AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAXA PRESENTE NO FEIJÃO GUANDU TORRADO E MOÍDO

  • Januacele Dos Santos Vieira Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns
  • Angélica Simplício da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns
  • Maria Fernanda da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns
  • Marcelo Edvan dos Santos Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns
  • Suzana Pedroza da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns

Resumo

O feijão guandu (Cajanus cajan) é um tipo de leguminosa facilmente encontrada no interior do Nordeste brasileiro. Sua aplicação é vasta na área agronômica e para alimentação animal, sendo menos exploradas as formas para consumo na alimentação humana. Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a composição graxa presente no feijão guandu torrado e moído artesanalmente. Foram realizadas as análises de índice de acidez (IA), teor de ácidos graxos livres (%AGL) e índice de saponificação (IS), para fins de consumo como bebida por infusão. Foi observada uma boa relação entre os valores de IA (1,6 mgNaOH/g), %AGL (1,13 mgNaOH/g) e IS (147,50 mgNaOH/g) quando comparado a outras espécies como o café, indicando que a bebida pode ser preparada por infusão e consumida na alimentação humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Januacele Dos Santos Vieira, Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns
Graduanda em engenharia de alimentos
Angélica Simplício da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns
Graduanda em engenharia de alimentos
Maria Fernanda da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns
Graduanda em engenharia de alimentos
Marcelo Edvan dos Santos Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns
Graduando em engenharia de alimentos
Suzana Pedroza da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns
Doutora em Engenharia Química, Professora de Química Analítica e Análises de Alimentos,

Referências

ABIC. Associação Brasileira de Indústria de Café. [online] Disponível em: . Acessado em: 31 agosto 2017.

AL-HAMAMRE, Z., FOERSTER, S., HARTMANN, F., KRÖGER, M., KALTSCHMITT, M. Oil extracted from spent coffee grounds as a renewable source for fatty acid methyl ester manufacturing. Fuel, v. 96, june, 2012. Pages. 70-76.

AZEVEDO R.L., RIBEIRO T.R., AZEVEDO C.L.L. Feijão Guandu: Uma Planta Multiuso. Revista da Fapese, v.3, n. 2, p. 81-86, jul./dez. 2007.

BRASIL, R. V., CAVALLIERI A. L. F.; COSTA A. L. M.; GONÇALVES M. A. B. Caracterização Física e Química do Óleo de Pequi Exposto a Diferentes Condições de Armazenamento. Goiânia: 2011.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4a. ed. 1a edição digital. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008. 1020p.

MARQUES, E. R., BORÉM, F. M., PEREIRA, R. G. F. A., BIAGGIONI, M. A. M. Eficácia do teste de acidez do café arábica (Coffea arábica L.) submetido a diferente períodos e temperaturas de secagem. Ciênc. Agrotec., Lavras, v.32, n.5, p. 1557-1562, set/out, 2008.

MEAT RESEARCH CORPORATION. Free Fatty Acid. Australian Meat Technology – AMT. 1997.

MORETTO, E.; FETT, R. Tecnologia de óleos e gorduras vegetais na indústria de alimentos, 1ª Ed, Varela: São Paulo, 1998.

PENAFORT, A. G. Padrão de Consumo de Café e de Cafeína de um Grupo Populacional no Nordeste Brasileiro: Risco à Saúde ou Não? Fortaleza. Ceará. Universidade Estadual do Ceará. 2008. 120f.

PINTO, N. A. V. D.; VILAS BOAS, B.M.; FERNANDES, S. M.; CARVALHO, V. D. Composição química de diferentes padrões de bebida para preparo de café expresso provenientes da região sul de Minas Gerais. In: SIMPÓSIO DE PESQUISA DOS CAFÉS DO BRASIL, 2000, Poços de Caldas. Resumos expandidos... Brasília: EMBRAPA Café, 2000. p. 665-668.

RICCI, M. S. F.; AGUIAR, L. A. 2003. Influência da adubação verde sobre o crescimento, produtividade e teor de nitrogênio no tecido foliar do cafeeiro (Coffea arabica L.) sob manejo orgânico. In: SIMPÓSIO DE PESQUISA DOS CAFÉS DO BRASIL, Brasília. Anais...Brasília: Embrapa Café. 2003. p.420-421.

SANCHES, M. Z. Avaliação das características físico-químicas e sensoriais de óleo de café torrado (Coffea arabica) durante armazenamento em diferentes temperaturas. 68 f. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina, 2016.

SOUZA, P. A., SOUZA, H. B. A., SANTOS, J. E., FREITAS, O. Avaliação físico-química e nutricional de grãos de feijão-guandu (Cajanus Cajan (L) Mill sp). Alim. Nutr., São Paulo. V.3, p.51-62, 1991.

SPEER, K., KÖLLING-SPEER, I. The lipid fraction of the coffee bean. Braz. J. Plant Physiol., 18(1):201-216, 2006.

Publicado
2017-11-23
Como Citar
Vieira, J. D. S., da Silva, A. S., da Silva, M. F., Silva, M. E. dos S., & da Silva, S. P. (2017). AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAXA PRESENTE NO FEIJÃO GUANDU TORRADO E MOÍDO. Revista Brasileira De Agrotecnologia, 7(2), 214-217. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBAGRO/article/view/5171
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)