Fatores relacionados a prognóstico reservado da leucemia linfoide aguda

  • Gabrielle de Sousa Vitor Universidade Estadual do Ceará
  • Ticiana Alencar Noronha Universidade Estadual do Ceará
  • Andrezza Lobo Rodrigues Universidade Federal do Cariri
  • Tatiana Paschoalette Rodrigues Bachur Universidade Estadual do Ceará http://orcid.org/0000-0002-1975-9995

Resumo

A leucemia linfoide aguda (LLA) é uma neoplasia hematológica caracterizada pela produção exacerbada de linfoblastos pela medula óssea. Alguns fatores estão diretamente relacionados ao prognóstico adverso da doença. O objetivo desta revisão de literatura, foi realizar um levantamento dos fatores relacionados a prognóstico reservado da leucemia linfoide aguda e como eles influenciam neste prognóstico. Para isso, foi realizada uma busca eletrônica nas bases de dados MEDLINE e LILACS com artigos publicados entre os anos de 2010 e 2020. De acordo com os critérios de inclusão e exclusão estabelecidos, foram selecionados nove artigos para serem discutidos. Os principais fatores associados ao prognóstico reservado da LLA nos estudos revisados foram: idade, leucocitose acima de 30 × 109/L no momento do diagnóstico, mutações no cromossomo Philadelphia e no gene TP53 e invasão metastática para o sistema nervoso central. A população negra e asiática foram grupos citados como tendo uma redução da sobrevida. Os estudos analisados sugerem ainda que a realização de transplante de células-tronco hematopoiéticas oferece mais vantagem do que o uso de inibidores da tirosina-quinase na sobrevida de pacientes com LLA de risco intermediário a alto e que a realização de transplante de irmãos pareados e de doadores haploidênticos não variaram entre si em termos de sobrevida.

Biografia do Autor

Gabrielle de Sousa Vitor, Universidade Estadual do Ceará
Acadêmica de Medicina na Universidade Estadual do Ceará
Ticiana Alencar Noronha, Universidade Estadual do Ceará
Acadêmica de Medicina na Universidade Estadual do Ceará
Andrezza Lobo Rodrigues, Universidade Federal do Cariri
Acadêmica de Medicina na Universidade Federal do Cariri
Tatiana Paschoalette Rodrigues Bachur, Universidade Estadual do Ceará
Professora do curso de Medicina da Universidade Estadual do Ceará - UECE.

Referências

WOLFSON, J. A. et al. Causes of inferior outcome in adolescents and young adults with acute lymphoblastic leukemia: across oncology services and regardless of clinical trial enrollment. Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, v. 27, n. 10, 2018. DOI: 10.1158/1055-9965.EPI-18-0430

AKAHOSHI, Y. et al. Additional cytogenetic abnormalities with philadelphia chromosome–positive acute lymphoblastic leukemia on allogeneic stem cell transplantation in the tyrosine kinase inhibitor era. Biology of Blood and Marrow Transplantation, v. 24, n. 10, p. 2009-2016, 2018. DOI: doi.org/10.1016/j.bbmt.2018.06.006

WANG, Y. et al. Allogeneic stem cell transplantation versus tyrosine kinase inhibitors combined with chemotherapy in patients with philadelphia chromosome–positive acute lymphoblastic leukemia. American Society for Blood and Marrow Transplantation Biology of Blood and Marrow Transplantation, v. 24, n. 4, p. 741-750, 2018. DOI: 10.1016/j.bbmt.2017.12.777

KUMAR, A. J. et al., Delays in postremission chemotherapy for philadelphia chromosome negative acute lymphoblastic leukemia are associated with inferior outcomes in patients who undergo allogeneic transplant: an analysis from ECOG 2993/MRC UK ALLXII. American Journal of Hematology, v. 91, n. 11, p. 1107-1112, 2016. DOI: 10.1002/ajh.24497

WANG, Y. et al. Haploidentical versus matched-sibling transplant in adults with philadelphia-negative high-risk acute lymphoblastic leukemia: a biologically phase III randomized study. Clinical Cancer Research, v. 22, n. 14, 2016. DOI: 10.1158/1078-0432.CCR-15-2335

SALMOIRAGHI, S. et al. Mutations of TP53 gene in adult acute lymphoblastic leukemia at diagnosis do not affect the achievement of hematologic response but correlate with early relapse and very poor survival.

Haematologica, 101, n. 6, p. 245-248, 2016. DOI: 10.3324/haematol.2015.137059

OSKARSSON, T. et al. Relapsed childhood acute lymphoblastic leukemia in the Nordic countries: prognostic factors, treatment and outcome. Haematologica, v. 101, n. 1, p. 68-76, 2016. DOI: 10.3324/haematol.2015.131680

PEREZ-ANDREU, V. et al. A genome-wide association study of susceptibility to acute lymphoblastic leukemia in adolescents and young adults. Blood, v. 125, n. 4, p. 680-686, 2015. DOI: 10.1182/blood-2014-09-595744

FERREIRA, J. D. et al. Exposições ambientais e leucemias na infância no Brasil: uma análise exploratória de sua associação. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 29, n. 2, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-30982012000200014

PEDROSA, F.; LINS, M. Leucemia linfoide aguda: uma doença curável. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 2, n. 1, p. 63-68, 2002. DOI: 10.1590/S1519-38292002000100010

LARSON, R. Induction therapy for Philadelphia chromosome negative acute lymphoblastic leukemia/lymphoma in adults. Up To Date, 2020. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/induction-therapy-for-philadelphia-chromosome-negative-acute-lymphoblastic-leukemia-lymphoma-in-adults>. Acesso em: 22 mar. 2020.

HORTON, T. M.; STEUBER, P.; ASTER. J. C. Overview of the clinical presentation and diagnosis of

acute lymphoblastic leukemia/lymphoma in children. Up to Date, 2020. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/overview-of-the-clinical-presentation-and-diagnosis-of-acute-lymphoblastic-leukemia-lymphoma-in-children>. Acesso em: 22 mar. 2020.

Publicado
2020-07-04
Como Citar
Vitor, G. de S., Noronha, T. A., Rodrigues, A. L., & Bachur, T. P. R. (2020). Fatores relacionados a prognóstico reservado da leucemia linfoide aguda. Revista Brasileira De Educação E Saúde, 10(3), 57-63. https://doi.org/10.18378/rebes.v10i3.7806
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>