Metodologias Disruptivas e novas Ferramentas Utilizadas para a Formação do Profissional 4.0

Resumo

No tempo em que vivemos diante das constantes mudanças no mundo do trabalho profissional, necessitamos de uma educação que forme estudantes com as habilidades necessárias para sempre se adaptarem ao que o mercado possa necessitar deles. Assim não precisamos no século XXI de escolas que passem conteúdos e sim de uma educação que ensine habilidades e resiliência, para isso trazemos nesse artigo de revisão, uma explanação nas novas metodologias e ferramentas utilizadas na nova educação 4.0.

Biografia do Autor

José Cândido da Silva Nóbrega, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG
Graduado em Administração; Graduado em Teologia pelo Centro Universitário Claretiano (CEUCLAR); MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV); Especialista em Teologia pela Universidade Católica Dom Bosco; Mestre pelo PPGSA – UFCG e Mestre em Negócios Internacionais -MUST.

Referências

ARENAL, H. A la búsqueda de un ídolo caído. (Documento en Línea) La Jiribilla (Revista digital cubana) Disponible en: http www.lajiribilla.cu Acesso em 21/07/2019.

BERG, Hudson, Maxine, Pat. Rehabilitating the Industrial Revolution. The Economic History Review. 1992.(The Economic History Review, Vol. 45, No. 1). pp. 45, 24-50.

CARVALHO, Bruno Leal Pastor de. Revolução Industrial: uma bibliografia comenta-da. (Bibliografia Comentada). In: Café História – história feita com cliques. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/revolucao-industrial-comentada/. Publicado em: 29 jul. 2019

COPLESTÓN, F. Historia de Filosofía. México. Ed. Fondo de Cultura Económica. 1959.

CORERTH, E; y otros. La filosofía del siglo XX Barcelona. España: Herder. 1989.

DARDEL, E. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2011.

FOFONCA, E. FISCHER, M. A Curadoria de Conhecimento na EaD: desafios e novas perspectivas de pesquisa e metodologia on-line na formação de professores. In. Educação a Distância e Tecnologias Digitais. Curitiba: Editora Prismas, 2017

FOULQUIE, R. El Existencialismo. México. Ed. Fondo de Cultura Económica. 1948.

HEIDEGGER, M. Sobre o humanismo. In: Conferências e escritos filosóficos. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

______. Der SatzvomGrund(1955-56). Paris: Gallimard, 1993.

______.DieGrundprobleme der Phänomenologie(1919-20). Paris: Gallimard, 1985.

______. Construir, habitar, pensar. In Ensaios e conferências. Petrópolis: Vozes, 2001.

______. Heráclito: a origem do pensamento ocidental. Rio de Janeiro: RelumeDumará, 1998.

HOBSBAWM, Eric. The Age of Revolution: Europe 1789-1848. Weidenfeld & Nicolson Ltda. 2010.

HOLZER, W. Uma discussão fenomenológica sobre os conceitos de paisagem e lugar, território e meio ambiente. InRevista Território, ano li, nº 3, jul./dez. 2010.

INIKORI, Joseph E. Africans and the Industrial Revolution in England.Cambridge: University Press. 2015.

LOPARIC, Z. . Alguns escritos recentes sobre a ética em Heidegger. In RevistaNat. hum. vol.1, no.2, dez. 1999.

MARANDOLLA JÚNIOR, E..Da existência e da experiência: origens de um pensar e fazer. InCaderno de Geografia, v. 15, n. 24, Belo Horizonte, 2005.p. 49-67.

MCCARTHY, John. O que é inteligência artificial? Universidade de Standford, EUA, 2015.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

MICHELAZZO, J. C. O natural e o humano no pensamento do jovem Heidegger . Natureza Humana 7(2): 375-397, jul.-dez. 2010.

NUÑO, J. Sartre. Caracas- Venezuela: UCV. 1972.

MITCHELL, Tom. Aprendizado de Máquina. McGraw-Hill, 2015.

PIRES, Paulo F. DELICATO, Flavia C. BATISTA, Thais. BARROS, Thomaz. CAVALCANTE, Everton. PITANGA, Marcelo. Plataformas para a Internet das Coisas. In: XXXIII Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos. 2008.

RICH, E. & KNIGHT, K. Inteligência Artificial. 2. ed. São Paulo, Makron Books, 2016.

SOUZA, R. T. O tempo e a máquina do tempo: estudos de filosofia e pós-modernidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

STEIN, Er. Aproximações sobre Hermenêutica. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

TÁPIA, L. E. Rs. Método em fenomenologia. In MARTINS, J. (Org.). Temas fundamentais de fenomenologia. São Paulo: Centro de estudos fenomenológicos de São Paulo, 1994.

BRÜSEKE, Franz. Josef. Ética e Técnica? Dialogando com Marx, Spengler, Jünger, Heidegger e Jonas. Ambiente e sociedade. Vol. VIII, nº 2. Jul/dez, 2005.

SPENGLER, Oswald. A decadência do ocidente. Esboço de uma morfologia da história universal. Edição condensada por Helmut Wernet. Tradução Herbert Caro. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1964.

______________.O homem e a técnica. Uma contribuição à filosofia da vida. Tradução Érico Veríssimo. Edições Meridiano: Porto Alegre, 1941.

STEIN, Ernildo. Heidegger (Capítulo 69). Os pensadores. História das grandes ideias do mundo ocidental. Volume IV. (Coleção Os pensadores). São Paulo: Abril Cultural, 1971.

VERNEAUX, R. Historiade la Filosofía Moderna. Barcelona-España: Herder. 1968.

Publicado
2021-01-13
Como Citar
Nóbrega, J. C. da S., Freitas, M. B. de S., Maia, T. F., Araujo, B. S., Silva, A. T. V. da, & Bezerra, C. G. (2021). Metodologias Disruptivas e novas Ferramentas Utilizadas para a Formação do Profissional 4.0. Revista Brasileira De Filosofia E História, 10(1), 01-31. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBFH/article/view/8564
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>