A VIOLÊNCIA INSTITUCIONAL E A HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

  • Auzenir de Oliveira Abrantes Monteiro Universidade Federal de Campina Grande
  • Deyse Janiele Bernardo Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • José Cândido da Silva Nóbrega Universidade Federal de Campina Grande
  • Beatriz Azevedo de Almeida Santos Faculdade Pernambucana de Saúde
  • Hellita do Nascimento Fernandes Universidade Federal de Campina Grande
  • Annelyse Esequiel de Lucena Neves Universidade Federal de Campina Grande
  • Aline Cristina Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Violência, Violência Institucional, Serviços de saúde, Humanização da saúde.

Resumo

Sabe-se que o ciclo gravídico-puerperal é marcado por diversas transformações, sejam elas físicas, emocionais, psicológicas, sociais, o que resulta em um momento de extrema vulnerabilidade para a mulher. Dito isto, além de lidarem com essas manifestações inerentes ao processo de gestação, são constantemente impactadas por atos violentos no contexto da maternidade, configurando-se como violência obstétrica.

O conceito de “violência obstétrica” ainda é debatido por vários estudiosos, o que dificulta estipular um significado para tal, sendo mais prevalente seu uso nos países latinos-americanos, tendo a Venezuela como pioneira na América Latina por considerar a violência obstétrica como ilegal (CARVALHO; BRITO, 2017)

 Nesse sentido, o termo é considerado relativamente novo, sendo a violência obstétrica um tema inicialmente debatido no ano 1950 nos Estados Unidos, através a partir da Ladies Home Journal, que publicou uma matéria intitulada de “Crueldades nas maternidades” que mencionava os atos violentos experienciados por mulheres em seu processo gestacional, que alegavam terem sido submetidas a procedimentos violentos nos serviços de saúde (DINIZ, 2015).

Entretanto, os estudos sobre o tema no Brasil deram início na década de 1980 a partir de diversos debates impulsionados pelos grupos feministas e os movimentos sociais da época, que buscavam evidenciar os descasos na assistência à saúde da mulher e a violência obstétrica sofrida por elas, o que mais tarde, seriam pilares importantes para o desenvolvimento de políticas de saúde, como por exemplo, a criação do Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento (PHPN) instituído em 2000 objetivando o avanço na qualidade da assistência ao pré-parto, parto e puerpério (BRASIL, 2001; DINIZ, 2015).

Dentro desse contexto, o estudo objetiva compreender o conceito de violência obstétrica e todas as suas nuances, corroborando para a ampliação do conhecimento na área e maior discernimentos dos agravos resultantes dessa prática.

O presente estudo trata-se de uma revisão bibliográfica, através da pesquisa de vários autores sobre a temática abordada nos últimos cinco anos, objetivando a formulação e ampliação de novos conhecimentos sobre o assunto em questão, corelacionando às práticas evidenciadas pela literatura científica. Para conduzir o estudo, foi elaborado as seguintes indagações norteadoras: “Quais são as diferentes formas de apresentação da violência obstétrica? Como são evidenciados os impactos físicos e mentais na saúde da mulher?”

A pesquisa foi desenvolvida nas principais bases de dados científicos, como a Scienific Eletronic Library Online (SciELO), a Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e o Google Acadêmico. Foram utilizados os seguintes descritores: “Violência Obstétrica”, “Violência psicológica” e “Saúde da Mulher” “Humanização do parto”. Os critérios de inclusão estabelecidos foram aqueles que abordassem a temática; escritos na língua portuguesa; com o período de 2015 a 2018. Como critério de exclusão encontra-se estudos produzidos em um período anterior à 2015 e os artigos não apresentados na íntegra.

Biografia do Autor

Auzenir de Oliveira Abrantes Monteiro, Universidade Federal de Campina Grande

 

 

Referências

BARBOSA, L. de C.; FABBRO, M. R. C.; MACHADO, G. P. dos R. Violência obstétrica: revisão integrativa de pesquisas qualitativas. Rev.enferm., Bogotá , v. 35, n. 2, p. 190-207, ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica da Mulher. Brasília, Ministério da Saúde, 2001.

CARVALHO, I. da S.; BRITO, R. S. de. Formas de violência obstétrica vivenciadas por puérperas que tiveram parto normal. Enfermería Global, [S.L.], v. 16, n. 3, p. 71, 28 jun. 2017. Servicio de Publicaciones de la Universidad de Murcia. http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.16.3.250481.

DINIZ, S. G. et al . Violência obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. 2015.

MARTINS, A. de C.; BARROS, G. M.. Você vai dar à luz na dor? Revisão integrativa da violência obstétrica em unidades públicas brasileiras. Rev. dor , São Paulo, v. 17, n. 3, p. 215-218, setembro de 2016.

MARRERO, L.; BRUGGEMANN, O. M. Violência institucional durante o processo de parturição no Brasil: revisão integrativa. Rev. Bras. Enferm. Brasília, v. 71, n. 3, p. 1152-1161, maio de 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Genebra: WHO, 2014. Acesso em 30 de agosto, 2018, em http://apps.who.int/iris/

SOUZA, A. B. et al. Fatores associados à ocorrência de violência obstétrica institucional: revisão integrativa da literatura. Rev. Ciênc. Méd., Campinas, v. 25, n. 3, p. 115-128, set./dez., 2016.
Publicado
2019-02-23
Como Citar
Monteiro, A. de O. A., Oliveira, D. J. B., Nóbrega, J. C. da S., Santos, B. A. de A., Fernandes, H. do N., Neves, A. E. de L., & Silva, A. C. (2019). A VIOLÊNCIA INSTITUCIONAL E A HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE. Caderno Verde De Agroecologia E Desenvolvimento Sustentável, 9(3). Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/CVADS/article/view/9196