O fenômeno da audiência de custódia em meio à pandemia do COVID-19 no Estado do Ceará

  • Vitoria Najara Rodrigues de Oliveira Universidade Federal de Campina Grande
  • Willian Silva de Jesus Universidade Federal de Campina Grande
  • Giliard Cruz Targino Universidade Federal de Campina Grande

Resumo

Este artigo busca analisar a concretização das audiências de custódia no estado do Ceará em meio ao isolamento rígido resultante da pandemia do COVID-19. Por meio de uma pesquisa qualitativa, mediante os métodos bibliográfico e histórico-evolutivo, apresentam-se uma explanação acerca dos direitos humanos; a trajetória desse instituto no ordenamento jurídico brasileiro, bem como a sua organização; e a maneira como foram estruturadas as audiências de apresentação no período dos 13 meses iniciais da pandemia. A partir disso, pode-se perceber que, por muitos meses, poucas foram as ocorrências desse fenômeno, em razão das medidas de “lockdown”, que impediam o contato “cara a cara” entre detidos e magistrados, ou seja, em virtude desse motivo atípico, nota-se o descumprimento dos direitos humanos. Em consequência disso, verifica-se que é provável a materialização de prisões irregulares, além de possivelmente não ter sido viável, nesse período, a denúncia contra maus-tratos policiais. Portanto, é evidente que, devido à pandemia do Coronavírus e suas medidas de contenção de contaminação, o direito de ser apresentado ao juiz, quando preso, num prazo de 24h, não pôde, de fato, ser efetivado, dando margens para que outras garantias fossem desrespeitadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-07-03
Como Citar
Rodrigues de Oliveira, V. N., Jesus, W. S. de, & Targino, G. C. (2021). O fenômeno da audiência de custódia em meio à pandemia do COVID-19 no Estado do Ceará. Revista Brasileira De Direito E Gestão Pública, 9(2), 307-322. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RDGP/article/view/9088
Edição
Seção
Artigos