ESTUDO SOBRE A DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA EM PERA TIPO D’ANJOU

  • Maria Eugênia Meliano de Medeiros Souto Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Nayá Paiva Pereira de Almeida Leitão Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Isabelle Cristine Prohmann Tschoeske Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Tatiana Souza Porto Universidade Federal Rural de Pernambuco

Resumo

A pera (Pyrus comunis L.) é uma fruta climatérica de grande importância nacional, pois o Brasil ocupa a quadragésima posição dos principais produtores mundiais.  Por ser uma fruta composta de uma grande quantidade de água e nutrientes, ela é suscetível a degradação microbiana, o que faz com que sua vida de prateleira seja curta. Com o intuito de reduzir o teor de água em peras, foi realizado um processo de desidratação osmótica utilizando um planejamento fatorial 2² com duas variáveis: agentes osmóticos (sacarose e glicose, ambos a 60 ºBrix) e NaCl a 15 e 30%. Foi observado que não houve um melhor agente osmótico no estudo, uma vez que não houve diferença estatística nos valores de perda de massa, perda de água, incorporação de sólidos e de redução da acidez total titulável das peras, e que a utilização de NaCl inibiu a incorporação de sólidos, ao invés de estimulá-la.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALI et al. Osmotic dehydration of banana rings and tomato halves. Journal of American Science; 6(9), 2010.

CONWAY et al. Mass transfer consideration in the osmotic dehydration apples. Can. Instute of Food Science and Technology Journal. 16: 25-29, 1983.

COSTA E PELUZIO. Nutrição Básica e Metabolismo. Ed. UFV. 1ª edição, 2008.

DEMCZUK et al. Degradação da cor e do ácido ascórbico na desidratação osmótica de kiwi. Boletim do Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos, v.26, p.229-238, 2008.

DIONELLO et al. Desidratação osmótica de frutos de duas cultivares de abacaxi em xarope de açúcar invertido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.13, p.596-605, 2009.

FAO. Faostat Database Prodstat. 2012. Disponível em: <http://faostat.fao.org/faostat/servlet/>. Acesso em: 25 ago. 2015.

IAL. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo, Instituto Adolfo Lutz. 4ª edição, 2008.

KHAN, M. R. Osmotic dehydration technique for fruits preservation-A review. PAK. J. FOOD SCI., 22(2), p. 71-85 ISSN: 2226-5899, 2012.

MENDES et al. Conditions for osmotic dehydration of oranges and functional properties of the product. Revista Brasileira Engenharia Agrícola e Ambiental. v.17, p.1210–1216, 2013.

RAOULT-WACK, A. L. Recent advances in the osmotic dehydration of foods. Trends in Food Science & Technology, v.5, n.8, p.255-260, 1994.

RASTOGI & RAGHAVARAO. Water and solute diffusion coefficients of carrot as a function of temperature and concentration during osmotic dehydration. Journal of Food Engineering. 34:429-440, 1997.

RUIZ-LÓPEZ et al. Modeling of kinetics, equilibrium and distribution data ofosmotically dehydration carambola (Averrhoa carambola L.) in sugar solutions. Journal of Food Engineering, v.104, p.218-226, 2011.

TECCHIO, M.A. et al. Evolution and perspective of the temperate fruit crops in São Paulo state. Brazil. Revista Brasileira de Fruticultura, v.33, p.150-157, 2011. Edição especial. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-29452011000500018>. Acesso em: 22 ago. 2015.

ZHAO & XIE. Practical applications of vacuum impregnation in fruit and vegetable processing. Trends of Food Science and Technology. 15:434-511. 2004.

Publicado
2017-11-23
Como Citar
Souto, M. E. M. de M., Leitão, N. P. P. de A., Tschoeske, I. C. P., & Porto, T. S. (2017). ESTUDO SOBRE A DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA EM PERA TIPO D’ANJOU. Revista Brasileira De Agrotecnologia, 7(2), 383-387. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBAGRO/article/view/5236
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)