na construção de mercados para a agricultura familiar: os casos da Rede Ecovida de Agroecologia e da RedeCoop. Redes, v. 25, n. 1, p. 135-163, 2020. https://doi.org/10.17058/redes.v25i1.14248

PREFERITURA DE SANTZ CRUZ DO SUL. Agricultura. Feiras Rurais. 2020. Disponível em: https://www.santacruz.rs.gov.br/secretarias/feiras-rurais. Acesso em: 12 de março de 2020.

PLOEG, J.D.; SCHNEIDER, S.; YE, J. Rural development through the construction of new, nested markets. Journal of Peasant Studies, v. 39, n. 1, p.133-173, 2012. https://doi.org/10.1080/03066150.2011.652619

RIO GRANDE DO SUL. Lei estadual Nº 14.486, de 30 de janeiro de 2014. Disponível em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=265146.

RIO GRANDE DO SUL. Decreto estadual N.º 51.617, de 04 de julho de 2014. Disponível em: http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/DEC%2052.823.pdf .

SANTOS, F. P. DOS.; CHALUB-MARTINS, L. Agroecologia, consumo sustentável e aprendizado coletivo no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 469-483, 2012.

SINGH, A.; VERMA, P. Factors influencing Indian consumers’ actual buying behaviour towards organic food products. Journal of Cleaner Production, v. 167, p. 473 - 483, 2017. https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2017.08.106

SILVA, D.V.; MACIEL, K.N.; SANTOS, J.N.; MENDES, J.G.; BARBOSA, L.C.G. Agroecologia e Convivência com o Semiárido Brasileiro: uma análise preliminar. Diversitas Journal. Santana do Ipanema/AL. v. 3, n.1, p.76-84, jan./abr. 2018.

SILVA NETO, BENEDITO. Agroecologia e classes sociais, uma abordagem baseada nas obras de György Lukács e Michel Clouscard. Ambiente & Sociedade, v. 22, 2019. https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc0290r2vu19L4AO

SOUSA, Romier da Paixão. Agroecologia e educação do campo: desafios da institucionalização no Brasil. Educação & Sociedade, v. 38, p. 631-648, 2017. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302017180924

SWENSSON, L.F.J. Programas institucionais de aquisição de alimentos e organizações de produtores: catalisadores para a transformação de sistemas de abastecimento de alimentos de pequenos produtores. Redes, v. 24, n. 1, p. 30-44, 2019. https://doi.org/10.17058/redes.v24i1.13041

Published
2021-07-01
How to Cite
LARA, J. C. DE; EICHLER, B. R.; COSTA, J. P. R.; GOMES, A. C.; SCHMITZ, J. A. K.; LARA, D. M. DE. Young farmers and agroecology: A study on the Group Boa Vista’s Young Fair, Rio Grande do Sul, Brazil. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 16, n. 3, p. 291 - 297, 1 Jul. 2021.
Section
INTERDISCIPLINARY