Proteção de nascente e o curso d’água e sua relação com a qualidade ambiental em propriedade familiar, na região do Caparaó capixaba

Palavras-chave: Escassez Hídrica, Manejo e Conservação de Solo e Água, Desenvolvimento Rural, Educação Ambiental

Resumo

O uso e manejo da terra de forma inadequada têm gerado processos de degradação ambiental, no qual a crescente retirada da cobertura florestal tem prejudicado o ciclo hidrológico, qualidade da água e dos solos. O objetivo deste trabalho é conhecer os efeitos da proteção da nascente, e parte inicial do seu curso d’água, sobre as condições ambientais em uma propriedade familiar. O estudo foi realizado na propriedade localizada na Comunidade Rainha da Paz, em Alegre-ES, por meio de indicadores utilizados para o monitoramento ambiental, no início em setembro de 2013 e após um ano (setembro de 2014) de projeto Plantadores de Água. Os indicadores de qualidade utilizados na avaliação mostram claramente que a situação inicial na Aréa de Preservação Permanente da nascente, e em torno do curso d’água principal era inadequada, em diversos indicadores principalmente devido a ocupação da área ser com o uso agrícola, especificamente pastagem, ocorrendo pisoteio de gado no raio de 50 metros da área de preservação permanente da nascente, causando compactação do solo e assoreamento, apresentando elevada condição de degradação, reflexo da falta de adequação ambiental, não atendendo assim a legislação ambiental vigente. O projeto promoveu melhorias nas condições ambientais da propriedade familiar, através da regeneração natural de espécies nativas trazendo ganhos a composição florística, além das melhorias nas condições do solo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sara Carvalho Failla, Instituto Federal de Alagoas, Marechal Deodoro

Master student in Environmental Techonologies, Instituto Federal de Alagoas, Marechal Deodoro, Alagoas, Brazil

Davi Salgado de Senna, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa

PhD student in soil and plant nutrition, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais

Fábio Luiz de Oliveira, Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre

Teacher, Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre, Espírito Santo, Brazil

Leonard Campos Avellar Machado, Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre

Master in Agroecology, Grupo de de Agricultura Ecológica Kapi’xawa, Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre, Espírito Santo, Brazil.

Hélia de Barros Kobi, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa

PhD student in Food Science and Technology, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, Brazil

Lidiane dos Santos Gomes Oliveira, Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre

PhD in Genetics and Plant Breeding, Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre, Espírito Santo, Brazil

Referências

AKPOTI, K.; KABO-BAH, A. T.; ZWART, S. J. Agricultural land suitability analysis: State-of-the-art and outlooks for integration of climate change analysis. Agricultural Systems, v. 173, p.172–208, 2019. 10.1016/j.agsy.2019.02.013.

ABNT, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR-7229: projeto,construção e operação de sistemas de tanques sépticos. Rio de Janeiro, 1993.

BENAVIDES SILVA, V. C.; MACHADO, P. S. SIG na Análise Ambiental: Susceptibilidade Erosiva da Bacia Hidrográfica do Córrego Mutuca, Nova Lima – Minas Gerais. Revista de Geografia (UFPE), v. 31, n.2, p.66‐87, 2014.

BONFIM, A. A. C.; SANTOS, A. V.; LANDA, G. G.; NERIS, R. A. Diagnóstico e análise de nascentes localizadas na parte alta do município de Nanuque – MG. Acta Biologica Brasiliensia, v.2, n.1, 2019.

BOMFIM, E. O.; GADELHA, C. L. M.; FILGUEIRA, H. J. A.; AMORIM, J. F.; AMORIM, D. S. Sustentabilidade hidroambiental de nascentes na bacia hidrográfica do rio Gramame no Estado da Paraíba, Brasil. Revista Sociedade & Natureza, v. 27, n.3, p.453-468, 2015. 10.1590/1982-451320150307.

BRANCALION, P. H. S.; GARCIA, L. C.; LOYOLA, R.; RODRIGUES, R. R.; PILLAR, V. D.; LEWINSOHN, T. M. Análise crítica da lei de proteção da vegetação nativa (2012), que substitui o antigo Código Florestal: atualizações e ações em curso. Natureza e Conservação, v. 14, p. 1-15, 2016. 10.1016/j.ncon.2016.03.004.

BRASIL. Instrução Normativa Nº 4, de 8 de setembro de 2009. Dispõe sobre procedimentos técnicos para a utilização da vegetação da Reserva Legal sob regime de manejo florestal sustentável, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 08 de setembro, 2009.

BRASIL. Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012a. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 maio, 2012a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm.> Acesso em: 10 out. 2020.

BRASIL. Lei n. 12.727, de 17 de outubro de 2012b. Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 out., 2012b. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/L12727.htm.> Acesso em: 10 out. 2020.

CARMO, A. M. D. O. M; SOUTO, V. S; DUARTE, C. R; LOPES, P. S; SABADIA, J. A. B. Avaliação de suscetibilidade à movimentos de massa, utilizando as variáveis morfométricas, para as serras da porção sul do maciço central do Ceará. Revista Brasileira de Cartografia, v.9, n.68, p.1787‐1804, 2016.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Análise Multidimensional da Sustentabilidade Uma proposta metodológica a partir da Agroecologia. Revista Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, v.3, n.3, 2002.

CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 29, de 7 de dezembro de 1994. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res94/res2994.html>. Acesso em 10 out. 2020.

CRISPIM, D. L.; MACHADO, E. C. M.; FERNANDES, L. L.; ARAÚJO, L. M.; PROGÊNIO, M. F. Análise da sustentabilidade hídrica de comunidades rurais do município de Pombal – PB. Geografia Ensino & Pesquisa, v.24, 2020. 10.5902/2236499439213.

FÁVERO, C.; LOVO, I. C.; MENDONCA, E. S. Recuperação de área degradada com sistema agroflorestal no Vale do Rio Doce, Minas Gerais. Revista Árvore, v.32, n.5, p. 861-868, 2008.

FELIPPE, M. F. Caracterização e tipologia de nascentes em Unidades de Conservação de Belo Horizonte-MG com base em variáveis geomorfológicas, hidrológicas e ambientais. Minas Gerais, 2009. Tese (Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais.

GOMES, A. S.; VIEIRA, T. A. Percepção e uso de mata ciliar em um projeto de assentamento, Santarém (PA). Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, v.9, n.6, p.307-320, 2018. 10.6008/CBPC2179-6858.2018.006.0029.

INCAPER. Programa de assistência técnica e extensão rural PROATER 2011 – 2013/ Alegre: Planejamento e programação de ações – (2011). Disponível em: <http://www.incaper.es.gov.br/proater/municipios/Caparao/Alegre.pdf> Acesso em: 04 out de 2020.

LIMA, J. S. de S.; SILVA, S. de A.; OLIVEIRA, R. B. de; CECÍLIO, R. A.; XAVIER, A. C.Variabilidade temporal da precipitação mensal em Alegre–ES. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 39, n. 02, p. 327-332, 2008.

MARCIANO, A. G.; SILVA, L. F.; SILVA, A. P. M. Diagnóstico das nascentes da bacia hidrográfica do córrego do Vargedo. Revista Brasileira de Energias Renováveis, v. 5, n. 3, p. 330–342, 2016. 10.5380/rber.v5i3.48128.

MARTINKOSKI, L.; VOGEL, G. F.; MARTINS, P. J. Sistemas agroflorestais na recuperação de matas ciliares. Revista Científica ANAP Brasil, v. 6, n. 7, p. 195-212, 2013.

MARTINS, E. M.; SILVA, E. R.; CAMPELLO, E. F. C.; LIMA, S. S.; NOBRE, C. P.; CORREIA, M. E. F.; RESENDE, A. S. O uso de sistemas agroflorestais diversificados na restauração florestal na Mata Atlântica. Ciência Florestal, v. 29, n. 2, p. 632-648, 2019. 10.5902/1980509829050.

CONAMA -Resolução nº 29, de 7 de dezembro de 1994. Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica, considerando a necessidade de definir o corte, a exploração e a supressão da vegetação secundária no estágio inicial de regeneração no estado do Espírito Santo. Publicada no DOU nº 248, de 30 de dezembro de 1994.

OLIVEIRA, L. R. Caracterização das nascentes da sub-bacia hidrográfica do rio Gaviãozinho-Bahia. Dissertação, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2018,139p.

POLLO, R. A.; SILVA, C. O. F.; CARDOSO, L. G.; LESSA, L. G. F. Fatores de perturbação identificados em área de proteção ambiental Corumbataí-Botucatu-Tejupá, perímetro Botucatu, estado de São Paulo. Revista Raega, v.46, p. 204 -214, 2019.

PROGÊNIO, M. F.; COSTA FILHO, F. A. M.; SOUZA, M. J. R.; PESSOA, F. C. L. Análise do potencial de impacto ambiental para implantação de pequenas centrais hidroelétricas nas unidades hidrográficas do estado do Pará. Revista Aidis de Ingeniería y Ciencias Ambientales: Investigación, desarrollo y práctica, v. 12, n.3, p.399–412, 2019. 10.22201/iingen.0718378xe.2019.12.3.62469.

RIBEIRO, L. G. G.; ROLIM, N. D. Planeta água de quem e para quem: uma análise da água doce como direito fundamental e sua valoração mercadológica. Revista Direito Ambiental e sociedade, v. 7, n. 1, 2017.

SENNA, D. S.; KOBI, H. B.; SANTOS, R. A. B.; SOUZA, D. S.; MARTINS, K. G. G.; MEIRA, A. C. H. “Plantadores de Água”: uma experiência de construção coletiva de saberes agroecológicos. In: VIII Congresso Brasileiro de Agroecologia, p.5, Resumos. São Paulo: Cadernos de Agroecologia, 2013.

SILVA JÚNIOR, L. G. Ação antrópica em torno das nascentes da Microbacia do Rio Bitury, Município de Belo Jardim (Região Agreste de Pernambuco). Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v.2, n. 3, p. 105-119,2015.

SILVA, T. G. N., COSTA GAMA, R., TEIXEIRA, L. G., SANTOS, G. R., SOUSA, R. M., SOUZA, P. B. Diagnóstico ambiental de uma área de proteção permanente (app), formoso do Araguaia–To. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v.16, n. 2, 2018.

SOUZA, K. I. S.; CHAFFE, P. L. B.; PINTO, C. R. S. C.; NOGUEIRA, T. M. P. Proteção ambiental de nascentes e afloramentos de água subterrânea no Brasil: histórico e lacunas técnicas atuais. Revista Águas Subterrâneas, v. 33, n.1, p. 76-86, 2019. 10.14295/ras.v33i1.29254.

TAMBOSI, L. R.; VIDAL, M. M.; FERRAZ, S. F. B.; METZGER, J. P. Funções eco-hidrológicas das florestas nativas e o Código Florestal. Estudos Avançados, v. 29, n. 84, p. 151-162, 2015. 10.1590/S0103-40142015000200010.

VALENTE, O. F; GOMES, M. A. Conservação de Nascentes: produção de água em pequenas bacias hidrográficas. 2. ed. Viçosa: Aprenda Fácil, 2011.

VANZETTO, G. V.; QUADROS, F. R.; ROVANI, I. L.; DECIAN, V. S. Cadastro ambiental rural e avaliação comparativa entre o antigo e atual Código Florestal federal em um imóvel. Ciência e Natura, Santa Maria, v. 39, n. 2, p. 259-271, 2017. 10.5902/2179460X22711.

VERDUM, R.; VIEIRA, C. L.; CANEPPELE, J. C. G. Métodos e técnicas para o controle da erosão e conservação do solo. Porto Alegre: IGEO/UFRGS, 2016.

Proteção de nascente e o curso d’água e sua relação com a qualidade ambiental em propriedade familiar, na região do Caparaó capixaba
Publicado
2021-04-01
Seção
CIÊNCIAS AMBIENTAIS