Caminhos para a consolidação da disciplina de Toxicologia Médica em um curso de medicina

Palavras-chave: Disciplina optativa, Metodologias de ensino-aprendizagem, Educação médica

Resumo

A Toxicologia é a ciência que investiga os efeitos deletérios de substâncias químicas no organismo, sob determinadas condições de exposição, tendo a Toxicologia Médica como uma de suas áreas de atuação, sendo reconhecida como especialidade médica desde 2016 pelo Conselho Federal de Medicina, voltada à prevenção, diagnóstico e manejo de acidentes relacionados aos mais diversos toxicantes. A disciplina de Toxicologia Médica foi implantada no Curso de Medicina da Universidade Estadual do Ceará (UECE) em 2017, a partir da detecção da necessidade de uma melhor preparação do profissional médico em formação frente às ocorrências de intoxicações, tão prevalentes no Brasil e no mundo. Desde então têm sido aplicados questionários a cada turma ao término da disciplina, a fim de avaliar a disciplina bem como saber o que pode ser melhorado para as turmas seguintes. Em 2019, novas metodologias foram pensadas e aplicadas para a terceira turma a cursar a disciplina, e os questionários aplicados ao final evidenciaram uma ampla aceitação das novas metodologias bem como da disciplina como um todo. Concluiu-se que, apesar da grande aceitação, os acadêmicos sentem necessidade de uma maior carga horária dedicada à disciplina, visto que é optativa e por isso tem um número reduzido de aulas, bem como de atividades práticas e aulas de campo.

Biografia do Autor

Thalys Heriqui Andade da Silva, Universidade Estadual do Ceará
Acadêmico do curso de Medicina da Universidade Estadual do Ceará - UECE.
Daniel Gomes de Morais Nobre, Universidade Estadual do Ceará
Acadêmico do curso de Medicina da Universidade Estadual do Ceará - UECE.
Tatiana Paschoalette Rodrigues Bachur, Universidade Estadual do Ceará
Docente do curso de Medicina da Universidade Estadual do Ceará - UECE. Coordenadora Científica do Grupo de Estudos em Neuroinflamação e Neurotoxicologia - GENIT/UECE.

Referências

FERREIRA, M. O.; FERNANDES, D.; OLIVEIRA, L.; VILELA, M.; SALAZAR, T.; SILVA, D.; CARDOSO, N.; DUARTE, A. Intoxicações agudas no serviço de urgência. Galicia Clínica, v. 79, n. 2, p. 40-44, 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde: volume único, 2ª edição. Brasília – DF, 2017.

CFM. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução nº 2148/2016, de 03 de outubro de 2016. Resolução CFM Nº 2149/2016. Brasília, DF, 22 jul. 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria Nº 204, de 17 de fevereiro de 2016. Brasília, DF, 17 fev. 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico: volume 49, 2018.

SEIZI, O.; CAMARGO, M.M.A.; BASTITUZZO, J.A.O. Fundamentos de toxicologia.3 ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

THOMPSON, T. Medical toxicology education in a world of limited resources. Journal of Medical Toxicology, v. 11, p. 281-282, 2015.

ABRACIT. Associação Brasileira de Centros de Informação e Assistência Toxicológica. Lista dos Centros. 2019. Disponível em: http://abracit.org.br/wp/lista-dos-centros/. Acesso em: 25 julho 2019.

BACHUR, T. P. R.; LIMA, M. E. S.; CUNHA, S. F.; CASTRO, M. L. A.; CYMROT, M.; ARAGÃO, G. F. Toxicologia Médica: Implementação, aceitação e perspectivas como disciplina curricular no curso de medicina. Revista Brasileira de Educação e Saúde. v. 8, n. 2, p. 41-45, 2018.

Publicado
2019-01-07
Como Citar
Silva, T. H. A. da, Nobre, D. G. de M., & Bachur, T. P. R. (2019). Caminhos para a consolidação da disciplina de Toxicologia Médica em um curso de medicina. Revista Brasileira De Educação E Saúde, 9(4), 145-149. https://doi.org/10.18378/rebes.v9i4.7111
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>